Pessoal cobrando a Prefeitura pela entrega do BRT no Facebook

O pessoal resolveu “ressuscitar” um post da Prefeitura do Natal de dois anos atrás, no Facebook, sobre a possível entrega do BRT e deu o link de uma matéria no blog da Prefeitura. Veja a postagem:

Esta era para ser uma das obras de mobilidade urbana na Copa do Mundo, que aconteceu em 2014. Ou seja, há quase três anos. Você viu algum BRT passando na capital potiguar? Ou alguma obra de um abrigo para este transporte público? Obviamente que não e as pessoas estão soltando diversos comentários na postagem (não corrigimos o internetês para mostrar os comentários de forma clara), como:

Boeee, 2017 e cadê isso? Tão vibe digital msm né? O babado é ficar bem na internet e fazer nada. Não fizeram isso pq não quiseram viu, pq o tanto de imposto q pagamos é tributação até no meu cu. Vcs não tem vergonha não? Somos cidadãos não burros! Depois querem aumentar preço de passagens, de tudo. Parem de passar a conta de vcs pra gente e promovam o bem estar social dá população q ngm perturba vcs tá OK? Agora vão trabalhar!!

André Soares

A obra já está concluída. O problema é que ela desapareceu.

Douglas Cavalheiro

Esse investimento está mais do que atrasado! A mobilidade urbana em Natal clama por socorro! Só espero que as autoridades não inventem de derrubar o pouco do verde(árvores) que restam na Bernardo Vieira e nas principais vias, com essa história de BRT. Estamos de olho em vocês!

Matheus Guedes

EU QUERO CICLOVIAS, duas ciclovias urgentes: Uma De parnamirim (no canteiro da BR e com arvores no meio, para a gente nao morrer no sol pedalando) passando pela salgado filho, hermes da fonseca até a praça cívica. E outra Na roberto Freire, da Ufrn até a vila de ponta negra… AS CICLOVIAS DEVEM SER CONSTRUÍDAS NOS CANTEIROS ENTRE ARVORES. Não tem espaço? tira uma das faixas que são pra carro e faz.. Bicicletas e Arvores valem mais

Fanny Avlis

as, que mentira é essa, não dá! a Salgado Filho e Hermes da Fonseca, que deveria ter 4 faixas de rolamento por ser uma via arterial, só tem 3 de cada pista, isso foi um erro de planjamento de um engenheiro que comprometeu o futuro da cidade, se fosse 4 faixas de rolametos daria para colocar um BRT

Ovidio Tavares

A prefeitura do Natal é o tipo de prefeitura que faz divulgação enganosa, por que se for olhar a história dos últimos anos e ver o que já prometeram e nem começaram kkkkk nada é feito em Natal, nada! Cidade sempre em marcha lenta diante as outras capitais. Evolução 0 a nossa

Felipe Andrade

Não fizeram o que precisava ser feito na época da Copa, quando vários órgãos governamentais aprovaram orçamentos…e vai fazer isso agora? Com que dinheiro? Cada estória da carochinha!!!!

Ranieri Strauss-Klein

O que é BRT?

BRT é uma sigla inglesa de Bus Rapid Transport, que em português significa Transporte Rápido de Ônibus. É um sistema de transporte coletivo de passageiros que proporciona mobilidade urbana rápida, confortável, segura e eficiente por meio de infraestrutura segregada com prioridade de ultrapassagem, operação rápida e frequente, excelência em marketing e serviço ao usuário.

O sistema BRT foi criado em 1974 pelo arquiteto e na ocasião prefeito da cidade, Jaime Lerner, em Curitiba, no Paraná. As mudanças transformaram a capital em uma cidade de sucesso urbano, renomada em todo mundo. Junto ao BRT vieram projetos sociais inovadores, zonas de pedestres e espaços verdes, além disso, muitas outras cidades brasileiras seguiram o exemplo com sistemas básicos, como São Paulo, Porto Alegre e Belo Horizonte.

Nesse sistema deve ser realizada a substituição permanente do trânsito individual por um atrativo transporte coletivo, promovida a segurança e a proteção para os seus passageiros, a redução de CO² bem como a diminuição de congestionamentos. Para isso, não há nada mais adequado do que soluções BRT, realizáveis a médio e longo prazo com investimento moderado. São conceitos que se integram homogeneamente nas estruturas urbanas, em tempo hábil como solução plena ou também por etapas.

Para ser considerado um BRT, o sistema de transporte público de ônibus deve operar por uma faixa de rodagem exclusiva (corredor de ônibus), evitar o congestionamento do tráfego. Além disso, um verdadeiro sistema de BRT deve ter os seguintes elementos:

Alinhamento no centro da via (para evitar atrasos típicos do lado do meio-fio)

Estações com cobrança de tarifa fora do veículo (para reduzir o atraso do embarque e desembarque relacionado com o pagamento ao motorista)

Estações com o nível do piso do ônibus (para reduzir o atraso do embarque e desembarque causado por escadas)

Prioridade de ônibus nos cruzamentos (para evitar a atraso em intersecções rodoviárias)

No Nordeste só tem em Recife, Salvador e Fortaleza.

Quer casar? Você pode fazer oficialmente em maio

Quer casar? Muita gente já mora junto com alguém há algum tempo, mas por diversas razões não consegue oficializar o casamento. Por falta de dinheiro ou vontade mesmo de fazer uma grande festa, muitos casais deixam isto para o segundo plano. Entretanto, o Tribunal de Justiça vai dar aquela força aos companheiros que querem oficializar a união.

A ação vai acontecer em maio e faz parte das atividades do Ação Global, projeto da Rede Globo e do Sesi, que faz um mutirão para que as pessoas possam resolver alguma pendência, como emissão de carteira de identidade, carteira de trabalho, vacina, exames médicos e dentre outras coisas.

Como faz para se inscrever no casamento coletivo? Os casais interessados em participar do casamento comunitário devem procurar os cartórios únicos de Igapó, Redinha e o 5º Ofício do Alecrim para fazerem suas inscrições. Ao comparecer ao cartório, o casal deve portar comprovante de residência, certidões de nascimento, xerox das identidades e carteira profissional.

A expectativa é que sejam realizados cerca de cem casamentos este ano. A inscrição acontece até o dia 12 de maio.

O procedimento é gratuito, mas para garantir esse direito, o casal deve ter renda de até dois salários mínimos. Quem estiver desempregado também terá direito à gratuidade. Caso o contrário, deverão pagar R$ 236 para entrar com a papelada.

 

 

Escola potiguar adota dois livros de editora potiguar como paradidáticos

Na época dos processos seletivos para ingressa à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), dentro da lista dos paradidáticos estavam livros produzidos por escritores potiguares, como “O Horto”, da poeta Auta de Souza. Apesar da UFRN ter adotado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de ingresso, algumas escolas ainda adotam livros produzidos no RN como paradidáticos aos seus alunos. Foi o caso do colégio CDF, que adotou dois livros da editora Jovens Escribas para os seus estudantes. Os escolhidos foram “A noite que nunca acaba” e “Crônicas na Escola”, ambos escritos por Carlos Fialho, um dos cabeças pensantes do selo.

O primeiro livro citado narra a história de ma série de assassinatos de estrangeiros que chegaram à cidade para usufruir dos serviços sexuais prestados por menores de idade; a implicação de um grupo de jovens em crimes bárbaros praticados nos anos recentes; a trajetória de uma menina que acabou morta ao tentar sair da prostituição; uma epidemia avassaladora provocada por um vírus haitiano transforma a outrora pacata cidade para todo sempre; um grupo de sobreviventes tenta superar uma situação de confinamento; uma mulher e um homem que tentam viver na traumatizada cidade pós-apocalíptica que lhes foi legada; um homem que prefere enxergar a vida com outros olhos.

Histórias que têm ou não relação entre si, narrativas construídas com pitadas de fantasia e toques de mórbido absurdo, baseadas no impulso de contar uma realidade possível, ainda que pouco provável.

A segunda obra, por sua vez, traz uma coletânea de divertidas crônicas do autor Carlos Fialho adaptadas a uma linguagem livre, atualizadas com os novos tempos e apropriadas para serem lidas por jovens de todas as idades e até trabalhadas em salas de aula.

Os Jovens Escribas foi um dos primeiros selos independentes do Rio Grande do Norte. Começou em 2004. A editora foi criada pelo publicitário Carlos Fialho que resolveu juntar com outros jovens, Patrício Júnior, Daniel Minchoni e Thiago de Góes, que tinham a mesma vontade dele: publicar livros. Mas também, eles conseguiram publicar livros de outros autores consagrados, como Nei Leandro de Castro. Agora, eles também lançam livros de outros escritores brasileiros e participam de diversos eventos literários.

Mais livros potiguares nas escolas!