vestida anti-bolsonaro

Mesmo temendo, eu fui vestida anti-Bolsonaro

Mesmo temendo, votei vestida a favor dos candidatos anti-Bolsonaro

“Coloque uma roupa neutra, mulher”, acho que era o pensamento de quase todas as pessoas que queriam sair vestida a favor de pessoas anti-Bolsonaro, independente de quem fosse o candidato. A única vez que vi este temor foi quando vi filmes e livros que retratam sobre a Ditadura Militar. Como já dizia Chico Buarque: “Minha gente olhando para o chão”. Em contrapartida, pensara como Caetano: “Não devemos temer a morte”. Apesar de muitas dúvidas, fui com meu kit eleitora e representei a minha preferência pelo Partido dos Trabalhadores, o PT.

Desde 2015 eu enfatizo que este blog vai falar de causas consideradas de esquerda, como o feminismo, casamento igualitário, aborto seguro, legalização das drogas, combate ao racismo e a luta por uma educação pública e de qualidade. E, por discordar completamente da atual gestão, me identifiquei com as propostas que foram fornecidas por Luís Inácio Lula da Silva.  

Sem contar que aqueles protestos malucos de 2013 (arrependimentos!) me fizeram identificar que aquele pessoal anti-PT não me representa, por apoiar atitudes preconceituosas e impedem a igualdade social. Nunca passei pano para o PT, mas esta eleição é para acabar com pessoas que usam o Executivo para espalhar o ódio e resolvi ir vestida, além de acabar com o devaneio de uma invasão a esquerda que nunca existiu, visto que o país é naturalmente conservador.

Será que tive medo? Claro! Mas vou relatar a seguir.  

Como foi sair de casa vestida anti-Bolsonaro?

Na sexta-feira, eu discordei do professor Rodrigo Parron para ir de cor neutra para votar, sob o argumento de que fazendo essa atitude seria o alimento para continuar com o Bolsonarismo e enfatizar o que houve há mais de 50 anos quando instalaram o AI-5, em que pessoas ficavam caladas com medo de serem torturadas e esperando um milagre para que o governo caísse. 

Falei da aula mas não especifiquei o que estudo. Estou no último semestre de Publicidade e Propaganda da UFRN e tenho aulas na sexta-feira com o professor. E antes de terminar, ele disse este assunto. 

Acordei numa manhã ensolarada, o céu estava bonito e nem parecia que estava ansiosa no dia anterior por outros fatores. Então, tomei um café da manhã, tomei um banho e fui botar uma roupa. Peguei minha camiseta a favor do PT feita por Vítor Bezerra, o artista visual e que para as eleições customizou camisetas a favor do partido. Além disso, coloquei uma maquiagem vermelha, mais cheguei possível e finalizei os meus cachos da melhor forma possível, coloquei uma saia confortável e fui com a toalha com o rosto do ex-presidente. Quando cheguei na minha cabine de votação, rapidamente vi os bolsonaristas fazendo barulho, fazendo questão de mostrar que eles votariam no dito cujo, o verde e amarelo predominantemente. 

Já a trupe de vermelho estava mais discreta, com adesivos de seus candidatos no peito e, por fim, tentando decifrar com os olhos quem estava do lado deles. Um ou outro teimaram em ficar vestida de anti-Bolsonaro. Alguns fazendo um L tímido, outros dando sorrisos. Alguns usando a toalha para afastar o sol quente.  Ao adentrar no local onde votaria, a única coisa que percebi que passaria longos minutos. 

Ficou com medo de apanhar?

Obviamente fiquei, mas como sou atrevida, queria pagar para ver. Mas, a única agressão que eu ouvi, pois estava já na minha sala de votação foi quando um Bolsonarista preferencial brigou com uma mulher petista também preferencial e falando frases machistas para cima da mesma. Porém, o mesário conseguiu acalmar os ânimos e o eleitor saiu aos berros. Quando acabei de voltar, ainda tinha o cochicho sobre esta situação, que, de fato, era bem vergonha alheia. 

As pessoas estiveram com medo?

Obviamente que sim, pois havia chances reais de acontecer alguma agressão por conta dos ânimos. Você via essa expressão principalmente em pessoas mais jovens que estavam indo votar, mas as coisas foram se acalmando quando houve um fato que uniu todos os grupos: a demora para votar. Neste ano, o TRE mudou mais de 200 locais de votação, sendo que uma parte ficou concentrada em colégios e universidades particulares de grande porte.  O meu local de votação foi um desses espaços

O local de votação 

Independente de sua posição política, a reclamação era uma só: que demora essa fila! Não era por menos, pois além de ter aumentado a quantidade de eleitores, o número de pessoas para votar seguia o mesmo fluxo. Tinha que decorar quatro números para federal, cinco para estadual, três para senador e dois para cada cargo do Executivo (Presidente e Governador). Então, botando a calculadora para funcionar, as pessoas tinham 16 números embaralhados na mente. E, às vezes, a colinha não dava jeito. 

Eu cheguei às 13 horas no local de votação. Mas somente votei por volta das 15 horas, onde a fila estava desorganizada, ora não sabia se era fila única ou não. Até uma pessoa me relatar que a fila foi “quebrada” da minha seção, pois o pessoal queria fugir do sol. E a toalhinha me ajudou a se proteger do sol, além das cadeiras de plásticos que alguns trouxeram no local. Pode ter demorado, mas as pessoas estavam preparadas para qualquer tipo de caos. 

Após o meu voto, eu só queria uma única coisa: almoçar e esquecer por alguns minutos as eleições gerais. 

E o look vestida anti-Bolsonaro?

Como vocês estão vendo na galeria, eu realmente fui bem basiquinha (só que não), onde coloquei sombra vermelha no meu rosto, uma camiseta mostrando mensagem de apoio ao Lula e, também, a toalhinha com o rosto, que foi a sensação das Eleições 2022, onde mostra que foi uma ótima maneira de analisar como está os ânimos na rua. Furar a bolha além das pesquisas, algo que no segundo turno será um contra-argumento muito utilizado. 

E eu vou continuar com esse look vestida anti-Bolsonaro no segundo turno. 

Conclusão

Se manifestam politicamente, mesmo que a tendência seja de ânimos mais quentes. Nas redes sociais, conversando com os vizinhos e parentes e, o mais importante, falar nas ruas. Como o Criolo já dizia: “Os graffitis gritam”.

Agora é mostrar a importância de ter um país que respeite os idosos, os indígenas, LGBTQIA+, as religiões e entre outros assuntos. Crescemos ouvindo que somos um país cheio de pluralidade, porém devemos colocar isso na prática. As abstenções vão ser de suma importância, pois aqueles que desistiram de votar no primeiro turno, independente do motivo, serão a força-motriz para saber se querem seguir o que está acontecendo nos quatro anos ou não. 

E vamos, portanto, para mais 20 dias. 

Eleições 2022

Últimos posts

Festival Mada

História do Festival Mada explicada em vídeo

Após falar de Carlos Alexandre e experimentar o refrigerante de melancia, agora vou contar a história do Festival Música Alimento da Alma, conhecida popularmente como Mada, no qual fizemos uma cobertura ampla tanto no Instagram quanto pelo próprio site.

Além disso, antes de ver o vídeo, preciso explicar que ainda dá tempo de comprar Revista do Brechando nº2, clique no link em destaque.

Mas, faltava de falar da festa aonde? No nosso canal do Youtube, mostrando imagens do que rolou nesta edição mais a história do evento.

Mais um episódio do Brechando Vlog que fala sobre o Festival Mada

Então, acesse o canal do Brechando no Youtube e veja mais um episódio. Dê o play, portanto, a seguir:

Deixe aqui o seu comentário e não se esqueça de inscrever no canal.

Eleições 2022 RN

O que pode e não pode fazer nas Eleições no RN?

Eleições 2022 RN

O que pode e não pode fazer nas Eleições no RN?

As eleições 2002 vão decidir, primeiramente, não só o futuro do RN, mas também do Brasil. No próximo dia 02 de outubro começa a votação do primeiro turno. De primeira vamos saber quais serão os deputados estaduais, federais e senador que representará o RN, visto que não há segundo turno para os cargos legislativos. Entretanto, vamos saber se voltaremos as urnas ou não para decidir os cargos eletivos: presidente da República e Governador.

Independente se vai ganhar ou não no primeiro turno, os eleitores precisam saber de algumas regras para que não cometa algum crime eleitoral e passe o domingo inteiro presoo. 

O que pode nas Eleições no RN

Quando o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) diz que é uma festa da democracia, não é fazer com que a cabine de votos seja uma verdadeira comemoração.

Calma, você pode comemorar apenas após a apuração terminar.

Entretanto, algumas regras que são válidas, tais como:

  • Andar com bandeira, camiseta, toalha, adesivo ou tudo que representa o político que vai votar, mas precisa ser individual e silenciosa.
  • Levar uma cola para saber o número de cada candidato.
  • Ter a presença do fiscal de partido ou coligação na seção eleitoral.

Não pode

Entretanto, algumas atitudes não podem ser feitas durante a votação. Apesar de parecerem tão óbvias, algumas pessoas insistem em cometê-las.

Mas, afinal o que não pode ser feito durante a votação?

A seguir, vamos apresentar o que não pode:

  • Distribuir os santinhos e fazer propaganda impressa ou na internet.
  • Não fazer a boca de urna, ato que faz com que as pessoas tentam convencer a votar em um certo candidato.
  • Sem selfies e muito menos vídeos.
  • Fazer comício ou carreata durante a votação.
  • Usar carro de som.
  • Consumir bebida alcoólica.

Quais são os crimes eleitorais nas Eleições 2022?

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  os principais crimes eleitorais são condutas praticadas durante a votação ou na fase da campanha, fazendo com que isso atrapalha ou macule o direito do voto.

Como resultado, consistem em condutas delituosas que podem se revelar nas mais diferentes formas. Um exemplo é indo desde aquelas que comprometem a inscrição de eleitoras e eleitores, a filiação a partidos políticos, o registro de candidatas e candidatos, a propaganda eleitoral e a votação até aquelas que violam a apuração dos resultados e a diplomação das pessoas eleitas.

A seguir vamos apresentar os principais crimes eleitorais:

  • Propaganda de boca-de-urna: A ação dos cabos eleitorais e demais ativistas, denominados “boqueiros”, junto aos eleitores que se dirigem à seção eleitoral, promovendo e pedindo votos para o seu candidato ou partido. A Lei Eleitoral proíbe a realização de atividades de aliciamento de eleitores, e quaisquer outras, visando ao convencimento do eleitor à boca-de-urna. 
  • Compra de votos: Também conhecida como capacitação ilícita de sufrágio, o crime está na lei 9504/1997, onde o candidato não pode doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor algum bem ou vantagem pessoal para voto. Logo, se for comprovado, pode pagar uma multa de 1000 a 50 mil reais ou a cassação do mandato, se for empossado.
  • Falta de prestação de contas: É importante quando declarar a campanha dizer o quanto em específico vai gastar na campanha e não pode utilizar mais que 100% dos recursos predestinados. Além disso,  ele precisa seguir os prazos de prestação e, inclusive, pode perder o mandato se houver alguma divergência, além de pagar uma multa.
  • Ameaça ou agressão ao eleitor: Constranger o eleitor concorrente também é um crime eleitoral, podendo causar 4 anos de reclusão. 

Eleições 2022

Últimos posts

RN Thabatta Pimenta

RN vai eleger a deputada federal trans, a Thabatta Pimenta?

RN vai elegar a deputada federal trans, a Thabatta Pimenta?

RN Thabatta Pimenta

Nas pesquisas eleitorais do RN os nomes apontam o nome de Thabatta Pimenta, vereadora, ativista, radialista e trans. A política teve fama nas redes sociais e sites de renome quando mostrou a sua rotina com seu irmão Ryan, que tem paralisia cerebral. Além disso, a sua família LGBTQIA+ também recebeu destaque, visto que a sua mãe casou com uma outra mulher.

Mas, a vida dela passou por vário turbilhões. Se tornou vereadora na cidade de Carnaúba dos Dantas, tornando-se a primeira vereadora trans do estado. Além disso, militou pela vacina, visto que a mãe foi uma das vítimas da Covid-19. Com filiação no Partido Socialista Brasileiro (PSB), tenta uma vaga para a Câmara Federal.

Por que a escolha para deputada federal?

A Thabatta não considera que escolher se candidatar a deputada federal ao invés de estadual não foi um erro.

“A escolha de ser deputada federal não foi minha, mas da população do Rio Grande do Norte. Quando me coloquei a disposição, meu nome apareceu tanto na pesquisa para federal quanto para deputada estadual. Mas, o que me fez de verdade ser candidata para Câmara, foi quando estive com o Lula (candidato a presidente) na última convenção do partido. O presidente disse que viu já estava na hora do país eleger a primeira mulher trans e a bancada LGBQIA+ precisa crescer”, contou.

Thabatta Pimenta, a entrevista aconteceu quando a encontrei no mada

Além disso, ela citou que há possibilidades de outras trans se elegerem. “Tem a Érica (Malunguinho) em São Paulo, Duda (Salabert) em Minas, a Robeyoncé (Lima) em Pernambuco…A gente está pronta para mudar o país e me colocar neste lugar hoje é de muita importância não só para nossa comunidade, mas também continuar defendendo as outras pautas que sigo”, disse.

Direito aos PCD é uma das propostas da candidata do RN, Thabatta Pimenta

Como mencionamos acima, a Thabatta tem o irmão que é uma pessoa com deficiência (PCD). Quem os acompanha nas redes sociais, eles são unha e carne e juntos enfrentando qual obstáculo. Além disso, ela defende os direitos das famílias que são atípicas, aquelas que não se encaixam no núcleo pai, mãe e filhos.

“Sigo abraçando tudo que eu venho trazendo desde que me coloquei na política, o direito da pessoa com deficiência. Sem contar que falo desde sempre pelo direito das mães e das famílias atípicas”, contou.

Campanha sofreu transfobia em shopping da cidade

A candidata, recentemente, enquanto fazia campanha na capital potiguar, seguranças do Via Direta lhe impediu de entrar no banheiro feminino.

Já protocolamos o processo e em breve vão receber (organização do shopping). Me entristece, pois a gente vive isso diariamente e não foi só comigo, por toda a minha equipe, composta por outras mulheres trans. De alguma forma, colocamos uma discussão que já era para estar rolando há muito tempo e nosso estado começou a se perguntar os porquês. A gente tem quer mudar isso para que a gente possa fazer o nosso xixi como todo mundo.

Thabatta

Infelizmente a gente tem que passar por isso ainda e a gente quer mudar isso.

Sobre o hate e transfobia

A política lamenta o hate (expressão de ódio de pessoas na internet) que recebe nas redes sociais. “Essa questão do banheiro, por exemplo, só olhar os comentários dos posts dava para ver os mais absurdos e piores que os seguranças disseram. Então, eu prefiro não absorver e continuar fazendo a minha campanha”, enfatizou.

Em compensação, ela sentiu um grande apoio das pessoas, sendo abraçada por todo mundo. “Sinto esse abraço de pessoas de todos os lugares e mostra que a trans pode ter oportunidade para ir a outras profissões”, celebrou.

Satisfação de vereadora em Carnaúbas dos Dantas

Carnaúbas dos Dantas é uma cidade pequena, mas assim mostra progressista pelo fato de eleger Thabatta e perguntei sobre os avanços na cidade na sua atuação na Câmara Municipal. “Como parlamentar, conseguimos mostrar a voz das minorias da nossa cidade e no ano passado foi uma honra em receber o reconhecimento de um dos mandatos mais atuantes no RN.”.

Agora seu objetivo é mostrar espaço para todas as minorias.

A gente mostrou que não é só a pauta LGBT. É muito mais do que isso. A gente se coloca nesse espaço da política para falar por todo mundo, visto que a gente se coloca no lugar do outro, coisa que os representantes do povo não fazem certo.

Eleições 2022

Últimos posts