Balé russo se apresenta em Natal em abril e maio

O Balé da Rússia vai passar em abril e maio nas terras natalenses. A primeira apresentação acontecerá no Teatro Riachuelo e apresentará o “Joias do Ballet Russo”, com os grandes momentos da dança clássica mundial. Estão no programa obras como O Lago dos Cisnes, Giselle, Don Quixote, entre outros. Além disso, a companhia de balé russo se apresentará em Natal no dia 19 e 20 de maio, numa apresentação que se chama Viktorya e é a primeira vez que eles apresentam este espetáculo no Brasil.

A iniciativa de trazer ao Brasil foi do produtor brasileiro Augusto Stevanovich com apoio da iniciativa do empresário Russo Sergei Chak, o Embaixador e Cônsul Geral da Rússia, Mikhail Troianky, e apoio de empresas Brasileiras e sua intenção faz parte de uma campanha de popularizar o Ballet Russo em todo o Brasil.

O Russian State Ballet vem de Moscou, considerada uma das companhias de dança mais respeitadas da Rússia,  Além de Natal, as apresentações acontecem em Belém, Campinas, Campo Grande, Curitiba, Dourados, Fortaleza, Ponta Grossa, Porto Alegre, Presidente Prudente, Recife, Salvador e Santos.

Com 32 anos de história, a companhia está sob a liderança do coreógrafo Viatcheslav Gordeev, seu criador, diretor artístico e diretor geral.

Com seus quarenta solistas, a meta principal do Russian State Ballet é preservar a herança da coreografia russa e da Europa ocidental, paralelamente à busca de novas formas de dança. Além de Vi

As apresentações do grupo russo são trazidas anualmente pelo Brasil através do As Enternaiment, que desde 1996 trabalha em trazer apresentações culturais europeias para o Brasil. Os ingressos estão disponíveis neste site aqui.

Potiguares estão cada vez mais adquirindo tv fechada, diz Anatel

O Rio Grande do Norte está nadando contra a maré quando falamos de assinar um pacote de tv a cabo, visto que houve um aumento de 0,51% do número de assinantes de janeiro para fevereiro deste ano. É o terceiro estado que mais teve crescimento no número de clientes interessados em canais fechados, perdendo apenas para Roraima e Tocantins. Enquanto isso, grandes estados, como Pernambuco, teve uma queda de quase 2%. Essas informações são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Não se engane se comparar com dados do ano passado, este número vai sofrer alteração.

A Anatel também registrou o crescimento de 1,82% do número de potiguares adquirindo as televisões por assinatura. Em fevereiro de 2016, o número de assinantes no Rio Grande do Norte era de 224.442 pessoas. Agora este número saltou para 228.535.

Os potiguares estão indo ao contrário da tendência mundial, onde as pessoas estão cancelando os seus contratos com empresas que exibem canais fechados e trocando por serviços via streaming, como o Netflix, que já tem 100 milhões de pessoas no mundo todo.

A Anatel registrou em fevereiro de 2017 um total de 18.605.152 assinantes de TV paga no Brasil, o que corresponde a uma diminuição de 95.161 assinantes em comparação com janeiro de 2017, menos 0,51%. Dos grupos acompanhados pela Agência, a Oi, Cabo e Sky/AT&T apresentaram crescimento de 1,24%, 0,65% e 0,01% respectivamente. Todos os outros grupos apresentaram redução.

Nos últimos doze meses, a redução foi de 382.833 assinantes, menos 2,02%. Neste período, a Oi apresentou crescimento de 13,43% com mais 158.029 assinantes e também a Cabo com crescimento de 4,28% com mais 2.131 assinantes. Todos os outros grupos apresentaram redução, destaque para a Blue com queda de 32,23%, redução de 47.729 assinantes. Em relação às tecnologias, entre janeiro e fevereiro de 2017, nenhum tipo apresentou crescimento. No entanto, em 12 meses, a fibra ótica apresentou crescimento de 25,69% com a entrada de 45.130 assinantes. Todos os outros serviços apresentaram queda, em termos absolutos a maior redução foi registrada por usuários de satélite, menos 319.303 assinantes (-2,91%).

Nos estados brasileiros, no último mês Sergipe liderou a redução percentual nos números de usuários de TV paga, menos 3,67%, seguido por Pernambuco com redução de 1,58% e Bahia com menos 1,15%.

Nos últimos doze meses, Pernambuco liderou a redução percentual nos assinantes no país, menos 8,38%, seguido de Piauí com queda de 8,15% e Rondônia com menos 7,37%. Lideraram o crescimento da TV paga no Brasil os estados do Piauí com 8,15%, Maranhão com 5,23% e Pará com 2,76% de aumento no número de assinantes.

[Artigo] Política é coisa de homem? Não aqui no RN

Recentemente, o vereador Cicero Martins, do PTB (Partido do Trabalhador Brasileiro), durante a sessão sobre a votação do empréstimo do Fundo Previdenciário, brigou com os servidores que estavam protestando na Câmara Municipal de Natal e soltou a seguinte frase: “Isso aqui é o lugar de homem” (vídeo no final da matéria). Lembrando que o professor de biologia, que faz aula de cursinho online, tentou várias vezes ser candidato. Esta é a primeira vez que foi eleito e já solta este tipo de argumento. Mas, será que política é mesmo coisa de homem? Que sentido que ele queria falar que é homem? Por que as pessoas ainda associam às pessoas corajosas como homem? Mulher não pode ser corajosa? Ou ter participação política precisa apenas as participações de homens? Os motivos por ter referido a palavra homem ao invés de corajoso não foi explicado, muito menos nas redes sociais.

Edit: O vereador na tarde desta quarta-feira, na Câmara Municipal, pediu desculpa pela expressão “por ter parecido machista”, conforme foi noticiado no Novo Jornal.

Mas aqui no Rio Grande do Norte isto não encaixa, visto que as mulheres sempre tiveram uma forte participação política, como Celina Guimarães (foto acima), professora brasileira primeira eleitora do Brasil, que votou no dia 5 de abril de 1928, numa época que mulheres não podiam votar. Com o advento da Lei nº 660, de 25 de outubro de 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado que, ao regular o “Serviço Eleitoral no Estado”, estabeleceu que não haveria mais “distinção de sexo” para o exercício do sufrágio. A ação dela estimulou que no Código Eleitoral Brasileiro de 1932 permitisse que as mulheres votassem.

Sim, se não fosse uma mulher, potiguar (enfatizar bem a palavra), há quase 90 anos trás, nenhuma mulher brasileira poderia votar. Por falar na mulher norte-riograndense, é ela que tem a maioria dos votos, como já falamos no blog, elas representam 55% do eleitorado de todo o Rio Grande do Norte. Portanto, se não fosse as mulheres, muitos vereadores do sexo masculino nem seriam eleitos, deixando apenas Carla Dickson, Ana Paula, Natália Bonavides, Eudiane Macedo, Julia Arruda, Eleika Bezerra, Wilma de Faria e Nina Souza como representantes femininas.

Por falar em Wilma, sua colega de trabalho, caro vereador, sabia que ela foi a primeira prefeita de Natal e governadora do Rio Grande do Norte? Verdade, podemos não concordar com algumas ações dela, mas precisamos reconhecer a importância histórica dela na capital potiguar, visto que outras pessoas mulheres não conseguiriam se candidatar neste cargo em outros ou se eleger.

Cícero Martins disse que a CMN era lugar de homem

Realmente, não é um lugar para mulheres, como disse Cícero Martins, mas isto é por enquanto, visto que na gestão de 2012-2016 só tinham quatro mulheres: Amanda Gurgel, Julia Arruda, Eleika Bezerra e Eudiane Macedo. Houve um aumento de 100% de mulheres representando a população. Isto mostra que o lugar está sendo conquistado aos poucos e que não é mais para lugar de homem.

Ainda tenho mais argumentos para falar que política é coisa de mulher e que o Rio Grande do Norte é um ótimo exemplo. Vereador Cícero Martins, você conhece a Alzira Soriano? Luíza Alzira Soriano Teixeira foi a primeira prefeita eleita no Brasil e na América Latina. Tomou posse no cargo em 1º de janeiro de 1929. Viúva, Alzira Soriano disputou em 1928, aos 32 anos, as eleições para a prefeitura de Lajes, cidade do interior do Rio Grande do Norte, pelo Partido Republicano, e venceu com 60% dos votos, quando as mulheres nem sequer podiam votar.

Mas foi pouco tempo de administração, apenas sete meses. Com a Revolução de 1930, Alzira Soriano perdeu o seu mandato por não concordar com o governo de Getúlio Vargas. A responsável pela indicação de Alzira como candidata à Prefeitura de Lajes foi a advogada feminista Bertha Lutz, uma das figuras pioneiras do feminismo no Brasil.

A administração de Alzira Soriano à frente da Prefeitura de Lajes resultou na construção de novas estradas, como a que fazia a ligação entre os municípios de Cachoeira do Sapo e Jardim de Angicos. Ela também construiu mercados públicos distritais, fez escolas e cuidou da iluminação pública a motor.

Somente com a redemocratização, em 1945, Alzira Soriano voltou à vida pública, como vereadora do município de Jardim de Angicos, onde nasceu. Foi eleita por mais duas vezes consecutivas, liderando a União Democrática Nacional (UDN). Chegou à Presidência da Câmara de Vereadores mais de uma vez. Aos 67 anos, Alzira morre em 28 de maio de 1963 por complicações de um câncer.

Com muita luta na vida política, outras mulheres garantiram que, pela primeira vez, a Constituição brasileira consagrasse, entre outros aspectos, o princípio de igualdade entre os sexos, o direito do voto feminino e as garantias de proteção ao trabalho da mulher. São elas: Maria do Céu Pereira Fernandes, a primeira deputada estadual eleita do Rio Grande do Norte, em 1934, sim outra mulher potiguar quebrando os padrões da política brasileira. Poderíamos também citar outras mulheres importantes na política brasileira, como Joana Bessa, eleita a primeira vereadora do Rio Grande do Norte, no município de Pau dos Ferros, no ano de 1928. Alguns apontam que foi a primeira vereadora do Brasil.

Portanto, não dá para falar na Câmara Municipal do Natal que isto é um lugar para homem, sabendo que o estado do Rio Grande do Norte foi de suma importância para entrada de mulheres na política brasileira. Ou seja, uma frase infeliz e retrógrada.

Acharam o autor da chacina do Baile Funk de Mossoró. Motivo? Briga de Facções

Finalmente achou quem foi o mandante do crime, o Felipe Martins dos Santos, também conhecido como “Playboy” e o outro envolvido foi o pedreiro Francisco Josenilson da Silva. Ainda tem uma terceira pessoa, mas não foi encontrado. A Polícia Civil numa coletiva de imprensa contou o que aconteceu e a história parece uma cena do filme do Cidade de Deus, no qual o Zé Pequeno acaba com a festa do Bené. Vamos voltar para Mossoró, era dia 11 de março quando houve um baile que iria tocar funk e rap, porém o evento acabou em morte. Houve correria e outras pessoas acabaram baleadas ou feridas a partir de uma arma calibre 12 e espingarda.

Então, o Eduardo Nunes Farias, de 19 anos, resolveu ir a festa para curtir os amigos. Só que existe um problema: ele dizia ser integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC), que atualmente está brigando com o Sindicato do Crime do RN pelo comando dos presídios, conforme falamos neste artigo. Ainda na festa teria outros membros do PCC, no qual comemorariam a chegada de novos integrantes na cidade mossoroense. Sabendo disso, Playboy e Francisco Josenilson resolveram atacar e entrar no baile para matar todos os integrantes do PCC.

Então, eles trouxeram as armas de Natal e no “grande dia”, eles abriram fogo para quem estivesse por lá. Os mortos foram: Eduardo Nunes Farias, de 19 anos; Eriely Amanda de Souza Neves, de 21 anos; Israel Gomes Bezerra, de 19 anos; Kaynan Gomes, conhecido como “Mc Kay”, de 16 anos; e Jocie Morais da Fonseca, de 20 anos. Inicialmente, a polícia havia divulgado que o DJ que tovaca na festa tinha morrido no Hospital Regional Tarcísio Maia, mas a informação foi corrigida. O DJ está entre os feridos e a vítima que morreu no hospital foi Jocie Morais.

Foto: G1

Entre os outros mortos está a jovem Eriely Amanda, atingida por um tiro de espingarda na cabeça. Ela tinha sido mãe no final do ano passado. Kaynan Gomes ainda tentou correr, mas caiu morto próximo ao portão de acesso ao local do evento. Eduardo Nunes também tentou correr para se salvar, no entanto, foi perseguido e morto nas imediações do clube.

O Kaynan era conhecido como o Mc Kay, um dos funkeiros que estava se apresentando durante o evento e tinha apenas 16 anos, mas estava começando a despontar na cena funkeira de Natal, no qual fazia uma música no estilo funk ostentação, que pode ser visto a seguir no clipe que lançou em janeiro deste ano.

De acordo com os mandantes do crime, a intenção era matar apenas o Eduardo e não o restante. Portanto, as outras vítimas morreram de bala perdida. Entretanto, a Polícia Civil ainda apurará essas informações e acreditam que a terceira pessoa, aquele que fez a ação e atirou nas pessoas, esteja em Natal.

Seria mais uma apresentação do garoto, que queria ajudar a crescer o cenário funkeiro da cidade, mas criminosos armados invadiram um baile funk, em Mossoró, região Oeste do RN.

Portanto, ele não morreu como Daleste, no qual a gente falou neste texto, que foi assassinado por dois tiros de arma de fogo enquanto fazia um show na cidade paulista de Campinas. Um deles acertou seu braço esquerdo de raspão e outro abaixo do peito. Segundo a perícia, ocorreram três disparos na noite do dia 7 de julho de 2013. Seu óbito foi confirmado no início da madrugada de domingo no Hospital Municipal de Paulínia, para onde foi levado. Até o momento, nunca soube quem matou e o motivo do crime.

Voltando a Mossoró, além dos mortos, mais pessoas ficaram feridas, que foram:

Gabriela Almeida, de 24 anos,
Emerson Pablo, de 23 anos.
Artur Deivid de Araújo Almeida, 21 anos
Ketler de Sousa,
João Felipe C. da Silva, 21 anos
Lucas Lima Rezende, de 21 anos

O Emerson citado na lista era um dos DJS da festa.

O crime foi repercutido no Uol, Folha de S. Paulo, O Globo, Correio da Bahia, Diário de Pernambuco e o jornal El Novo Diário, de Nicarágua. Os sobreviventes ainda estão internados no Hospital Regional Tarcísio Maia. Os dados do Observatório da Violência Letal Intencional do Rio Grande do Norte (OBVIO), grupo que estuda a violência urbana no Rio Grande do Norte, apontaram que em 90 dia mais de 484 potiguares foram assassinados em 90 dias do ano.