Registro fotográfico de Everson Andrade sobre a greve geral

Everson Andrade é jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e trabalha como fotógrafo freelancer. Atualmente, ele é estudante de Ciências Sociais na mesma instituição de ensino e procura fotografar as situações do cotidiano, inclusive os movimentos sociais e políticos da capital potiguar.

Nesta sexta-feira (28) não foi diferente, no qual houvera a greve geral em todos os estados brasileiros e Distrito Federal e várias pessoas se reuniram para criticar as mudanças trabalhistas propostas pelo presidente da República Michel Temer.

Dentre as mudanças trabalhistas estão as mudanças nas regras da aposentadoria (reforma da previdência), na flexibilização da jornada de trabalho e dentre outras medidas consideradas grotescas, no qual falamos nesta matéria aqui.

O protesto, segundo os manifestantes, conseguiu reunir mais de 70 mil pessoas e foi considerado o maior protesto que Rio Grande do Norte já teve, superando o recorde do protesto de 2013.

Mais fotos podem ser vistas aqui.

Em preto e branco, o fotógrafo tentou mostrar o lado sensível e humano das manifestações. Confira as fotos de Everson a seguir:

Projeto Eu Identidade estará em exposição na Capitania das Artes

O Projeto Eu Identidade vai expor as suas atividades na Fundação Capitania das Artes (Funcarte), no qual o lançamento acontecerá na próxima terça-feira (02), a partir das 19 horas. Inicialmente, os trabalhos foram expostos no Instagram e falamos um pouco do trabalho nesta matéria. A intenção é fazer uma exposição na Fundação Capitania das Artes ainda neste semestre.

A exposição é de Natã Ferreira. Para as ações foram convidados os artistas Ivan de Melo, Maíra Sara e o cinegrafista Roger Tavares. Os integrantes podem ser vistos nesta postagem aqui:

Nestas fotos, os modelos estão coberto dos pés a cabeça. A intenção é registrar um corpo sem referência de gênero ou características físicas aparente. A ideia é que inicialmente sejam feita de forma anônima. Inicialmente, você fica querendo compreender o porquê de querer andar desta forma, mas depois que passa as fotos, logo compreende.

Lá os atores/modelos fazem uma performance teatral que é milimetricamente planejado. Para quem viu o filme de Pedro Almodovar, “A Pele Que Habito”, as pessoas criam camadas de si mesmos para esconder o seu verdadeiro eu e é isso que o projeto quer mostrar.

#euidentidade

Uma publicação compartilhada por Projeto Identidade (@euidentidade) em

Topless ao sol #euidentidade

Uma publicação compartilhada por Projeto Identidade (@euidentidade) em

Em entrevista para o Brechando, os integrantes tinham comentado que as reações foram as mais diversas possíveis. “Já fomos xingados, tem diversas reações na rua, onde a vida acontece né, nós somos um ponto de ruptura a normatividade. Uma vez até apanhei (risos). Um rapaz bateu a camisa dele na minha cabeça, mas ele estava alterado, acredito que sob efeito de psicoativos”, comentou um dos modelos na época.

Eles já fizeram diversas ações, como a Secretaria Municipal de Assistência Social (Semtas), Praia de Pirangi, Passarela da Avenida Senador Salgado Filho e no ônibus 46, que vai da Ribeira até Ponta Negra. Eles também andaram no 56, que roda pela Via Costeira.

Para a equipe, cada dia foi uma ação e um diferente questionamento sobre a identidade.

Vamos saber conhecer o trabalho por completo?

Por que pessoas aderiram à greve geral?

Primeiramente, fora vocês sabem quem (isto mostra a posição clara do Brechando sobre a greve geral).  De acordo com a lei 7783 (que coloquei o texto completo na página 4), que garante o direito de greve:

Art. 1º É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender. Parágrafo único. O direito de greve será exercido na forma estabelecida nesta Lei.

Art. 2º Para os fins desta Lei, considera-se legítimo exercício do direito de greve a suspensão coletiva, temporária e pacífica, total ou parcial, de prestação pessoal de serviços a empregador.

Art. 3º Frustrada a negociação ou verificada a impossibilidade de recursos via arbitral, é facultada a cessação coletiva do trabalho.

Assim como as pessoas bateram panela nas suas varandas para pedir o impeachment, fecharam a Av. Senador Salgado Filho e pediram mais coisas sobre as investigações da Lava-Jato, alguns têm direito de aderir à greve e a protestar sobre as modificações na lei trabalhista, visto que algumas mudanças vão prejudicar muita gente, principalmente a galera que está começando a trabalhar e está começando a pagar a previdência para uma futura aposentadoria.

Portanto, os coxinhas e petralhas estão kits.

“Mas, Lara, eles protestaram no domingo e não durante a semana, o protesto não atrapalhou ninguém”. Protesto é uma manifestação pública, que possui a intenção de trazer um choque de realidade e estimula as pessoas a prestarem atenção, fazer com que as pessoas escutem. Essa palavra vem do Latim PROTESTARI, que quer dizer “declarar em público, testemunhar, protestar”. Portanto, estas declarações públicas com certeza atrapalhou o trabalho de alguém do domingo (sim, existem estabelecimentos que abrem no domingo) ou algum morador por perto.

Não importa o dia, se você faz declaração contra ou a favor de alguém, você vai incomodar, em menor ou maior grau.

Em nenhum momento, as mudanças trabalhistas tiveram uma consulta direta com a população, nunca pediram a opinião, como audiências ou realização de plebiscitos ou referendo (não sei diferenciar os dois), tudo isto foi feito dentro da Câmara dos Deputados, Senadores e em jantares caros feitos no Palácio da Alvorada, sede da presidência da república.  Eles enfiaram de goela abaixo, através de Youtubers, programas de televisão e o Sílvio Santos para dizer que isso é legal e pronto.

São três coisas que estão em jogo e foi o estopim para a greve geral: terceirização, reforma trabalhista e reforma da previdência.  Vamos explicar separadamente. Clique no botão 2 logo abaixo.

E aí, bebê: Confira aqui o clipe da drag queen Kaya Conky

Os fãs da música potiguar enlouqueceram com o lançamento do clipe “E aí, bebê?” da drag queen Kaya Conky, no qual aconteceu na noite desta quinta-feira (27) e conta com a participação das principais drags potiguares, como a dupla Gabryuri, Minerva Del Diablo, Rivka Bardo, Vitta Dias, Potyguara Bardo e dentre outras. As gravações aconteceram no bar Alchemist, na rua Chile, no bairro da Ribeira.

Confira o clipe completo a seguir:

Kaya é uma das mais famosas drag queens da cidade. Ela é famosa pelas performances e as discotecagens nas boates LGBT da cidade. Recentemente, ela lançou esse hit em forma de funk citado.

O refrão “E aí, bebê, vai chupar ou vai lamber? Vai bater ou vai morder?” realmente ficou na cabeça das pessoas. O cantor Juão Nin chegou até gravar um vídeo cantando a música. O “E aí, bebê?” é a música mais escutada pelos potiguares no Spotify e tem três mil seguidores na conta em que escuta música via streaming. A música foi lançada na plataforma no dia 15 de novembro.

No início do ano passado, o Igor Ferreira, quem dá a vida para Kaya participou do documentário Bichas, no qual a entrevista com ele pode ser conferida neste link.