Falso produtor faz golpes em modelos prometendo campanhas publicitárias

O Whatsapp e outros aplicativos ajudaram muito na comunicação das pessoas. Porém, ela intensificou alguns golpes, como prometer um bom emprego para as pessoas, dizendo que é um produtor de uma grande agência de modelos. Recentemente, o Elenco Mosh, uma grande produtora em contratar modelos para comerciais de televisão, figurantes em clipes, novelas e filmes e outras peças publicitárias, teve seu nome envolvido em um golpe de uma pessoa que se dizia trabalhar na empresa, alegando que estava procurando pessoas para um comercial da Rio Center, uma das maiores loja de departamento que se tem no Rio Grande do Norte.

A proposta oferecia roupas, cachê e também um motorista para levar ao local de gravação. Porém, não existe alguém da produtora que se chama Hudson e muito menos um comercial de uma importante loja em seu cronograma.

A denúncia foi feita pelo próprio Marcílio Amorim, proprietário do Elenco Mosh, através de uma publicação no Facebook, dizendo que  foi registrado um “boletim de ocorrência e a pessoa está sendo investigada”.

Na foto acima está um print de uma conversa que este produtor teve com uma das vítimas e Marcílio divulgou nas redes sociais.

A publicação completa  pode ser vista  a seguir:

O Elenco Mosh foi criado por Marcílio Amorim há quase 10 anos e tem sede em Natal (RN) atendendo também João Pessoa (PB), e com filial em Salvador (BA). O Elenco Mosh ainda capta atores e modelos no Rio de Janeiro (RJ) para trabalhos em todo o País. A agência trabalha com um sistema logístico de atualização e cadastramento de perfis periódicos.

Caso seja abordado por um suposto produtor, peça um cartão da pessoa ou o telefone oficial da agência. Porém, não forneça nenhuma informação sua. Pesquise se a pessoa que está com o nome naquele cartão, pertence realmente a uma agência de modelos e verifique na agência se realmente aquela pessoa é funcionário dela.

Vá pessoalmente até a agência, pois se for realmente um caçador de talentos, terá um escritório montado e não se esqueça de verificar se há outras pessoas já agenciadas. Verifique no Procon se tem alguma reclamação contra aquela pessoa ou aquela agência.

Como está esse prédio histórico em Natal?

Perambolando pelo Centro da Cidade, ouvimos várias histórias dos antigos frequentadores e moradores sobre vários prédios históricos, nos quais alguns existem e outros infelizmente passam por marcas de abandono e toda hora queremos saber o porquê as autoridades deixaram aquela estrutura nesse estado. Hoje, este enorme edifício está totalmente diferente do que está na foto acima do título e muito abandonado. Agora, foi assinado um documento para reforma. Mas, temos que avaliar as mudanças.

O Atheneu quando funcionava na Av. Junqueira Ayres

Tudo começou no século XIX, quando o colégio Atheneu Norte-Riograndense saiu do Quartel Militar e em 1859 se mudou para Av. Junqueira Ayres, hoje se chama Câmara Cascudo. O local foi construído com o objetivo de criar um prédio próprio da ela no ano de 1848. Neste prédio da foto acima funcionou até 1954, quando então passou às suas instalações definitivas, onde permanece até hoje. Depois o prédio virou a Faculdade de Odontologia e Farmácia.

No dia 1º de dezembro de 1923, criou o Curso de Odontologia, anexo à Escola de Farmácia, que passou a se chamar Escola de Pharmácia e Odontologia de Natal. No entanto, o Curso de Odontologia não chegou a ser iniciado. A primeira turma de farmacêuticos, com apenas dois alunos, concluiu o curso em 1925, e a Escola de Pharmácia e Odontologia encerrou suas atividades. O Interventor Federal General Orestes da Rocha, através do Decreto-Lei nº 682, de 03 de dezembro de 1947, criou a Faculdade de Farmácia e Odontologia de Natal.

Em dezembro de 1948, pelo Decreto-Lei nº 25.973, a Faculdade foi autorizada a funcionar, tendo iniciado suas aulas em 1º de março de 1949, no prédio do antigo Atheneu Norte-Rio-Grandense, sendo o seu primeiro Diretor o Médico Oftalmologista Dr. Adolpho Ramires. O curso funcionava no período noturno (de manhã funcionava o colégio) e a primeira turma, constituída de 14 alunos, formou-se em 1951. Posteriormente, assumiu a direção, em 1952, o Cirurgião-Dentista Professor José Cavalcanti Melo, por 12 anos.

Numa iniciativa arrojada e desafiadora, foi reformado o velho Atheneu e ali começou a funcionar a Faculdade de Farmácia e Odontologia de Natal, com melhores condições de trabalho e ensino. Lá o prédio passou por essa estrutura a seguir:

Na década de 60, quando foi criado a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Faculdade de Farmácia mudou para Maternidade de Januário Cico. Já a Faculdade de Odontologia teve uma sede própria na Avenida Senador Salgado Filho, com os turnos matutino, vespertino e noturno, onde funciona até hoje.

Mas, a antiga sede da Faculdade de Odontologia e Farmácia? Por muito tempo virou sede da Secretaria Municipal de Tributação até o ano de 2015, quando as condições do edifício apresentava numa situação precária, conforme nesta foto de Wellington Rocha:

No dia 29 de março, um contrato foi assinado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) com a empresa Oficina de Projeto, na Sala de Reuniões da Reitoria, para a elaboração dos projetos de restauração do prédio ocupado pela Secretaria Municipal da Tributação de Natal (Semut) até 2015, traz todas essas peculiaridades. O local já abrigou as instalações da Faculdade de Farmácia e de Odontologia, uma das cinco unidades fundadoras da UFRN, e vai ser preparado para receber o Centro de Inovação em Design, vinculado ao Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA).

Os valores da obra, em sua totalidade, estão assegurados pelo Ministério do Planejamento, por meio do PAC Cidades Históricas, em um valor de aproximadamente 3,2 milhões de reais. A empresa tem até 150 dias para entregar os projetos. O passo seguinte será a licitação das obras de engenharia e as consequentes intervenções. Além da reitora e do vice-reitor, José Daniel Diniz Melo, na assinatura do contrato estiveram presentes membros das equipes da Superintendência de Infraestrutura, Pró-Reitoria de Administração, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA) e do Departamento de Artes (Deart).