Quais são as atrações confirmadas no Mada 2018

O festival Mada começou embaixo de uma lona no largo da rua Chile e agora está na parte interna da Arena das Dunas, que foi o estádio construído apenas para a Copa do Mundo e hoje é mais um centro de convenções, porém fica no meio da cidade, onde todos os ônibus e outros tipos de transporte param por lá. O nome pode parecer esquisito, mas é a abreviação de “Música Alimento da Alma” e ocorre anualmente. É conhecido pela imprensa independente por revelar várias bandas de todos os estados do Brasil, como Detonautas, Deb and The Mentals, Pitty e dentre outros.

A edição 2018 acontecerá entre os dias 12 e 13 de outubro.

Além disso, já passaram pelo festival artistas como Natiruts, Marcelo D2 (carreira solo e com o Planet Hemp), Pitty, Ana Cañas, Banda Strike, Plutão Já Foi Planeta, O Rappa, Lobão, Pato Fu, Seu Jorge, Skank, Paralamas do Sucesso, Cachorro Grande, Nando Reis, Biquini Cavadão, Barão Vermelho (com Frejat ainda nos vocais), Sepultura, Lulu Santos, Nação Zumbi, Fernanda Abreu (considerada uma das pioneiras do pop brasileiro), e dentre outros.

Neste ano o festival completa 20 anos de atividade, se tornando um dos maiores eventos de música do Brasil. Mas, o que terá dentro da festa neste ano? O Brechando fez uma averiguação e a lista está boa, com atrações locais e nacionais, mas todas se destacando por suas singularidades.

Confira quais são as atrações do Mada e suas respectivas biografias a seguir:

Ainda tem mais bandas confirmadas, como:

A tradicional Pitty:

E os potiguares do Far From Alaska:

Para o Mada, a aposta deste ano é:

A cantora, compositora e multiinstrumentista uruguaia Alfonsina é atração confirmada no #FestivalMada20! 😍😍⠀ Para quem ainda não conhece o trabalho, ela foi recentemente indicada à sete categorias no Premios Graffiti, a mais importante premiação musical do Uruguai e não para por aí! Seus vídeos no youtube já somam mais de 1 milhão de views! ⠀ Ficou curioso (a) para conhecer essa grande aposta da música? Já disponibilizamos em nossa playlist oficial no Spotify e Deezer, é só correr pro abraço! ❤️❤️⠀ ⠀ ⚠Garanta já o seu ingresso no link disponível em nossa BIO!⠀ Os ingressos estão sendo vendidos na plataforma da @arenadasdunas e através do site/app da @sympla!⠀⠀ ✅Lembrando que o #FestivalMada20 acontece dias 12 e 13 de outubro, na @arenadasdunas, em #NatalRN.⠀⠀ Vendas em ponto físico em breve. ⠀ #Natal #RioGrandedoNorte #Nordeste #musicfestival⠀

Uma publicação compartilhada por Música Alimento Da Alma (@festivalmada) em

Os ingressos podem ser vendidos neste link.

Uma forma “carinhosa” de dizer que uma rua é contramão

Uma das ruas que liga o bairro de Neopólis e moradores Parnamirim para zona Sul de Natal é a Rua Missionário Gunnar Vingren, que fica em Capim Macio. Na tarde desta sexta-feira (28), um morador contratou um pintor para que ele utilizasse o muro que fica em um terreno para desenhar uma placa de trânsito e mostrar que um dos cruzamentos da rua é contramão para quem quer ir à BR-101 e redondezas.  Alguém teve que pintar uma placa gigante de proibido à esquerda. Por quê? Vamos explicar.

De acordo com os moradores, a rua é dividida por poucos cruzamentos, porém um deles fica a Avenida dos Ipês. Esta avenida possui duas extremidades, no qual uma fica a marginal da BR-101 e a outra termina com uma bifurcação para três ruas.

1. Rua Missionário Gunnar Vingren (a citada no primeiro parágrafo)
2. Rua Dr. Alexander Flemming (na foto abaixo não consegue enxergar, mas fica “atrás” da casa com muro ladrilhado)
3. Rua Doutor Pedro Segundo de Araújo (na foto abaixo é a rua que fica em frente a casa do muro amarelo)

 

A avenida tem dupla mão até o cruzamento da Avenida Ayrton Senna. Depois, até a bifurcação, citada acima, só pode andar em uma mão. No entanto, alguns carros usam a Pedro Segundo de Araújo ou a Missionário Gunnar Vingren e entram na contramão para atravessar mais rápido à BR-101 ou para Ayrton Senna, sendo comum diversos acidentes de trânsito na região, mesmo tendo vários avisos dizendo que esta parte da Avenida dos Ipês seja proibida de atravessar.

Veja a foto a seguir:

É proibido ir em frente, mas vou passar mesmo assim

 

Então, alguém desenhou uma placa gigante no muro para mostrar que é contra-mão. Será que agora vai? A mensagem foi quase alguém dizer: “Entendeu ou quer que eu desenhe?”.

Potiguar mistura nordeste com signo dos zodíacos

O Nordeste é cheio de pessoas que arrasam em conteúdo de entretenimento dentro da internet. No meio do Seridó, na cidade de Parelhas, o jovem George Daniel, há três anos, resolveu brincar com o Facebook e assim nasceu a Signos Nordestinos. Em pouco tempo de página, vários nordestinos se identificaram e compartilharam entre seus amigos, fazendo com que a fama da página fosse efêmera. Hoje, a página 1,5 milhão de seguidores e o conteúdo está em todas as redes sociais. O Brechando entrevistou o idealizador da página e o bate-papo completo pode ser visto a seguir:

Como surgiu o Signos Nordestinos?

A página Signos nasceu em maio de 2015 no Facebook a partir de uma brincadeira. Era muito constante aparecer conteúdos sobre signos (compartilhamentos de amigos) na minha timeline, e com isso, tive a ideia de criar uma página sobre signos, só que com uma nova vertente, tendo uma cara mais regional e principalmente humorada, a partir disso, criei os 12 signos nordestinos, sendo representados por animais típicos da nossa fauna. Após 2 dias, a página Suricate Seboso viu e repostou a imagem de todos os signos, onde fez a pagina ir de 25 a 10 mil curtidas em poucos dias.

Toda representação foi pensada para que tivesse o máximo de características nordestinas, desde a xilogravura que representaria o signo, até a fonte e fundo das telinhas. No primeiro ano a página se manteve com apenas 20 mil curtidas e no ano seguinte, dois conteúdos virais (vídeos) elevaram para 100 mil seguidores (em menos de 3 meses) e com um 1 e 6 meses atingi 1 milhão de seguidores no Facebook o Instagram teve crescimento orgânico sem necessidade de divulgar no Facebook, onde só respostava .

Após isso, consegui me dedicar mais a página e entender melhor o funcionamento, mudei um pouco as expressões, estudei dicionários nordestinos, entre outros conteúdos.

Hoje, cerca de 84% do público é feminino, tanto no Facebook com 1.5.

Pouca gente sabe se você é do Rio Grande do Norte?

Isso mesmo, o fato de não me expor muito como o criador, poucas pessoas sabem que sou do RN e principalmente do Interior, é tanto que quando as pessoas descobrem que sou daqui e sou homem, ficam espantadas rsrs.

Acredita em signo de verdade ?

Apesar do conteúdo ter relação com Signos (mesmo que uma versão sendo brincadeira) e já ter lido alguns livros sobre astrologia, não acredito totalmente, mas é algo que passei a admirar bastante.

Como você observa o surgimento de pessoas nordestinas trabalhando com internet?

Percebo que muitas pessoas estão criando perfis com conteúdo voltados para o tema Nordeste, contudo, também vejo que muitas delas não se dão o trabalho de criar do zero e sim copiam conteúdo já existente, acaba que se torna mais um no meio da multidão, o fato de não ter um diferencial ou uma identidade.

Eu acho super massa a galera buscando outros meios, se identificando e empreendendo com a criação de conteúdo na internet, vibro quando alguém daqui do NE consegue reconhecimento. É um “mercado” bem difícil, porém está aberto pra qualquer um. Mas, apesar de tudo, depois que cresce, é preciso ter persistência para continuar “fazendo sucesso”, pois criar, editar e disseminar conteúdo original não é nada fácil, já pensei em chutar o balde várias vezes, principalmente quando dá o bloqueio criativo.

Outra coisa, é que aqui no nosso estado não é algo tão valorizado, poucas empresas realmente se importam, diferentemente de outros estados que investem em criadores de conteúdo.

O que a internet te proporcionou de bom?

São inúmeras coisas que eu acredito que a internet me proporcionou de bom. Uma das principais, foram as pessoas que tive a oportunidade de conhecer e interagir, minha rede de contatos cresceu, além disso, pude ter uma voz mais ativa no processo de democratizar a cultura nordestina e defende-la nas mídias sociais.

O fator profissional também é algo que levo em consideração, minha profissionalização e conhecimento adquirido a partir das necessidades dos Signos Nordestinos, estudos sobre comportamento, interação e afins. Do ponto de vista pessoal, pude também entender a necessidade dos outros (que interagem) e compreender algumas diferenças, lutas e bandeiras.

O que a internet te proporcionou de ruim?  

Conhecer o lado escuro da internet, a inveja, os aproveitadores. Muitas vezes, me senti como se tivesse avessado o ser humano e enxergado a pior parte. Além disso, a página sofreu algumas tentativas de invasão e ataques com comentários xenofóbicos e isso no período me abalou muito, você acha que nunca vai acontecer contigo.

Trabalha com alguma coisa além da página?

Sim, inicialmente fazia freela com desenvolvimento de sites (sou da área de TI) e hoje, além de gerenciar a Signos como empresa,  trabalho como social media em uma agência de comunicação, e vez ou outra ministro palestrantes.

Como é seu trabalho de monetização?

Hoje o Signos tem uma linha de produtos exclusivos: copos, camisetas e canecas, além disso, em 2017 fiz uma collab com uma indústria de presentes criativos, Dajuju Presentes, e hoje essa linha de produtos é vendida em cerca de 20 empresas espalhadas pelo Brasil. Além de produtos físicos, também faço publipost, já realizei algumas campanhas com a São Braz (Dia Mundial do Cuscuz), Correio Elegante em parceria com Ministério do Turismo, São João de Campina Grande e outras.

Inclusive, podem acessar a loja virtual e gastar todo dinheiro lá.

Esse sanduíche gigante vem daqui de Natal

Natal tem algumas especialidades especiais, quando falamos de comida. Um exemplo é a ginga com tapioca e os diversos pratos relacionados com camarão. Mas pouca gente fala deste sanduíche gigante, que dá para uma família inteira se alimentar e virou um point nas madrugadas de Natal. Se você saiu de algum show na Ribeira, Teatro Riachuelo ou em qualquer lugar da madrugada, mas bater uma fome, com certeza você parou em volta da Praça Pedro Velho, mais ou menos na altura do Palácio dos Esportes e pediu um sanduíche naquela região, acompanhado de um refrigerante bem gelado. Esse da foto do título acima é o do Tanaka e é um sanduíche só, que pode ser dividido para quatro pessoas.

O local é tão tradicional, que muita gente vem de Nova Parnamirim até Petrópolis apenas para matar a fome. Mas, ainda pode pedir para entregar em casa, que ele chega numa caixa de Pizza assim:

Esse sanduíche em formato de pizza está desde a década de90 em volta do Palácio dos Esportes e funciona de domingo a domingo, 24 horas por dia mesmo (estou exagerando, segundo o site, eles funciona de segunda a sábado das 09 da manhã até 01 hora e nos domingos e feriados das 16 até 01 da matina). Eles estão na cidade desde a época que nem Mc Donald’s em Natal existia na cidade.

De acordo com a fanpage do Tanaka, ele foi fundado no dia 23 de junho de 1993. Possui 1/4 século de vida. Ou seja, 25 anos.

Além disso, eles não foram atingidos pelo raio gourmetizador dos Food Truck. Veja os preços do cardápio:

Os nomes de alguns sanduíches são bem peculiares

E aí, topa comer esse sandubão?