26 26America/Bahia abril 26America/Bahia 2017 – Brechando

Decreto na Câmara Municipal permite que a passagem volte R$ 2,90

Os vereadores Sandro Pimentel, do PSOL, Natália Bonavides e Fernando Lucena, ambos do PT, entraram na justiça para revogação do aumento de passagem dos ônibus de ida de Natal. Nesta quarta-feira (26), Pimentel entrou com um decreto na Câmara Municipal do Natal (CMN) para votar em favor da revogação do aumento da passagem para R$ 3,35. Se a revogação for aprovada, os ônibus deverão cobrar o preço antigo, R$ 2,90.

A votação para esta renovação acontecerá nesta quinta-feira (27), a partir das 15 horas.

Na justiça, uma ação foi protocolada na 3ª Vara da Fazenda Pública e pede a volta da tarifa para R$ 2,90 por considerar o aumento abusivo e ilegal. O processo contra a Prefeitura foi distribuído com o número 0816317-50.2017.8.20.5001 e está sob análise da justiça.

Até o momento, 15 vereadores (incluindo alguns da situação) já assinaram o projeto de decreto legislativo, pedindo a tramitação do texto em regime de urgência. Assinaram o decreto, além dos autores, os vereadores Raniere Barbosa, Cícero Martins, Eleika Bezerra, Fernando Lucena, Preto Aquino, Ériko Jácome, Franklin Capistrano, Dinarte Torres, Robson Carvalho, Carla Dickson, Klaus Araújo, Júlia Arruda e Eudiane Macêdo.

Tanto a ação quanto o decreto legislativo lembram que o aumento das passagens de ônibus para R$ 2,90, realizado em janeiro de 2016, só foi possível a partir de compromisso firmado entre Prefeitura e empresários de ônibus para a renovação da frota com aquisição de 70 novos veículos. Compromisso não cumprido pelos empresários, que entregaram apenas 14 ônibus.

Segundo o texto do decreto, a reunião do Conselho Municipal de Transporte e Mobilidade Urbana (CMTU) que aprovou o aumento foi convocada às pressas, acontecido no dia 18 de abril, e o tema sequer constava na pauta de discussões.

O decreto, feito pela oposição, ainda lembra que não houve convite oficial para a representação da Câmara Municipal de Natal participar da reunião, mesmo os vereadores tendo assento e poder de voto no conselho.

As ações, na justiça e na Câmara, questionam a própria assinatura do Prefeito no decreto que aumentou a tarifa de ônibus. Visto que na data da assinatura, 20/04, o Prefeito Carlos Eduardo Alves se encontrava fora do país em viagem de lazer, o que o deixa impedido de exercer funções administrativas na Prefeitura de Natal. Nesse sentido, caberia ao Prefeito em exercício assinar o decreto, mas o vice-prefeito também viajou ao exterior no mesmo período, não havendo nenhuma autoridade responsável para assinar o Diário Oficial do Município.

Para a oposição isso anula todas as decisões tomadas no período de vacância do cargo, inclusive o aumento da tarifa.

O reajuste foi bem grande, de 15,52%. O motivo do aumento, segundo o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos (Seturn), seria o aumentos de gastos e redução na quantidade de usuários transportados. A última vez que a passagem foi aumentada foi há um ano:

Com esse reajuste, Natal, agora, é a terceira mais cara do Nordeste, perdendo apenas para Salvador (BA), que tem mais opções de transporte público, como trens e metrôs.

Já ouviu falar de um RPG baseado na cultura afro-brasileira?

As religiões africanas ainda são consideradas um tabu no Brasil, mas alguns a acham encantadora e motivo para se espelhar na elaboração de filmes, músicas e inclusive no RPG. Em dezembro do ano passado foi lançado o Odú, um RPG baseado na mitologia afro brasileira, principalmente no Candomblé, que usa búzios no lugar de dados como forma de definir os resultados das ações. Ele é fruto da parceria do autor, Felippe Bardo, com o Jorge Valpaços do Lampião Game Studio, que revisou e organizou o livro que vocês podem baixar gratuitamente.

Odú, segundo as religiões afro-brasileiras, são inteligências que participaram da criação do universo. Cada pessoa traz um quando nasce e este o influencia nas suas decisões. Cada Orixá, por exemplo, pode ser governado por vários odús.

O jogo funciona da seguinte forma: cada jogador escolhe o orixá do personagem e lá parte para diversas aventuras. Primeiro, você precisa montar o personagem através de uma ficha e com os dados das mais variadas formas monta as suas características. Diferente dos outros jogos de RPG, que utilizam dados, estes usam búzios para saber as suas atividades durante o jogo.

Ele é fruto da parceria do autor, Felippe Bardo, com o Jorge Valpaços do Lampião Game Studio, que revisou e organizou o livro, que pode ser baixado neste link.

Para quem não sabe, o RPG é uma sigla em inglês para Role-play Game (RPG). Como funciona? Os participantes assumem papéis e criam narrativas colaborativamente. O progresso se dá de acordo com um sistema de regras predeterminado vindas de um livro, dentro das quais os jogadores podem improvisar livremente.

O mais famoso é o Dungeons and Dragons, carinhosamente chamado de D&D, criado na década de 1970, que inspirou o desenho “Caverna do Dragão”. Entretanto, nestes quase 50 anos de jogatinas já surgiram outros tão populares como D&D, como Shadowrun, GURPS, Fate, Vampiro, Pathfinder e dentre outros. Ele une os seus participantes em um único time que se aventura como um grupo.

Casal de potiguares fazem uma campanha massa para vender o fusquinha Horácio

O casal natalense, radicados em Recife, Carlos Augusto e Sylara Silvério, que faz uns bordados subversivos massa que falamos aqui, resolveram desapegar do Horário, um fusca de 79 por diversos motivos. Foi uma escolha difícil, mas necessária. No entanto, eles são de humanas e logo a criatividade rola solta até para vender um simples produto, mas que teve uma forte relação na vida do casal.

Em um tom meio carta de despedida, eles resolveram mostrar as qualidades e aventura que eles passaram juntos nos últimos quatro anos que comprou de um policial civil e ele passou por diversas aventuras e (por que não?) perrengues. Por causa desta propaganda engraçada e fofa, eles conseguiram vender o jovem de 38 anos para uma outra família que vai querer o bem. Portanto, não os procure, o Horácio está adotado por outras pessoas.

Vou reproduzir o texto de Carlos Augusto na íntegra:

Horácio é um fusca 1979 charmoso: bege, bancos e teto em couro, piso revestido em carpete, rodas aro 14, som, quebra-vento e, pelo menos, algumas centenas de histórias pra contar. Só em relação a minha idade, por exemplo, já são 10 anos de diferença. Isso quer dizer, em outras palavras, que quando eu nasci ele já nem IPVA pagava. Imagine por quanta coisa ele já passou?

Comigo e com Sylara são quase quatro divertidos e longos anos. Compramos ele em 2013, de um policial civil que precisava de dinheiro pra reformar uma casa. Pouco depois de começarmos a namorar a gente já tinha nosso carrinho, e nele já fomos direto pra o nosso primeiro apartamento, depois de casados, alguns meses depois. Pra conseguir juntar aquele dinheirinho foi sofrido, mas o prazer de trazer ele pra casa pela primeira vez não teve preço.

A lataria dele já serviu de apoio pra escrever músicas, quando eu ainda tinha uma banda, lá em Natal.  Pelos bancos já passaram os nossos melhores amigos. De dentro já vimos um carro diminuir a velocidade só pra parar do nosso lado e fazer coro cantando Tim Maia. Lembro perfeitamente que o som dos Mamonas Assassinas inaugurou as caixinhas de som nas portas.

Também já ficamos na mão por conta da bateria, em dias de chuva e passamos uns bocados, mas nada se comparou com a aventura de viajar com ele pra Recife, nossa nova morada desde 2015. Foram mais de quatro horas de estrada ao som de tudo que se possa imaginar. Os buracos na chegada, ainda na BR, deram um trabalho imenso! Sobrevivemos.

Pra cá viemos por conta do meu trabalho, no IFPE, e a nossa garagem foi a casa dele até agora. Escolhemos o Cordeiro pra morar, mas a Várzea nos escolheu pra admirá-la. Diariamente eu venho trabalhar aqui, e como se não já bastasse, também iniciei os estudos na UFPE, o que me traz ainda mais vezes pra o bairro. Desde que Horácio conheceu a Várzea, sem exagero, nossa vida já não foi a mesma.

Primeiro que todo fusca, por mais “modernoso” que queira ser, tem um saudosismo em si e procura sempre por um lugar com “cara de bairro”, desses que já não é mais tão simples encontrar. Sendo a Várzea um local assim, e sendo Horácio um fusquinha, tá feita a relação. Segundo que por aqui está registrada a maior taxa de cantadas em linha reta da América Latina pra fuscas legais, como Horácio. Saiu coisa de todo tipo: “esse fusquinha ficava legal na minha garagem”, ou “quer quanto no possante”? Ao que parece os varzeanos aprovaram o romance.

Entretanto, não diferente de qualquer coisa, uma hora a gente iria ter que se despedir. Nossa necessidade de visitar Natal aumentou, a saudade do povo de lá é constante, e colocar Horácio na estrada com essa frequência é tortura. Não se faz isso com um amigo. Então o jeito encontrado foi comprar um carro com essa capacidade de “aguentar o tranco”, e, com o coração partido em um monte de pedaços, anunciar que Horácio está disponível pra fazer esse bem todo pra outra família, outras pessoas.

Qual caminho fazer para andar na zona Norte sem ser na ponte

Muitos sabem que para caminhar à zona Norte da capital potiguar precisa seguir dois caminhos: ponte Newton Navarro (que liga o bairro da Redinha com os da zona Leste e Sul) e Ponte de Igapó. As duas são conhecidas pelo trânsito intenso, principalmente na hora de ir e voltar ao trabalho/estudo.  Mas, será que existe um outro caminho sem ser na ponte.

Se você jogar no Google Maps, qual o melhor trajeto para sair de Capim Macio para o Partage Norte Shopping, por exemplo, a resposta será essa:

Existe um outro caminho sem ser na ponte, mas não é um caminho tão viável, que é caminhando pela RN-160, que liga os municípios de Natal (nos bairros de Guarapes e Felipe Camarão), Macaíba e São Gonçalo do Amarante. Ou seja, você tem que atravessar duas cidades para voltar novamente à Natal. Além disso, esta mesma estrada está passando por uma reformulação por conta do novo Aeroporto de Natal.

RN-160

Outra opção seria o trem, no qual com 50 centavos você consegue cruzar a cidade um pouco mais rápido. Porém, o trem só sai em horários específicos, que serão mostrados a seguir:

Aqui tem o mapinha onde possui cada estação de trem na capital potiguar: