Chuvas Natal 2022

Chuvas do FDS de julho de 2022 superou a enchente de 1998 em Natal

brechadas
Compartilhe:

A chuva mais forte foi em 30 de julho de 1998, quando choveu o dia inteiro e Natal acumulou 253,2 mm. As precipitações começaram no dia 28 e só terminaram no dia 30 de julho, causando enchente não só na capital potiguar, mas também na região Metropolitana. Mas, em julho de 2022, este recorde foi batido, uma vez que durante os quatro dias de julho choveu direto.

Sem contar que a capital potiguar mais a região metropolitana choveu 456 mm até o dia 04 de julho e a expectativa é de mais chuvas para essa semana em torno de 100 milímetros.

Como resultado, Natal entra em estado de calamidade pública, a partir de um decreto da Prefeitura Municipal. Além disso, os vários pontos de alagamento permitiu a danificação de algumas casas, crateras nas ruas, transbordar as lagoas de captação (ao todo foram 12 lagoas) e, pior, muitas pessoas desabrigadas e perderem tudo que tinha.

Pelo menos 28 residências foram interditadas pela Defesa Civil da capital nos bairros de Felipe Camarão, Ponta Negra, Candelária e Nordeste.

Para todo o mês de julho tinha como expectativa até 245mm, segundo a Empresa de Pesquisas Agropecuárias do Rio Grande do Norte (Emparn).

Relembre a chuva de 1998 em Natal:

A seguir, uma reportagem sobre as chuvas de Natal em julho de 2022:

As chuvas também atingiriam cidades da Grande Natal em 2022

As fortes chuvas, que culminaram nesta enchente, também interditou um dos caminhos mais famosos da Grande Natal: a Rota do Sol. Esta estrada, todavia, leva os turistas e banhistas a visitarem algumas praias do Litoral Sul, como Pirangi e Tabatinga.

Isso aconteceu pelo fato de que houve o rompimento na estação de tratamento de esgoto da Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern). Além disso, houve vários pontos de alagamento em vários pontos de Parnamirim, Extremoz e Ceará-Mirim, sem contar com gente sem ter para onde ir.

Outras chuvas

Outro temporal que marcou bastante foi no dia 15 de junho de 2014, no qual culminou o deslizamento de terra da Rua Guanabara em Mãe Luíza, no período dos jogos da Copa do Mundo.

Antes, as outras maiores precipitações na cidade eram 216,8 mm em 2 de julho de 2008, 210,4 mm em 9 de junho de 2008, 184,4 mm em 27 de junho de 2000, 171,9 mm em 8 de agosto de 2008, 168,4 mm em 5 de maio de 1988, 167,7 mm em 18 de junho de 1986, 163,5 mm em 16 de maio de 2005, 153,1 mm em 17 de junho de 2001 e 152,4 mm em 15 de julho de 2004.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.