27 27America/Bahia março 27America/Bahia 2020 – Brechando

Loja do Alecrim vai na contramão e recusa abrir a loja na quarentena

Iskisita Atacado

A loja Iskisita, uma das maiores empresas do Alecrim, enviou uma nota nas redes sociais nesta sexta-feira (27) discordando das ações do lojistas do bairro em voltar as atividades na próxima segunda-feira (30), ignorando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Por isso, a nota afirmou que a Iskisita vai continuar com as portas fechadas por tempo indeterminado, alegando que: “Precisamos garantir que os nossos funcionários e clientes tenham como vir e ficar no alecrim sem preocupação”.⁣

A OMS recomenda o isolamento social entre as pessoas para evitar a proliferação do novo coronavírus, no qual o mundo está sofrendo uma pandemia. Somente no Brasil, os casos crescem de forma exponencial, no qual milhares de pessoas já estão infectadas e quase centenas de pessoas já morreram. Os estudos afirmam que a curva de crescimento ainda está crescendo nas terras tupiniquins.

No entanto, lojistas estão protestando contra o isolamento e vão desobedecer as regras, alegando que a economia não pode parar. Oficialmente, apenas a Iskisita se recusou a abrir novamente as portas. Confira a nota completa a seguir:

*Nota* ⁣

Quem é apaixonado pelo comércio do Alecrim já deve estar sabendo que a maioria dos lojistas do bairro decidiu retornar às atividades na segunda, dia 30 de março. ⁣

Mas se você ama a Iskisita como nós amamos, sabe que ainda não podemos abrir…⁣

Somos uma família e cuidamos dos nossos!⁣

A reabertura de nossas lojas só poderá ser viável quando o transporte público e o setor de alimentos estiverem com condição mínima de atendimento.⁣

Precisamos garantir que os nossos funcionários e clientes tenham como vir e ficar no alecrim sem preocupação.⁣

Iskisita Atakado

A Iskisita começou sua história em 1967, com os irmãos Josebel Cirne e Gerson Cirne, que abriram um armarinho na Rua Princesa Isabel de número 552 e após o sucesso do estabelecimento, eles abriram a primeira filial, na Rua Presidente Bandeira, no Alecrim.  Em 1974, animados com os resultados positivos da empresa, resolveram adquirir o primeiro prédio próprio no Alecrim, onde a parte inferior era a loja e em cima o estoque. Em 1976 o atacado de armarinho começa a ganhar força e o andar superior cede as suas instalações definitivamente para iniciar as operações de vendas no atacado.

Em 1986, época do Plano Cruzado, momento difícil para o Brasil, foi quando se deu a grande virada da empresa. Neste período era impossível remarcar preços. Porém a inflação ainda crescente impossibilitava a reposição dos produtos sem que os ajustes fossem feitos. Procurando alternativas, decidiram enveredar por outros caminhos e a loja passou a oferecer produtos para presentes, brinquedos, perfumaria, utilidades para o lar e artigos de papelaria, além dos itens de armarinhos. Assim, nascia o que é hoje a Iskisita na Rua Coronel Estevam, 1424.
Em 2005 abriu a primeira filial com o nome Iskisita no shopping Via Direta. Tentado oferecer um mix que atenda as expectativas dos clientes, buscando sempre atingir a máxima da empresa: bons produtos a preços baixos. Em 2017 a Iskisita chegou na Zona norte da cidade e assim abriram outra no famoso Gancho de Igapó.

A empresa hoje conta com quatro lojas no total e é a responsável pelo abastecimento da maioria dos estabelecimentos comerciais do RN e da PB.

Renda Básica Já: Vamos agora cobrar dos senadores

Renda Básica

Desde o início da semana, tanto aqui quantos nas redes sociais, o Brechando está na campanha a favor da Renda Básica Já. Na noite desta quinta-feira (26), a Câmara dos Deputados aprovou o texto do projeto, que fornecerá um benefício aos trabalhadores de famílias com renda de até 3 salários mínimos ou meio salário per capta para trabalhadores informais, desempregados, autônomos e micro-empreendedor individual. Essa ajuda terá no prazo mínimo de três meses, podendo ser prorrogado. Isso será a mão na roda para aqueles que serão prejudicados economicamente por conta do isolamento social da Covid-19 ou não pode fazer Home Office.

Serão 600 reais por pessoas e 1200 reais por família com dois ou mais trabalhadores ou para as mães solo, aquelas que comandam a casa.

A campanha da Renda Básica conta com um grupo de 100 organizações da sociedade civil e grandes economistas se uniu para pedir a Renda Básica Já. O governo já anunciou a intenção de fazer algo semelhante a isso, mas prometendo apenas 200 reais por mês, por três meses, e limitando-se a um número restrito de profissionais autônomos, sem contar que eles querem fazer isso numa duração de três meses, sendo que o próprio ministro da Saúde, Henrique Mandetta, já disse que o ponto mais baixo da proliferação está previsto para setembro . Além disso, o Governo Federal cortou os benefícios do Bolsa Família, onde os maiores afetados são da região Nordeste, onde tem a principal resistência às ações da presidência.

Esses benefícios só foram recuperados a partir de uma ação do Supremo Tribunal Federal.

Com a Renda Básica, essa é a única forma de permitir que muitos trabalhadores informais, que precisam do dinheiro para sustentar suas famílias, possam permanecer em casa. Além disso, esse dinheiro permitirá que as famílias tenham acesso a itens de higiene e prevenção, diminuindo ainda mais a disseminação do vírus. Por isso, a entrada do dinheiro precisa imediata. O que falta para esse projeto sair do papel? A aprovação do Senado para que o projeto seja encaminhado para sanção do Governo Federal, por isso quanto mais cobrança para que os senadores aprecie o projeto de lei, mais chance dele entrar na prática.

Por isso, temos que pressionar principalmente o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para que aprove o mais rápido possível? Como ? Através de suas redes sociais, como Facebook e Twitter.

Os governos ao redor do mundo estão tomando atitudes similares e investindo de forma intensa na contenção do vírus. O Brasil pode adotar essa política e, apesar dos gastos imediatos (que serão de menos de 2% do PIB ao longo dos seis meses, os frutos para a nossa economia serão melhores no médio e longo prazo e a comida na mesa de milhões de famílias estará garantida nesse período tão difícil.

Saiba mais e assine a petição para pressionarmos nossosn deputados federais e senadores a aprovarem imediatamente essa proposta que salvará milhões de vidas em rendabasica.org.br.

O grupo de organizações e movimentos que promovem esta campanha já está em contato com deputados federais e senadores, para que aprovem a medida com urgência. Aqui está uma carta que foi enviada aos deputados federais, e aqui está uma carta que foi enviada aos senadores.

Você, leitor do Brechando, pode ajudar falando do projeto em suas redes sociais falando do movimento e usando sempre as hashtags #VamosPararOBrasil #RendaBasicaJa. Vamos ajudar?

Onde ficava a Rádio Poti?

A foto acima mostra como era a Rádio Poti de Natal, hoje o prédio, que também foi sede do Diário de Natal, está totalmente abandonado e descaracterizado. Mas, não podemos esquecer da importância dessa emissora que ajudou a impulsionar o rádio local. Tudo começou na década de 40, Natal só tinha jornais impressos e um sistema de alto-falantes que passava as informações sobre os outros estados brasileiros. Então, os empresários Carlos Lamas e Carlos Farache resolveram criar uma rádio e assim surgiu a REN, sigla para Rádio Educadora de Natal, onde a sede foi construída por Gentil Ferreira, que depois seria conhecido como prefeito de Natal por dois mandatos.

Apesar dos dois grandes idealizadores e da participação social, pertencia a vários acionistas, dentre eles: Carlos Farache, José Gurgel do Amaral Valente, Paulo Pimentel, Gentil Ferreira de Souza, José Elpídio dos Santos e Luís Câmara Cascudo. Inicialmente, a emissora transmitia em três horários: 08h às 11h; 13h às 15h; e 18 às 22h. Por falar em Câmara Cascudo, foi o folclorista quem escreveu o Ave Maria na hora do Angelus (18 horas), lido na voz do locutor Genar Wanderley.

Um ano depois da instalação da primeira estação radiofônica do Rio Grande do Norte, o Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial e tropas americanas chegaram no RN.  Entretanto, a presença dos norte-americanos em Natal trouxe também medo e ansiedade, a sociedade natalense, na expectativa de um ataque militar do “EIXO”, era submetida, pelos soldados americanos, ao “toque de recolher” e ao “blackout”, o  apagar das luzes da cidade para dificultar a chegada do “inimigo”.

Enquanto isso a Rádio Educadora de Natal era fiscalizada, podendo ser censurada quando se achava necessário.  Além da censura podemos dizer que a Rádio Educadora de Natal recebeu influência norte-americana na sua grade de programação musical, mas também foi uma divulgadora dessa cultura ao passo que disponibilizava para seus ouvintes a música e alguns vocábulos estrangeiros através da locução.

No ano de 1944, ele compra a REN foi comprada pelo grupo Diários Associados, de Assis Chateaubriand, e a transforma em Rádio Poti. A sede passou por várias mudanças, como a construção de um primeiro andar, o aumento do palco onde eram apresentados os programas de auditório e a retirada do vidro que dividia a platéia e o palco, fato que promoveu um melhor tratamento acústico e tornou a comunicação, efetivamente, bidirecional, tendo em vista que o público além de ouvir a própria voz dos emissores, podia interagir facilmente com os locutores.

Mas não pensem que foi só a estrutura física que mudou da passagem da REN para Rádio Poti. Com o título de Rádio Associada, a emissora recebia a presença de muitos cantores nacionalmente conhecidos como: Vicente Celestino, Isaurinha Garcia, Ângela Maria, Gilberto Alves, Carlos Silva, Cauby Peixoto e dentre outros.  Foi lá que deu destaques artistas potiguares, como a Glorinha Oliveira. Apesar de ser carioca, o cantor Agnaldo Rayol começou a sua carreira de cantor na Rádio Poti.

Alem da música, havia programas de auditórios, humorísticos, jornalísticos e radionovelas.  Dentre os profissionais da locução destacaram-se: Genar Wanderley – “o cacique do ar” porque era o mais antigo na emissora, Luís Cordeiro, Wanildo Nunes, Fonseca Júnior, Lurdes Nascimento, Teixeira Neto, Roberto Ney, José Alcântara Barbosa, Pedro Machado, Marcelo Fernandes, Edimilson Andrade e Paulo Ferreira, Manoel Fernandes de Oliveira e Aluízio Menezes.

Em 2007 passou se chamar Rádio Clube AM Natal, passando de 0,5 kW de potencia para 5 kW, e é uma das emissoras da Rede Clube Brasil de Rádio, opera em 1270 kHz.

Em 2010, com o desmanche da Rede Clube Brasil, a rádio passou a ter programação independente. Porém manteve a marca “Clube” até hoje.

No dia 19 de janeiro de 2015, a emissora teve 57,5% das suas ações vendidas pelos Diários Associados ao Sistema Opinião de Comunicação, pertencente à Cândido Pinheiro, fundador do Grupo Hapvida, que agora passava a responder majoritariamente pela emissora e outros veículos de comunicação do Diários Associados no Nordeste brasileiro. Depois, o grupo Diários Associados vendeu o resto de sua participação em 2019.

Atualmente, tanto a Clube AM como a Clube FM (hoje Agora FM), estão arrendadas ao grupo Agora RN.