supermercados de Natal

Fotógrafo registra supermercado de Natal pós-Coronavírus

No dia 12 de março, o Governo do Estado anunciou o primeiro caso de Coronavírus no Rio Grande do Norte. Em quase duas semanas, os casos subiram para 14 e isso é praticamente um infectado por dia. Até o momento os casos confirmados são em Natal (9), Parnamirim (4) e Mossoró (1), no qual a maioria dos pacientes viajaram para outros estados ou tiveram contatos com outros que estiveram doente. E os natalenses tiveram que passar por mudança, uma delas foi fazer o isolamento solitário.

Leia Também:

O Brasil já chegou em torno de 2200 casos da pandemia que está acontecendo na maioria dos países. Neste momento, algumas pessoas estão se isolando para evitar a propagação do vírus e evitar a superlotação, a conhecida quarentena. Mas, quem precisou sair do supermercado? O que faz? O estudante de filosofia, Gabriel Baumann, está começando a sua carreira de fotógrafo e aproveitou o momento de compras no supermercado para registrar como as pessoas estão neste momento que o surto de Coronavírus estão fazendo. Embora existem relatos de pessoas falando das pessoas desrespeitando as regras estabelecidas no Governo do Estado sobre a ida ao supermercado de Natal, o estabelecimento que Gabriel visitou mostrou funcionários e clientes comprando os produtos com luvas e máscaras.

No entanto, seus olhares parece de tristeza e preocupação a cada momento. O cotidiano nitidamente mudou nessas pessoas e agora é o jeito se acostumar.  Desde o sábado (21), o Estado decretou que os supermercados deverão afixar cartazes de controle de acesso com recomendações de acesso de 01 pessoa por família, de preferência fora do grupo de risco, e limitar o número de clientes a 01 pessoa por vez, por cada 5m² da loja.

O Gabriel selecionou nove fotografias para serem exibidas no Brechando e o resultado dessas fotografias no supermercado de Natal pode ser visto a seguir:

Como prevenir do Coronavírus

Como falado anteriormente, mais de 1000 casos foram confirmados, sendo que sua maioria estão no estado de São Paulo. O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.

  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).
álcool 70%

UFRN vai produzir 55 mil litros de álcool 70%

Após o Brechando divulgar que as empresas Ale e Sterbom se uniram para produzir álcool para as unidades básicas de sáude nas comunidades mais pobres do RN, outra instituição potiguar também produzirá o produto. É o caso do Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Nuplan/UFRN), que nos próximos cinco meses produzirão 55 mil litros de álcool 70%. De acordo com Agecom, a agência de notícias da UFRN, a elaboração já começa ainda nesta semana e é uma ação de parceria com o Governo do Estado para evitar a proliferação do Coronavírus.

O Núcleo estima alcançar uma capacidade de produção e envasamento de 11 toneladas/mil litros do produto por mês, e está disponibilizando sua infraestrutura para executar a diluição e manipulação do álcool, eficaz na desinfecção das mãos e objetos.

Enquanto não se consegue agilizar a importação de polímero, matéria prima para a produção de álcool em gel, em falta no mercado nacional, o Nuplam começará a produzir o produto líquido. Os insumos necessários, álcool, embalagem, rotulagem, serão destinados através de doação ou por meio de compra direta partilhada entre a UFRN e Estadp.

A direção do Nuplam, reforça que a unidade tem estrutura física, servidores qualificados e competência para atender a essa demanda, tendo em vista a escassez de produtos para a prevenção. “Estamos movimentando todos os esforços para assegurar essa produção com intenção de minimizar os efeitos dessa pandemia”, acrescenta a professora Lourena Mafra, vice-diretora do Nuplam em entrevista a Agecom.

Ao todo foram 14 casos confirmados da doença aqui no Rio Grande do Norte. Um dos avanços no estado foi a parceria da universidade, através do Instituto de Medicina Tropica, e o Lacen, Laboratório Central de Saúde Pública do Estado, que irão fazer os testes do Covid-19 no RN, sem precisar levar mais para o estado do Pará, no qual os exames demoravam no mínimo sete dias para ficar pronto.

Foto acima do título: Cícero Oliveira (Agecom/UFRN)

Pedro Rhuas

Tédio na quarentena ? Leia romance do potiguar Pedro Rhuas

Em meio ao caos de quarentena, ainda é possível compartilhar boa leitura em Natal. A dica é com o cantor Pedro Rhuas, moço da foto acima,  que fez um livro no qual conta a história de um jovem gay que se muda do interior do Rio Grande do Norte para estudar em Natal. O que será que ele vai encontrar ? O cantor, que agora é escritor, promete que sua história terá bastante memes, cultura pop, sátiras políticas e protagonismo genuínamente potiguar. De acordo com o Rhuas, o livro foi uma forma de criar narrativas que nunca lhe chegaram quando adolescente. “Sempre fui um leitor voraz e me incomodava não me enxergar plenamente enquanto sujeito na literatura jovem. A maior parte das obras que chegavam a mim ou eram estrangeiras ou pautavam uma realidade ‘sudestina’. Poucas não eram heteronormativas e, principalmente, jamais eram inseridas num contexto nordestino”, destaca o artista.

Pedro Rhuas é de Carnaúba dos Dantas e veio para Natal com a finalidade de estudar jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Com um protagonista gay que sai do sertão do Seridó para buscar a vida em Natal, o jovem escritor de 23 anos conta uma história com quem os leitores, sobretudo os potiguares, vão se identificar. Na obra, há uso de gírias locais, menções a lugares conhecidos da capital, como a Praia de Ponta Negra, a UFRN e até a colina do Carrefour, além de citações sobre a cena drag e outros personagens conhecidos da cidade. Ainda tem a sacada bem Deadpool, quebrando a quarta parede, no qual o protagonista conversa com o leitor.

“O livro se passa em 2015 e é repleto de referências super engraçadas da época. Eu quebro a quarta-parede várias vezes, então Lucas, meu desastrado protagonista, está em um diálogo constante com quem lê. É uma leitura divertida e leve, mas ao mesmo tempo compromissada com o momento político”, ressalta Pedro. Discussões sobre gênero, racismo, LGBTfobia e demais questões que atravessam a formação da identidade das personagens são abordadas pelo autor.

Capa do Livro

Os leitores que chegarem ao final do livro encontrarão uma surpresa: um QR-Code levando a uma canção composta e interpretada por Rhuas especialmente para divulgar o lançamento. Também intitulada “Enquanto eu não te encontro”, a faixa, produzida por Vik Romero, já está disponível nas plataformas digitais e é destaque em playlist oficial do Spotify. “Eu sempre adorei filmes que preparavam uma música original para sua trilha sonora. Então pensei: por que não fazer o mesmo, mas com um livro? O resultado é esse”, diz Pedro.

Se interessou pelo livro? Ele está sendo vendido pela Amazon para ler no seu Kindle, clique aqui.

Escute a música a seguir: