Geovane Gabriel

Geovane Gabriel comentou sobre ser confundido com bandido

O caso de Geovane Gabriel está chamando a atenção não só na mídia local, mas também nacional e movimentos sociais por ser a morte de mais uma pessoa jovem, tinha 19 anos, e segundo familiares, ele não tinha algum vício, era apenas um jovem que morava no bairro do Guarapes, região periférica de Natal, fazendo fronteira com Macaíba.

Aqui montamos uma linha do tempo sobre o que sabemos do caso e falar o que achamos em seu Facebook. Confira:

Quem era Giovane Gabriel?

Gabriel, como preferia ser chamado, morava em Guarapes, bairro mais pobre de Natal e fica na zona Oeste, onde a maioria das casas não possuem pavimento e existem poucos acessos ao transporte público. Prato cheio para a entrada de criminosos dominar áreas onde o acesso público não aparece. No entanto, isto não é motivo para que a Polícia Militar todos os moradores da comunidade como bandidos ou algo do gênero.

Geovane Gabriel era um garoto comum da comunidade, que estudava e queria mudar de vida, torcia pelo Flamengo e escutava funk, segundo as suas postagens no Facebook. Namorava há dois anos uma menina chamada Ana, no qual era comum diversas mensagens carinhosas em seu perfil.

Ele também participou do Grupamento Pré-Militar de Comunicações, formada por ex-membros do Exército Brasileiro, para criar atividades recreativas aos moradores do Guarapes.

Ser confundido por bandidos

Em algumas postagens reclama do estereótipo de pessoas da favela, utilizando humor. No ano passado, mais precisamente no mês de julho, em seu Facebook disse que não gosta de sair por ser confundido por bandidos pelos policiais.

Onze meses antes de sua morte já falava sobre o assunto.

Confira a seguir:

Ainda comentou em uma postagem parecida, no mês anterior a postagem acima, falando sobre o mesmo assunto.


Ele ia para casa da namorada

Arriscando a sua saúde por conta da pandemia do Covid-19 para visitar a namorada, ele, segundo as testemunhas, estava de bicicleta em frente ao CMEI Marilanda Bezerra, quando foi abordado pela Polícia Militar. Mas, essa informação não foi confirmadas pelos familiares.

Já Ana, sua namorada, disse que tinha mandado mensagem dizendo que estava chegando, mas nunca entrou na casa.

Ninguém sabe o que aconteceu neste ínterim. Apenas que ele foi encontrado morto, no meio do matagal e vamos falar disto a seguir.

Corpo foi encontrado em Mipibu

Gabriel foi encontrado na Comunidade Pau Brasil, em São José de Mipibu na manhã deste domingo (14).

Geovane estava desaparecido desde a sexta-feira (5) quando saiu para a casa da namorada em Parnamirim e não chegou ao destino, nem voltou para a residência dele, no bairro Guarapes.

As buscas pelo rapaz começaram desde, o momento em que a família soube do desaparecimento e informou à polícia, em uma área de mata próxima a casa da namorada. No sábado, 6 de junho, foram encontrados os chinelos e no domingo, 7 de junho, a bicicleta dele.

Existe uma outra linha de investigação

A Polícia Civil, que investiga o caso, também tem uma outra suspeita, uma vez que a sua bicicleta e pertences de Geovane Gabriel foram encontrados já em Parnamirim, próximo da casa da então namorada. Para a grande imprensa, os familiares negaram que ele foi abordado por policiais militares, uma vez que denúncia anônima havia dito que foi visto em frente ao CMEI Marilanda Dantas.

A última mensagem de celular foi enviada para ela, momento antes de desaparecer, dizendo que estava chegando.  Ou seja, a chance de que a morte tenha acontecido fora do Guarapes.

Rigor na investigação

A Tribuna do Norte relatou que a Governadora Fatima Bezerra pediu mais rigor na investigação para saber o que de fato aconteceu. Além disso, existe um abaixo-assinado para o Poder Judiciário, lê o Ministério Público, investigar, no qual pode assinar aqui.

Fotógrafa Luísa Medeiros registrou o ato

Além das redes sociais, os moradores de Guarapes e grupos políticos a favor da igualdade social andaram pelas ruas do bairro na manhã da segunda-feira (15) para pedir justiça à morte de Gabriel, visto que o garoto não tinha antecedentes criminais e muito menos problemas sociais.

Esse ato foi acompanhado por centenas de pessoas com faixas e cartazes pedindo rigor nas investigações para saber as causas.

A fotógrafa potiguar Luísa Medeiros, conhecida por divulgar os movimentos sociais, fez a sua parte e registrou todos os momentos.

Confira as fotografias, portanto, a seguir:

Corpo de Gabriel foi velado nesta terça (16)

O velório de Gabriel aconteceu nesta terça-feira (16) em Macaíba, no qual o cortejo do corpo foi do Guarapes, zona Oeste de Natal, até Macaíba, no qual as pessoas pediram justiça e investigação ao homicídio. Na hora do sepultamento foram jogados balões brancos pedindo paz.

Heaven and Hell

Dez anos sem Ronnie James Dio e falarei de Heaven and Hell

A primeira vez que escutei Black Sabbath tinha 12 anos e fiquei impressionada com as guitarras de “Iron Man”, depois vieram outras músicas, como: “Children of the Grave”, “Paranoid”, “Hole in the Sky”, “Sabbath Bloody Sabbath”…A atitude do Ozzy Osbourne me chamava atenção, quem viu os vídeos do California Jam e de outras performances da banda. Mas, não sei o porquê, com certeza infantilidade, demorei muito para escutar Heaven and Hell e entender a potência de Ronald Padavona.

É…vocês não conhecem por esse nome…

Mas, por Ronnie James Dio, esse baixinho que deixou a vida terrena há 10 anos e seu legado ainda está para quem gosta de um bom heavy metal.

Para entender que Dio foi bom no Black Sabbath, eu tive que ver a carreira anterior a banda, mais precisamente Rainbow.

Quando Ritchie Blackmore dissolveu o Deep Purple, ele se juntou com os integrantes da antiga Elf, a primeira banda de Dio e formou o Rainbow, cujo primeiro álbum já mostra a potência vocal do cantor, já no ano de 1975, lá já tinha hinos como “Man on the Silver Mountain” e “Catch the Rainbown“.

Somente no ano de 1979, Dio e Blackmore se desentederam e o cantor foi convidado por Tommy Iommi para substituir Ozzy no Sabbath.

Nascimento de Heaven and Hell

A saída de Ozzy modificou a formação clássica da banda, uma vez que o baixista Geezer Butler, um dos principais compositores da banda também deixa o grupo.

Dio então coloca a sua mão nas composições no estilo do Rainbowm que falava de dragões, castelos, magia e misticismo.

Para a sua saída, Iommi chamou Geoff Nicholls e Graig Gruber na parte do baixo. Contudo, Gruber saiu da banda, Geezer Butler acabou voltando e regravou todas as canções, e Nicholls ficou com a função de tecladista do grupo.

Na verdade, Dio nunca substitui o Ozzy e muito menos queria fazer isso.

Foi essencial para uma remasterização do Sabbath de misturar aquele som pesado Hard Rock, considerado ultrapassado (pelos críticos, não por mim) e deixar uma pegada de metal mais moderna, algo que bandas como Kiss e o Iron Maiden estavam fazendo.

Tanto que o som ficou bem mais pesado que “Never Say Die”, considerado um dos piores discos da fase Ozzy.

A única canção na qual Geezer participou da composição foi “Neon Knights”, que para mim é uma das favoritas do álbum, já que todas as outras haviam sido finalizadas antes dele retornar.

No fim das contas, todas as músicas foram oficialmente creditadas a Geezer, Dio, Iommi e Bill Ward. Você pode escutar a seguir:

Repercussão do álbum

Muita gente realmente não botava fé no novo álbum, mas o disco foi ouro no Reino Unido e Canadá e Platina nos Estados Unidos. O disco também entrou em boas colocações na Noruega e Suécia, países escândinavos conhecidos pela forte cena metaleira.

Além disso, foi o momento que Ronnie James Dio mostrou que pode ser um exímio cantor de heavy metal.

Um de seus maiores sucessos foi música “Heaven and Hell”.

A canção foi regravada por nomes como Solitude Aeturnus (em 1998), Benedictum (2006), Manowar (2010) e Stryper (2011), a última é conhecida por ser uma banda de White Metal ou Metal Cristão.

O álbum foi sucesso na Argentina, que foi vendido no país com o título de “Cielo y Infierno”.

Turnê

Muitas canções famosas foram interpretadas por Dio durante a turnê, sendo “Paranoid”, “War Pigs”, “Children of the Grave”, “Iron Man” e “N.I.B.”

A turnê mundial da banda, tinha 20 datas marcadas no Reino Unido, sendo 4 delas no “Hammersmith Odeon”, provando que a banda não tinha perdido nada de sua popularidade.

O baterista Bill Ward, entretanto, teve que se retirar no meio da turnê por motivos pessoais e de saúde.

O escolhido foi o baterista Vinny Appice, ex-Derringer, que continuou na banda até meados de 1982, quando Dio deixa a banda por causa de confusões sobre a masterização do Mob Rules e parte para a carreira solo.

Banda Heaven and Hell

Anos depois da saída do Dio, os integrantes da sgunda formção clássica formaram a banda Heaven and Hell para separar o Black Sabbath com Ozzy Osbourne. Em 2006, enquanto o grupo reunificado gravou três novas canções para o álbum compilação The Dio Years, eles decidiram partir para uma turnê de 2007–2008. Como resultado da tour, em 2007 lançaram um registro ao vivo em CD duplo e DVD chamado Live from Radio City Music Hall. O álbum obteve tanto êxito que ganhou certificado de ouro em vendas pela RIAA no mesmo ano.

Empolgados pela recepção das músicas inéditas da coletânea Dio Years, o quarteto se reuniu para gravar o primeiro disco de estúdio juntos desde 1992.

Eles  lançaram o disco The Devil You Know em 2009, que teve ótimo desempenho nas paradas e foi aclamado pela crítica e pelos fãs.

Morte de Dio

Em 2009, Dio foi diagnosticado com câncer de estômago, no qual o anúncio para imprensa foi feito pela empresária e esposa Wendy Dio.

Dio iniciou o tratamento com a doença ainda no estágio inicial e havia diminuído o número de shows nos últimos meses.

Em 4 de maio de 2010, o Heaven and Hell cancelaram todas as apresentações por causa da condição de saúde de Dio.

O cantor faleceu no dia 16 de maio de 2010, deixando os metaleiros mais órfãos.