Arpege Housaca

Veja como ficou cabaré Arpege após chuva de madrugada

Nas primeiras horas da manhã deste domingo (21) foi um momento triste para quem gosta dos prédios antigos de Natal, uma vez que as chuvas derrubaram de vez a parte superior de onde funcionara o Arpege, cabaré tão popular quanto o de Maria Boa.

Chovia às 04h40 da manhã quando o resto do pavimento superior do prédio, que já estava parcialmente destruído, desmoronou de uma vez.

As câmeras de segurança próximo do prédio registrou o momento que houve a demolição:

O prédio antes estava assim:

Agora está assim:

Fonte: Fatos e fotos de Natal Antiga

A jornalista Cinthia Lopes postou em seu Instagram o resultado de como ficou o antigo cabaré. Veja:

História do Arpege

Argepe existiu até a década de 1990, ficava na Rua Chile, após o cruzamento com a Tavares de Lira, na esquina com a Travessa Venezuela  Construído no século XX por um família de alemães, tendo inicialmente funcionando como um “Secos e Molhados”.

Em 1941, o empresário Nestor Galhardo adquire parte da edificação, tendo o intuito de instalar sua própria gráfica, ocupando apenas o pavimento térreo, o que restou do prédio após a chuva deste domingo (21).

Galhardo decidiu abrir, portanto, um cabaré no pavimento superior, que seria administrado primeiramente por sua amante e entrada era feita através da Travessa Venezuela, próximo ao Cova da Onça.  

Após a morte de Nelson Galhardo, seu neto tenta manter os negócios

Após a morte do seu proprietário, o  seu neto, que também se chama Nelson Galhardo, assume a administração dos negócios. Durante algum tempo, a gráfica permaneceu em atividade, porém fechou as portas. O local serviu como cenário aos filmes “For All- Trampolim da Vitória” e “O Homem que Desafiou o Diabo”.

Cabaré Arpege quando ainda estava inteiro Cabaré Arpege quando ainda estava inteiro (Foto: Zé Paulo Cardeal)

O início da demolição

No ano de 2005, o imóvel é adquirido pela empresária carioca Paula Homburger, acreditando na revitalização da Ribeira. A intenção era construir um restaurante no local, entretanto a ideia não deu certo por diversas razões.

Três anos depois, parte da estrutura do cabaré da Arpege é destruída com as fortes chuvas, chegando a ser interditado pelo Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte . No ano de 2010, o prédio foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).