Patrulha Policial

Você conhece esses repórteres potiguar?

Estes moços eram primeiramente os mais famosos repórteres da TV Ponta Negra nos anos 90. Algumas vezes eram vistos como celebridades, outras, no entanto, como praticante do jornalismo “esprema que sai sangue”. Entretanto, eles continuam na boca do povo, embora alguns não tenham mais a fama de antes.

Da esquerda para direita estão os repórteres Givaldo Batista, Inaldo Farias, Mário César, J. Gomes, Milton Duarte, Gilson Moura e Heberth de Souza. Como resultado, eles faziam a reportagem e apresentavam os programas Aqui Agora e, por conseguinte, Patrulha Policial.

Estudante de jornalismo ou não, você com certeza viu estes rotinhos na sua infância.

O que foi o Aqui Agora?

O jornal surgiu nos anos 90 e foi o pioneiro no Brasil com o uso de Gerador de Caracteres, o GC. Além disso, ele era conhecido por matérias sensacionalistas, visto que muitas vezes o foco de suas matérias eram sobre assassinatos e crimes escandalosos. Seguindo o formato ágil, dinâmico e cruel do programa, uma vez que não era raro os próprios repórteres serem feitos reféns por criminosos, testemunharem mortes in loco ou quase serem atingidos por balas perdidas.

Ainda mais o Aqui Agora também exibia, em um tom mais jocoso, fofocas do meio artístico e um quadro de defesa do consumidor, visto que levou Celso Russomano para política.

Alcançou altos índices de audiência e chegou a ameaçar a liderança da Rede Globo no horário na Grande São Paulo, chegando a picos de 50 pontos. Com o sucesso do programa, as afiliadas do SBT também tiveram versões locais do programa, no qual a exibição acontecia na hora do almoço.

E quando chegou no Rio Grande do Norte?

O Aqui Agora chegou ao RN no mesmo ano da edição nacional, no qual também investiu no uso da câmera de mão e das matérias sob o título de policialesco. Além disso, as matérias também traziam reportagens bastante tendenciosas, fazendo com que os índices de audiência subissem.

Um pouco de como era o jornal a seguir:

Um dos destaques está o massacre de Areia Branca, quando Grossos ainda era distrito na região. Uma das mais polêmicas reportagens de Givaldo Batista, visto que alguns críticos consideravam que ele estava instigando os moradores em lincharem os acusados do estupro de uma jovem de 13 anos. Confira, portanto, a seguir:

Foi neste período que começamos a ouvir termos policiais, como “elemento”, “vtr”, “Qr” e entre outros.

Ainda mais, os mesmos repórteres também participavam do “Patrulha Policial”, que tinha foco as perseguições policiais e outros crimes. Foi nesta época que esses repórteres ficaram bastante famosos, assim como eles tinham o tratamento de uma celebridade local. Todo mundo os reconheciam nas ruas, sem contar que muitos já tinha experiência no rádio potiguar, como Inaldo Farias e Milton Santos.

O trecho do programa dos anos 90 pode ser visto a seguir:

Hoje, o programa mais parecido com os dois que falamos nesta matéria é o Patrulha da Cidade, que é líder de audiência no horário.

Por onde andam os repórteres do Patrulha Policial?

Dos sete repórteres, apenas dois faleceram. O Inaldo Farias morreu no ano, após ser vítima de um atropelamento de trem, no qual alguns diziam que o mesmo estava deprimido com a falta de oportunidades no rádio e televisão e assim chegando a se jogar na linha do trem de propósito.

O outro repórter que morreu foi Jota Gomes, no ano de 2019, após anos sofrer com complicações de saúde, principalmente do coração. Morreu após uma infecção generalizada, por conta de uma inflamação na medula.  O Givaldo Batista, por sua vez, faleceu em 1995 após um infarto fulminante.

(Atualizado no dia 21/07, às 10h).

Já o Heberth de Souza fez sucesso em São Paulo e morou por muitos anos. Atualmente, ele apresenta um vespertino nas terras potiguares, através da 97 FM, Também na ativa, o Milton Duarte é a voz padrão da TV Ponta Negra, afiliada do SBT em Natal, no Rio Grande do Norte e locutor da Rádio Assembleia, da Assembleia Legislativa do RN. Além disso, trabalha para produtoras e agências de publicidade.

Mario César hoje mora em Roraima, ainda apresenta programas policiais e também se arriscou na política, onde conseguiu a vaga para vereador. Por falar em política, Gilson Moura também se arriscou na área, no qual foi eleito vereador e posteriormente deputado estadual. Entretanto, ele viu sua carreira ruim após ser um dos indiciados da operação Impacto.