Motel Tahiti

Motel Tahiti: Do paraíso ao percussor dos motéis da cidade

A chave da imagem acima mostra um importante motel da cidade, o Tahiti. Se ao falarmos de propagandas de duplo sentido, entradas de garagem, banheiras e todas aquelas coisas que vimos em moteis natalenses, agradeça este empreendimento.

O conceito de motel em Natal surgiu apenas na década de 70. Um dos mais famosos eram o Motel Tahiti, que ficava na avenida Roberto Freire. Hoje ele não existe mais, embora tenha colaborado a criar o conceito que temos hoje de motel, local para fazer amor bem gostosinho (BEAT, Duda) ou descansar após uma longa viagem na estrada. Quando houve a sua inauguração, por exemplo, uma reportagem de uma página inteira d’O Poti com a finalidade de falar da sofisticação do empreendimento, que teve o projeto assinado por Airton Vasconcelos.

Ou seja, uma matéria totalmente chapa branca, mas não deixa de ser história.

Um dos quartos do motel Tahiti

Quando inaugurado, o Tahiti tinha 26 apartamentos, mas ampliou para 58 a medida que crescia. Na época tinha ar-condicionado, telefone, música ambiente e piscinas vazias. Ainda bem que mudou, não é mesmo?

A reportagem completa você pode conferir, portanto, neste link.

As propagandas de duplo sentido nasceram

“Motel Tahiti: O Paraíso é aqui” é um dos slogans mais famosos que os moradores mais velhos de Natal lembram. No entanto, eles foram super importantes para a revolução da propaganda local.  Sabe aquela expressão “Está no inferno abraça o capeta” ? Eles podem não ter criado, mas eles abraçaram a infâmia que os motéis tinham de ser um lugar de luxúria e muito sexo.

Motel em 1979

Por isso, era comum ver faixas dizendo “Pai leva mamãe pra o Tahiti’. Deixando, assim, os conservadores de Natal de cabelo em pé.  Nos anos posteriores surgiam os displays nas ruas. Os outdoors eram espalhados na cidade com mensagens engraçadas, que, provavelmente, virariam memes nos dias de hoje.

Uma outra frase que ficou famosa foi: “Promoção de almoço executivo: Coma duas e pague uma”. Quando Aureliano Chaves visitou Natal em campanha para a sucessão de João Figueiredo na Presidência da República, a comitiva do então vice-presidente se deparou, em pontos estratégicos do percurso, com a seguinte mensagem: “Aureliano, meu amor! – Motel Tahiti”.

O auge do sucesso foi nos anos 80, no qual conseguiu patrocinar uma equipe de Kart e outros eventos esportivos.

O motel fechou as portas no final dos anos 90, mais precisamente em 1995. Além disso, o seu proprietário, Alcyone Dowsley, faleceu em 2001. Hoje, o terreno que ficara em seu lugar uma lagoa de captação, próxima ao Parque de Capim Macio. Uma ironia é que há quase 500 metros existe um outro motel que funciona do mesmo modus operandi.

Natalenses, apoiam Júnior Groovador no Megadeth?

Caso os natalenses não sabem, existe uma campanha para Júnior Groovador tocar baixo no Megadeth.  Como assim? Calma, vou contar a história a seguir enquanto as páginas de fofoca do RN deixaram esta história passar no Instagram.

Tudo começou com uma demissão

Nesta segunda-feira (24), os fãs da banda de heavy metal dos Estados Unidos anunciou nas redes sociais que o baixista David Ellefson não pertencia ao grupo. O motivo? Ele foi pego com conteúdo de pornografia infantil.

Para quem não sabe, o Megadeth é uma banda que tem como vocalista o Dave Mustaine. Era integrante do Metallica lá nos anos 80 e após a sua demissão criou a sua própria banda. Anos depois, ele virou um católico convicto e o ruivo sempre está na imprensa falando do seu conservadorismo. Por isso, não seria surpresa que qualquer conduta errada de um integrante era motivo de expulsão.

Além disso, Mustaine é fã de músicos brasileiros, visto que o guitarrista é o Kiko Loureiro do Angra e já convidou Pepeu Gomes em um tempo atrás.

Onde chega o Júnior Groovador?

Nas redes sociais, os pedidos pela inclusão do baixista potiguar na banda de Dave Mustaine inundaram as redes sociais da banda e chegaram a Kiko Loureiro, que abriu uma enquete nos Stories do Instagram quando questionado sobre o assunto.

Com pouco tempo para votação final, a maioria absoluta dos seguidores do guitarrista gostariam de Groovador no cargo.

Mas, eu ainda não ouvi os metaleiros natalenses sobre a campanha de Júnior Groovador no Megadeth? Até tem uma foto da banda juntos, veja a seguir:

Natalenses Júnior Groovador Megadeth
Imaginam, decerto, Júnior Groovador no Megadeth, natalenses?


Loading…

Quem estou falando

O baixista potiguar Júnio Groovador, conhecido na internet brasileira por tocar baixo nas bandas de forró da cidade do Natal e por dançar de um jeito bem descontraído enquanto toca. Ficou famoso nacionalmente quando Jack Black o convidou para participar de uma apresentação no Rock In Rio após visualizar um vídeo.

O vídeo em questão foi uma performance dele tocando "Smells like a teen spirit ", do Nirvana, apesar de existir vários vídeos fazendo performance de outras músicas de forró com rock.

Após a apresentação, Júnior virou uma figurinha carimbada na internet, além de aparecer nas mais diversas propagandas. Recentemente, ele participou de uma música da cantora Gaby Amarantos, chamada "Calor do Cão", que também ajudou na composição da música, fazendo com que a canção tivesse um ritmo mais para suingueira.

A canção que Júnior Groovador participa faz parte da trilha sonora do filme "Cabras da Peste", que está em catálogo no Netlix. E, a canção está sendo um sucesso, apenas no You Tube tem mais de 13 mil visualizações.  Além disso, o filme está no top 10 do Brasil da rede de streaming.

É uma versão da canção "The Heat is On" de Glenn Frey.

O que o próprio baixista disse

No seu Twitter, ele agradeceu o carinho do povo pedindo para entrar na banda e disse que gostava do grupo.

Além disso, criticou os baixistas conservadores do metal que não aceitam o baixista que toque músicas de forró.

Vocês natalenses vão apoiar a entrada de Júnior Groovador no Megadeth? Deixe aqui o seus comentários ou compartilhe nas redes sociais. Além disso, não deixe de acessar o Brechando.com.

filme potiguar prêmios festivais

Sabia que filme potiguar recebeu 22 prêmios em festivais

Sabemos que uma campanha eleitoral não é só primeiramente convencer o público a votar em certo candidato político. Todavia, envolve um trabalho de diversas áreas.

Inclusive na comunicação, visto que trabalham jornalistas, designers, editores para vídeo de televisão ou rádio, um diretor organizando a produção e ainda mais contratar os apresentadores. Assim, é a visão do curta “Vai Melhorar“, sob a direção de Pedro Fiúza.

O foco, em resumo, é mostrar o lado podre da campanha política. Além disso, a boa notícia que a sua produção recebeu 22 prêmios em vários festivais nacionais. Também vale salientar que Fiúza assinou o roteiro, juntamente com Mateus Cardoso.

Cardoso é ator da peça “A Invenção do Nordeste” e acima de tudo participa no curta.

Somente a atriz Cássia Damasceno, a protagonista do prêmio, recebeu cinco prêmios de melhor atriz. Mas, você pensa que a premiação acabou? Agora temos a novidade sobre o filme potiguar, no qual tem chances de ganhar mais prêmios nos festivais.

Indicação ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Antes de mais nada, a novidade é que o diretor recebeu a indicação ao 20º Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Ainda assim, a edição 2021 do prêmio em Curta Metragem Ficção, ao lado de 21 filmes para o primeiro turno. As obras serão terão votos de membros da Academia Brasileira de Cinema.

Ademais, a Academia escolherão cinco para o Troféu Grande Otelo.

A obra estreou no Curta Kinoforum e já recebeu o prêmio de favoritos do público.

O filme narra a história de Luísa, jornalista que vai ao Nordeste com a finalidade de apresentar os programas televisivos da campanha para prefeito. O mesmo quer se reeleger na cidade nordestina e para isso ele é capaz de fazer tudo (mesmo).

Durante o filme, a narração conta a vida de Luísa. Entretanto, uma descoberta de bastidores obriga a jornalista a tomar uma séria decisão. Dessa maneira, ela lida com as atividades éticas e profissionais.

Confira o trailer da produção, portanto, a seguir.

Por que Pedro fez este filme?

A obra foi idealizada por Pedro Fiuza a partir de experiências suas e de colegas em equipes de produção audiovisual de campanhas políticas. O diretor, que se formou em Comunicação e Especialista em Cinema, quis lançar um olhar aos profissionais que submetem a campanha política. Em contrapartida, deu voz àquelas e aqueles que enxergam os meandros do fazer político sob outros ângulos.

Para o diretor, a indicação ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro consagra e ainda mais celebra artistas e técnicos que trabalharam por quatro anos. Também atesta a crescente qualidade da produção potiguar.

“Vai Melhorar” é um filme em virtude, portanto, do edital público Cine Natal 2016. Participou mais de 80 profissionais na produção.

Gostou de saber que um filme potiguar ganhou vários prêmios em festivais? Deixe aqui o seu comentário e compartilhe este conteúdo nas redes sociais.