Tempo de leitura: 2 minutos

Com um pouco mais de cabelos e um visutal típico dos anos 70 está o Joãozinho do Grafith na época que integrava as bandas de baile durante o Rio Grande do Norte, naquela época o som que reinava não era a suingueira, mas o bom e velho Rock and Roll. A foto foi cedida por Thaís, filha do cantor, que autorizou que a gente publicasse esta foto rara.

A primeira experiência musical de Joãozinho uma rápida passagem pelos Infernais, formado no bairro das Quintas. Se firmou mesmo como guitarrista e cantor na The Shinys, em 1974. “Papai perguntou se pelo menos eu estava ganhando algum dinheiro para dar o aval. O medo dele era termos algum vício. Mas nenhum de nós sequer bebe ou fuma até hoje”. Quando Joãozinho saiu do The Shinys, Luís Cláudio de Lima, o Kaka, foi indicado para substituir o irmão. Joãozinho passou a integrar o Alerta 5, depois refundado como Suigeneres, com shows em São Paulo.

Em 1977, Kaka e o irmão mais novo, Carlinhos, se encontrariam na banda Os Impossíveis. Seria o embrião da futura banda Grafith. Enquanto o precursor Joãozinho se apresentava em programas como o Chacrinha, Raul Gil, Clube do Bolinha e outros em São Paulo com o Suigeneres, Júnior também se integrava aos Impossíveis. Quando Joãozinho voltou a Natal em 1981, recusou o convite do Skema Livre para se juntar aos irmãos e o contrabaixista Jaílson. A nova formação dos Impossíveis durou até 1987.

Substantivo Plural

O grupo surgiu apenas em 1988 pelos irmãos Joãozinho, Kaká, Júnior e Carlinhos e são figuras constantes em carnavais, formaturas, confraternizações e eventos. Sua história é sempre lembrada e comemorada no mês de novembro, com uma grande festa, no qual os seus 30 anos está marcado para acontecer na Arena das Dunas.

Você pode ler também:  Show do Som da Mata vira caso de polícia neste fim de semana

Eles são conhecidos pelo estilo baile, os irmãos tocavam de tudo: de discoteca e rock a samba e MPB, apesar de que o carro-forte deles serem a suingueira. Além disso, eles são lembrados pela vinheta em cada música (Gra-gra-Grafith) e também aos bordões (“Quebra, Negona”). O primeiro LP foi gravado em 1990 e teve vários sucessos, como  “Camaleão”, “Eu sou ilê”, Jacaré e Garotada Lamba. O disco pode ser escutado aqui:

Mas, o maior sucesso deles é a canção “O Bode”, que tem o refrão chamado “Chico Bateu No Bode, Bode Bateu No Chico”. O que poucos sabem é que esta música foi escrita por Carlinhos Brown para o compositor Chico Buarque de Hollanda. Outros covers que o Grafith teve sucesso foi “Jungle People” e “Go Pato”.

Chico Bateu no Bode praticamente virou um hino de Natal que o então prefeito Carlos Eduardo pediu para a banda no Carnaval da cidade tocasse essa música.

Desde os anos 2000, eles são figuras carimbadas no carnaval de Macau e sabendo disso, no ano de 2011, o Grafith fez sua apresentação no Carnatal, tendo a maior pipoca da história do evento, superando os artistas da Bahia.

Em 2014, o lutador do UFC Renan Barão, participou do UFC 169 em Nova Jersey, e para sua entrada ao ringue o lutador potiguar colocou a música de Sou Grafitheiro Por Amor, que embalou a vitória de Barão, e emocionou a Nação Grafitheira. Após essa homenagem de Barão para a banda, que ele ouvia desde pequeno, o Grafith compôs uma música: Passinho do Barão, que já se tornou mais um sucesso tocado em todas as apresentações.


Post Anterior | Próximo post

Deixe uma resposta

Clique na imagem abaixo para comprar o nosso livro

Você ainda não leu a revista do Brechando? Clique no link a seguir e leia um conteúdo exclusivo.

Sobre a autora

Jornalista formada pela UFRN, criou o blog em 2015 e não esperava que fosse fazer altas brechadas sobre Natal-RN e outras cidades que visitou. Gosta de trabalhar com a internet, mídias sociais, fotografar e escrever. Clique aqui para saber mais sobre mim.

Desenho: @umsamurai

Brechando Vlog

Arquivos

Calendário

novembro 2018
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Categorias