Artista visual Victor H lança sua primeira exposição solo nesta sexta

O poeta e artista visual, Victor H Azevedo, lançará a sua primeira exposição solo ‘Branco & Nanquim’ na próxima sexta-feira (20), às 19 horas, no Bólide 1050,  espaço cultural autônomo. Queremos promover ações, encontros, cursos que dinamizem o circuito da Arte Contemporânea na cidade do Natal. A equipe da casa é composta por Sânzia Pinheiro, Renata Marques, João Pedro Tavares e Sofia Bauchwitz

O objetivo da exposição seleta de seus trabalhos feitos entre 2012-2018 com o foco na arte em preto e branco, principalmente com a técnica de nanquim. Atribuindo um constante espectro noturno e onírico a atmosfera das obras nas quais fantasmas do cotidiano se fundem em amalgamas caseiras de montanhas, pássaros, mãos e labirintos.

Victor começou a fazer publicações em 2013, ao lançar a zine “Miragem”. No ano seguinte, através da editora Tribo, ele lançou “Pé do Ouvido” misturando as suas ilustrações que fogem do óbvio, mas ligando a poesia. Depois disso, ele participou de saraus, exposições coletivas e outras produções.

Neste ano, ele também participou da produção da antologia Blackout. No livro conseguiu reunir 18 poetas da chamada “novíssima geração”, o projeto tem como objetivo a publicação de poetas ainda inéditos em livro, até a reunião dos textos, além de fazer um panorama fiel do que é produzido, em termos de poesia, na Natal de agora. Azevedo junto com Ayrton Alves Bariyah, ao longo de um ano, trabalharam na seleção dos nomes, na captação dos poemas e na produção artesanal do livro, em edição cartonera, com a finalidade de torná-lo mais acessível ao público, no qual escreveram sobre a capital potiguar.

Além disso, Ayrton e Victor fazem parte da Muganga Edições, conhecido pelas produções de fanzines e eles toparam em participar da revista do Brechando, que está em campanha no Catarse.

Serviço
Onde? Bólide 1050 (Rua Teotônio Carvalho 1050, Tirol | Natal-RN)
Quando? 20/07 (Abertura)

Este funcionário público quer fazer sua festa de aniversário com moradores de rua

Há três anos, o funcionário público, Iago Oliveira, realiza o seu aniversário fornecendo comida e mantimentos para os moradores de rua. Agora com 26 anos, ele convida voluntários para ajudar nessa empreitada que chamou a atenção do Colégio Nossa Senhora das Neves, onde o jovem estudou, e utilizou a sua assessoria de imprensa para divulgar essa atitude. Para Iago não importa se é amigo ou não, o importante está disposto em ajudar.

Qualquer pessoa pode participar como voluntária. Os interessados podem confirmar presença participando do grupo de WhatsApp por meio do link: https://goo.gl/YMYdz9.

O aniversário de 26 anos de Iago acontecerá no dia 3 de agosto, a partir das 19h30. O ponto de encontro será a praça da Paróquia de São Pedro Apóstolo, localizada em frente ao Colégio Nossa Senhora das Neves.

Tudo começou em julho de 2016, quando Iago teve a ideia de dar um novo significado para o dia 3 de agosto, data em que celebra seu aniversário. Para que a primeira edição saísse de acordo com o planejado, o natalense motivou e envolveu familiares e amigos, cerca de 30 pessoas ao todo, para participarem da iniciativa. Foi assim que consegui arrecadar bolos, salgados, cachorros-quentes, refrigerantes e outros itens para tornar aquele dia inesquecível.

O sucesso do primeiro “aniversário solidário” com moradores de rua despertou em Iago o desejo de realizá-lo nos anos seguintes como uma promessa: “sentir a necessidade do outro como se fosse a minha, fazer para o próximo aquilo que eu gostaria que fizesse por mim”, diz o idealizador. Mais experiente, a cada edição a comemoração ganha as ruas do bairro do Alecrim e do Centro, regiões que concentram um significativo número de pessoas em situação de rua da capital potiguar.

O trajeto ocorre com o auxílio de veículos dos próprios participantes para ajudar na logística da ação, que sempre ocorre durante a noite.

Aqui está uma foto de como foi o níver do ano passado a seguir:

[ARTIGO] Anitta, assim não dá para te defender

Anitta tem 25 anos e assim muitos jovens que nascer uma década de 90, cresceram ouvindo a Britney Spears, Destiny’s Child, o início da carreira solo de Beyoncé, Madonna, boy bands, e dentre outros artistas que passavam no diz Disk MTV. Em dezembro falei que precisamos de um Brasil com mais Anitta, que exaltasse o direito da mulher fazer o que quiser, independente de ser periférica ou não. No entanto algumas ações que ela fez neste semestre não dá para defender.

Em entrevistas internacionais, ela tá criando um falso pioneirismo, dizendo que apenas ela fez música pop no Brasil, enquanto vários artistas já tentaram implementar no Brasil, como Karyn, Sandy e Júnior, Rouge, Twister e dentre outros artistas, embora que os arranjos e letras fossem praticamente versões de músicas já famosas na terra do Tio Sam e de países hispânicos, precisamos reconhecer que eles tentaram colocar um estilo que nos anos 2000 estava saindo o pagode e começando a bombar o funk.

Além disso, a Anitta tem colocado posto lado a lado que a última mulher brasileira que bombou na música foi a Carmem Miranda, visto que os discos da Xuxa venderam bastante nos Estados Unidos e tem um conteúdo gigante dela na página em inglês do Wikipedia. Sem contar que algumas cantoras de axé são reconhecidas internacionalmente, como a Daniela Mercury, que já fez diversas turnês na Europa.

Sabe a Deise Tigrona? Se Anitta, que começou no funk, sabe muito bem quem estou falando. Ela é um sucesso internacional e uma de suas músicas foi sampleadas por M.I.A.

E o funk carioca é venerado pelos gringos com suas batidas feitas apenas em simples computadores nos quartos dos DJs e MCs. Por causa disso, o Diplo, espalhou essas músicas no mundo todo numa época que Anitta era apenas uma adolescente carioca. O mesmo Diplo foi quem ajudou a dar um empurrãozinho na carreira internacional, quando o Major Lazer produziu a música “Sua Cara”, que cantou junto com Pabllo Vittar.

Recentemente, a cantora está usando o seu discurso progressista a favor na mídia internacional, enquanto isso no Brasil se contradiz e vários fãs estão coletando os discursos que a contrariam e vários exemplos podem citados a seguir:

1. Sobre morar em Honório Gurgel , no qual ela falou na mídia internacional que era uma favela.

OBS: Honório Gurgel é um bairro periférico, no surbúbio. Se for usar como parâmetro como Natal, era tipo se ela morasse nas Quintas.

2. Sua relação sobre o caso de Marielle Franco.

3. Trabalhar com Terry Richardson no “Vai Malandra”, diretor de arte acusado de assédio sexual.

4. Casar com um rapaz processado por sua ex-companheira.

5. Em entrevistas anteriores falar que é feminista e agora negar.

Anitta, assim não dá para te defender!

Extra! Falar que era a única brasileira a fazer pop no Brasil: