24 24America/Bahia fevereiro 24America/Bahia 2016 – Brechando

Quais são as cidades-irmãs de Natal?

Primeiro, o que é o conceito de cidade-irmã? É um encontro de duas cidades e tem como objetivo criar relações e mecanismos protocolares, essencialmente em nível espacial, econômico e cultural, através dos quais cidades de áreas geográficas ou políticas distintas estabelecem laços de cooperação.

Geralmente, as cidades gêmeas têm características semelhantes (demográficas, por exemplo) ou pontos e referências históricas comuns. Natal tem cidade que são parecidas?

Belém, na Palestina, é irmã de Natal
Belém, na Palestina, é irmã de Natal

Sim, a Câmara Municipal do Natal reconheceu cinco cidades internacionais que são irmãs: Belém (Palestina), Córdova (Argentina), Guadalajara (México) e Lisboa (Portugal).

A integração entre os municípios é firmada por meio de convênios de cooperação, que têm o objetivo de assegurar a manutenção da paz entre os povos, baseada na fraternidade, felicidade, amizade e respeito recíproco entre as nações.

Vale lembrar que Belém é a cidade onde Jesus Cristo nasceu e deu origem ao feriado de Natal, 25 de dezembro, data que a cidade foi fundada. A cidade é habitada por uma das mais antigas comunidades cristãs do mundo. A maioria da população natalense é de religião católica e protestante.

Guadalajara, México, também é uma cidade-irmã
Guadalajara, México, também é uma cidade-irmã

Assim como Natal, a principal atividade econômica da cidade de Belém é o turismo.  Algo também em comum na cidade de mexicana de Guadalajara.

Já Córdova, na Argentina, tem em comum com a capital do Rio Grande do Norte, o grande desenvolvimento da aeronáutica.  As cidades brasileiras Fortaleza e Porto Alegre também são consideradas irmãs de Natal.

Este conceito assemelha-se à prática da correspondência na rede mundial, onde os amigos por correspondência são cidades ou vilas no seu conjunto. Estes acordos levam ao estabelecimento e intercâmbio cultural, partilha de conhecimento, ensino (estudantes) e políticas empresariais entre outras atividades.

Cidades-irmãs é uma iniciativa do Núcleo das Relações Internacionais, que busca a integração entre a cidade e demais municípios nacionais e estrangeiros.

Em alguns casos, divisões territoriais mais vastas fazem acordos semelhantes, como é o caso de Xangai e da província de Hainan na República Popular da China e Jeju na Coreia do Sul. Curiosamente as cidades de Paris e Roma são gêmeas e possuem um acordo de aceitarem apenas cidades parceiras, o acordo se resume na frase: Apenas Paris é digna de Roma, apenas Roma é digna de Paris.

Entrevista com Igor Ferreira: integrante do doc Bichas

“As pessoas precisam falar sobre bicha”, esta foi uma das frases ditas por Igor Ferreira, um dos participantes do excelente documentário “Bichas”, no qual exibe depoimentos de seis homossexuais assumidos e relatam sobre a relação com familiares, bullying, religião, sociedade e dos preconceitos que enfrentam diariamente. Todos os assuntos são debatidos por parte e numa ordem cronológica.

Foto de divulgação de Igor Ferreira
Foto de divulgação de Igor Ferreira

Uma das partes que me chamou atenção foi dele relatando que no teatro da igreja onde participava, as pessoas exigiam que o amigo, também gay, tivesse uma “atitude mais masculina”.  Agora, a sua história foi aberta para que milhares de pessoas pudessem analisar e refletir sobre a homofobia do país.

Igor no documentário "Bichas"
Igor no documentário “Bichas”

O vídeo está disponível no You Tube e tem mais de 100 mil visualizações, sem contar que viralizou nas redes sociais, principalmente Facebook.

O filme, lançado na internet no sábado (20), mostra como a auto aceitação mudou a vida deles. A ideia do documentário surgiu depois que o criador, Marlon Parente, sofreu, em setembro, uma ameaça de morte por andar de mãos dadas com outro homem, que também é um dos integrantes do “Bichas”.

Além de Igor, participam do documentário, Bruno Delgado, Ítalo Amorim, João Pedro Simões, Orlando Dantas e João Pedro Carneiro.

Em uma das partes do doc, Ferreira chegou a declarar:  “Queriam me xingar de bicha, gay, veado, e eu não queria aqueles adjetivos para mim. Passei a odiar isso. “. Hoje, a situação mudou e ajuda outras pessoas que passaram por essa situação.

“Depois que eu assumi, sempre me lidei muito bem com a minha sexualidade. Então, eu sempre tomei uma atitude bastante empoderada e tive uma relação com a minha identificação. O documentário serviu para que mostrasse de forma mais ampla”, disse Igor para o Brechando.

Participantes do documentário "Bichas"
Participantes do documentário “Bichas”

Apesar da gravação ter acontecido em Recife, Igor atualmente mora em Natal como estudante do curso de Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e nas noites natalenses é conhecido pela drag Kaya Conky. Ele é natural de Fortaleza. Vale lembrar que o Rio Grande do Norte é o terceiro estado mais perigoso para o LGBT.

“O documentário facilitou mais ainda o contato com os meus pais e eles entenderam um pouco mais sobre mim. Isso é muito bom”, comentou.

11751740_1621656274785060_8677500465161295292_n
Igor recebe muitas mensagens após o documentário

Foi todo gravado no apartamento de Marlon, que trabalha como publicitário, e demorou três meses para ficar pronto. “Claramente, o documentário vai ajudar muita gente que precisa de um argumento defensivo [contra os homofóbicos] como também no processo de empoderamento da pessoa. Orgulho de ser do jeito que é deixa a gente feliz, isto é crucial”.

Ele conta que depois da repercussão do documentário, muita gente lhe procura para compartilhar experiências, além de mensagens na linha do tempo do seu perfil pessoal no Facebook.

“Minhas redes sociais estão muito movimentadas, todo dia recebo mensagem de inúmeras pessoas relatando a história de vida, como se identificaram com os depoimentos, aceitaram mais e muitos assumiram sua opção sexual mostrando o documentário para a família. Contando isso para gente é especial, pois mostra as mudanças bem na nossa frente”.

Na segunda feira, Igor mandou mensagem agradecendo pelas mensagens de carinho e que em poucos dias já sente pequenas mudanças no cotidiano.

“Agora vamos sair espalhando a palavra Bicha e dominar o país (risos)”, finalizou.

Veja este documentário: