Mesbla Natal

Tentativa de ter a Mesbla em Natal

A Mesbla era uma antiga loja de departamento que fechou as portas no final dos anos. No Rio de Janeiro, foi instalada em 1912 uma filial da firma Mestre & Blatgé, com sede em Paris e especializada no comércio de máquinas e equipamentos. Depois, sua administração foi entregue ao francês Louis La Saigne, até então subgerente da filial em Buenos Aires.

Em 1924 La Saigne transformou o estabelecimento carioca numa firma autônoma, com o nome de Sociedade Anônima Brasileira Estabelecimentos Mestre et Blatgé, que em 1939 passou a denominar-se Mesbla S.A.

La Saigne teve quatro filhas, e a mais velha casou-se com Henrique de Botton. Após um dia de intenso trabalho, Louis La Saigne, o fundador da Mesbla, morreu em sua residência na noite do dia 18 de janeiro de 1961. O Henrique de Botton assumiu a presidência.

Depois da morte de Henrique, seu filho André também assumiu a presidência. Ambos comandaram a expansão e o declínio da empresa até os anos 1980. Neste período, no entanto, várias tentativas da Mesbla de trazer a loja na capital potiguar.

Vou apresentar, portanto, os fatos a partir dos recortes de jornais sobre Natal.

1) Na década de 70, a Mesbla tinha lojas apenas em Pernambuco e Ceará no Nordeste. Mas, isso não queria dizer que não havia interesse por Natal.

2) Nesta época, no entanto, era muito comum os jornais divulgarem anúncios de produtos da magazine e a elite de Natal comprava os produtos em Recife. Sem contar que era normal funcionários virem à Natal para comprar lanchas no Iate Clube.

Mesbla Natal

Mesbla Natal

Mesbla Natal

3) Inicialmente, informaram em 1977 que a Mesbla ficaria no prédio onde funcionara Cine Rex. Porém, o cinema só fechou as portas sete anos depois.

4) Neste período, no entanto, alguns jornais anunciavam vagas para vendedores do estabelecimento. Além disso, anunciaram que eles compraram um terreno baldio ao lado do Colégio Winston Churchil.

5) Nos anos 80, o centro de Natal passava por um boom de lojas de departamento, como a Riachelo e Lojas Americanas, que colocou a loja próxima do terreno que seria o Mesbla, no qual também planejara construir uma loja no Alecrim.

6) A loja, porém, vendeu o terreno. Segundo os jornais, por medo do crescimento de “camelôs”.

7) No entanto, a esperança da chegada da Mesbla veio com a construção do Natal Shopping. Além disso, seria a principal loja âncora. Isso nunca aconteceu.

Glória Morena lançou música em 2021, finalmente

Fazia um ano que a artista Glória Morena lançara as suas músicas irreverentes, mas em 2021 colocou para o pessoal ouvir a canção “Chapeuzinho Vermelho”, que vai mexer o conto de fadas, assim como os Três Patinhos, o delírio coletivo dos anos 80.

O single ”Chapeuzinho Vermelho” desconstrói o clássico conto de fadas, afirmando que a
”chapeuzinho não era tão boba assim”.

A faixa contou com a produção musical mais uma vez dos músicos Carlos Tupy e Zé Caxangá, artistas que vem colaborando com a roupagem eletrônica para as canções de Glória. Além disso, para completar essa colaboração musical, temos a participação de Gabriel Souto nos sintetizadores e cavaquinho, Tal Pessoa na guitarra e de Malka Julieta nos sintetizadores.

Ao se juntar com artistas que vem se utilizando criativamente das possibilidades da música eletrônica em conexão com gêneros populares do Brasil.

Para escutar o novo single por completo, dê o play, portanto, a seguir:

[fvplayer id=”7″]

Afinal, quem é Glória Morena?

Glória Morena é compositora e vive na Zona Norte de Natal. Tem 57 anos. Apesar de já escrever suas canções a muito tempo, o seu primeiro lançamento aconteceu no final do ano passado. O single “Gato Guloso” surgiu quando a cantora e percussionista Maíra Soares conheceu as criações da então professora de português.

Por conseguinte, chamou o músico Zé Caxangá para ser o produtor musical da faixa (Beat, Sints, Guitarra e Baixo), visto que é um dos integrantes do selo Rizomarte.

O resultado é um batidão descontraído que apresenta a essência bem humorada e dançante de Glória. Confira a faixa a seguir:

A música já deu um burburinho na cena alternativa da cidade que ficou curiosa para saber quem é essa cantora irreverante. No vídeo acima, os comentários dentro do You Tube mostram pessoas que estão incentivando o seu trabalho.

Em 2020, Gloria lançou o seu segundo single,  dessa vez o tema é uma pura estripulia romântica carnavalesca, através de uma marchinha que passeia pelo universo sonoro de antigos e novos carnavais.

Recentemente, ela lançou o single ”Vou te pegar no Carnaval”. Quer ouvir a música? Escute a seguir:

A gente falou desta artista, para saber mais, portanto, clique aqui.

Faster Pizza

Relembrando o Faster Pizza, a pizzaria que só tocava metal

Escutando discos antigos de metal potiguar, relembrei de algo que precisa ser compartilhado por aqui. Nos primórdios do Brechando, procurava coisas diferentes de Natal. Então, procurando as redes sociais, eu descobri a Faster Pizza, que todo mundo dizia que era gostoso. Me interessei, porque, tirando a Reis Magos, só tinha a Faster de pizzaria no Centro de Natal. Hoje, só tem o Brasas. Mas, o fato que chamou atenção não foi esse: Eles tocavam Metal! Para quem não sabe, eu sou uma garota que escuta heavy metal, começou com amigos meus do rock mostrando um Iron Maiden ali, o Black Sabbath dali e do nada já estava sabendo as músicas, usar olho preto e comprar roupas maneiras. Embora, eu coloque música pop na minha playlist, ainda balanço uma cabecinha.

Entrar e ouvir os guturais naquele dia foi abrir o horizonte e resgatar a Larinha Adolescente. Há seis anos, os metaleiros estavam dispostos a andar na Rua Princesa Isabel no escuro para escutar heavy metal e eram poucos espaços da cidade são destinados para o público.  E, a coincidência, era que fazia 1 ano do estabelecimento, no qual não existe mais há algum tempo.

Na época, o meu “motorista e segurança” era meu ex-namorado que sofreu em minhas mãos, uma vez que ele odiava heavy metal e preferia uma noite mais tranquila, com jogatinas. Mas, no final, a reportagem saiu e por muito tempo foi uma das mais lidas do site.

A primeira vista foi fácil de encontrar, porque na calçada só tinha cabeludo, roupa preta, coturno e cerveja. Eles estavam tranquilos, felizes e chacoalhando a cabeça ao som de uma banda recifense de metal extremo que estava saindo da Faster Pizza. Aqui estão algumas fotos que tirei daquela época.

Público do Faster Pizza

faster pizza (18)

 

faster pizza (9)

faster pizza (13)

faster pizza (14)

A pizza vegetariana!

E a pizza?

A estrutura da casa, que lembra de muitas casas de avós, não tinha muitas reformas, porém a organização a conseguiu deixar bem underground com os grafites e um quadro negro gigante para anotar os pensamentos dos clientes. Se o espaço fosse maior, dava para colocar uma mesa de sinuca bacana. É o único restaurante que funcionava naquele horário no meio da parte residencial da Rua Princesa Isabel.

As pizzas são baratas e tem todos os tipos de sabores. A minha custou, em média, 25 reais.  O que foi massa foi o show. 

Não podemos terminar o texto falando de como era o show. A apresentação da banda acontecia no fundo da casa, um espaço minúsculo e escuro, mas que dava para fazer uma boa roda de polga, todos disputando para ver e ouvir a banda. A galera estava até animada, balançando muito a cabeça e tinha vários curiosos assim como eu, que estava fotografando todos os detalhes da pizzaria mais underground da cidade.

Era uma banda saindo e outra chegando com os seus materiais, tudo isso feito em uma questão de minutos. Alguns chegavam até guardar o material em um quarto que fica perto do balcão. E é isso a descrição da pizzaria Faster, a mais underground da cidade. Alguém tem saudades? Eles tentaram colocar uma unidade em uma praia no veraneio, mas não obteve sucesso.

Para ler o relato da minha visita é só clicar aqui.

nordestinos com aparelhos móveis

Nordestinos com aparelhos móveis: houve aumento de 3%

A cada ano o Comitê de Gestor de Internet, o CGI, faz uma entrevista em todos os estados com o objetivo de saber o crescimento da internet no Brasil desde 1995. Com o advento das novas tecnologias de comunicação, mostra que cada vez mais a internet está na casa dos brasileiros, principalmente no Nordeste.  O último relatório do comitê, por exemplo, constatou que 22,3 milhões dos domicílios do Nordeste possuem algum dos aparelhos móveis.

Dentro desta categoria engloba equipamentos como Notebook, celulares e tablets, no qual 98% dos entrevistados já afirmaram ter pelo menos um celular na sua residência.

Ao todo, o Nordeste tem mais de 18,5 milhões de domicílios. Ou seja, tem mais aparelhos móveis do que casa.

 

O documento teve a publicação em 2020 e analisou os dados de 2019. Como resultado, mostra que houve um acréscimo de 3% do uso de dispositivos móveis, em comparação ao anterior, 2018. Já o número de computadores, por sua vez, é de 5.561.177, sendo 1.899.845 são os computadores de mesa.

Já o número de computadores é de 5.561.177, sendo 1.899.845 são os computadores de mesa.

A desigualdade ainda é forte nas casas do Nordeste

Apesar do crescimento, ainda há muitas casas que não apresentam nem internet e muito menos algum objeto para que possa adquirir, uma vez que muitas atividades de estudo e trabalho precisam deste aparato tecnológico. 

São 12.062.001 de casas apenas com internet. Ou seja, 35% das casas nordestinas ainda não tem um computador para acessar.

Entretanto, 6.864.208 tem eventualmente apenas internet e nenhum dispositivo para acessá-la. Sem contar que 6.067.003 casas não haver nenhum dos dois.

Além disso, 3.413.998 das casas com internet funcionam apenas com chip de celular, no qual a maioria tem, portanto, a renda mensal de 1 salário mínimo R$ 1100.  

0 K
casas com mais dois tablets
0 K
Número legal
0 M
Número legal

Medidas que utilizaram para acabar com a desigualdade social e adquirir os dispositivos móveis

Devido à falta de inclusão digital e problemas com a internet, muitos estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebem um auxílio de inclusão digital. O objetivo, portanto, é disponibilizar algo que o aluno não possa perder o EAD, uma vez que a instituição fechou por conta da pandemia do novo coronavírus. 

Concedido em parcelas bimestrais ou até que os beneficiários do edital recebam os chips do Projeto Alunos Conectados do Ministério da Educação, no qual todo recurso vem através do Programa de Assistente Estudantil. O valor de inclusão digital é apenas 150 reais.

Ou seja, o aluno coloca 150 reais de crédito no chip de seu celular ou tablet para que possa ter internet. 

Mas, quem não tem algum equipamento?

Para quem não tem algum aparelho há, no entanto, o Auxílio Instrumenta. A sua finalidade é contribuir para pagar as aulas remotas. Além disso, não são todos que podem entrar, visto que precisa ter o cadastro único da UFRN para o atendimento de assistência estudantil no valor de R$ 1200.

Todas as exigências estão dentro de um edital, disponível na internet ou no Diário Oficial da União

Além disso, tem que comprar o produto e enviar o cupom fiscal para reitoria no intervalo de 90 dias após o resultado final.