Prefeitura de Natal usa Dragon Ball Z ao anunciar novidade na vacinação

Após uma longa espera, a turma dos anos 90 finalmente receberam a sua primeira dose da COVID-19 em seu braço, inclusive eu mesma. No entanto, a boa notícia é que as pessoas de 27 e 26 anos, respectivamente, vão tomar a sua injeção. Entretanto, a Prefeitura do Natal resolveu anunciar de forma diferente a vacinação.

Eles publicaram um vídeo em suas redes sociais ao relembrar elementos que os novos vacinados presenciaram na infância. Mais precisamente, os desenhos animados. A mensagem consiste, no entanto, a seguir: “Se você assistiu esses desenhos (mostrava as animações), você vai ser vacinado”.

Os desenhos vistos no vídeo são “Fantástico Mundo de Bob”, “Digimon”, “Pateta”, “Ursinhos Carinhosos” e entre outros.

Para a cereja do bolo ficar completa, eles colocaram como trilha sonora a abertura do anime Dragon Ball Z, que era sucesso na infância dos jovens de 27 anos ou mais.

Tinha que ser Dragon Ball Z, afinal temos o Goku natalense.

Como resultado, estou cantando a música do anime, que começa com estes seguintes versos:

Posso pressentir o perigo e o caos
E ninguém agora vai me amedrontar
Com a minha mente, vou a mil lugares
E a imaginação me dá forças pra voar

Quer ver como ficou o vídeo? Dê o play, portanto, a seguir.

 

 

Confira os últimos posts, que falamos do RN além da vacinação 

Club Carlos Gomes

O que foi o Club Carlos Gomes em Natal

Não. Não estou falando do teatro Carlos Gomes, hoje Teatro Alberto Maranhão (TAM), na Ribeira. Existia um clube na capital potiguar chamado de Club Carlos Gomes, no qual os jovens adultos iriam para uma casa alugada no bairro de Cidade Alta para se divertir.

O Club Carlos Gomes respondia aos apelos de uma sociedade que ansiava por um lugar em que pudesse haver reuniões sociais e bailes dançantes.

No ano de 1893, o Carlos Gomes agitava a vida natalense promovendo um salão que continha bilhar, sala de palestras, uma banda de música e uma sala de espera destinada às famílias da capital potiguar. Marcando o que estaria por vir no século XX. Posteriormente, o clube teve que mudar a sua sede para a Avenida Rio Branco, uma das principais ruas da cidade.

Neste período, eles abrigavam festas para várias associações da cidade como o Natal-Club. Mas, após briga entre membros o local foi fechado.

Mudança para Natal-Club

Foi nesse período que se chamara de Natal-Club, na avenida Rio Branco. Em meio aos festejos elaborados pelo clube, a instituição propunha uma “Hora literária”, ou seja, o momento em que as festas no clube dedicavam um instante à literatura local.

Mulher não podia participar

O momento literário era promovido pelos sócios do clube a fim de proporcionar, aos participantes, um momento de leitura, declamações de poemas e apreciações das produções literárias com a presença de alguns dos escritores do RN.

O clube que só aceitava homens como seus sócios. O Natal-Club era uma associação fechada a um número específico de sócios. Ou seja, tinha que conhecer alguém para entrar. Aqueles grupinhos fechados que nunca mudaram o comportamento social da cidade.

Só mudou com a entrada de Palmyra Wanderley

Somente 11 anos depois da fundação, já no século XX, que aceitaram a presença de mulheres, conforme publicaram no jornal “A República”, no qual divulgou um evento com a presença das escritoras Palmyra Wanderley e sua prima Carolina.

Mas, tudo isso só aconteceu porque o tio de Palmyra, Ezequiel Wanderley, e o noivo dela serem membros do clube.