Infográfico explicando os ataques em Natal

Leia também:

Nesta semana, uma torre foi instalada na Penitenciária Estadual de Parnamirim, município localizado na Grande Natal com a intenção de bloquear os sinais de telefone celular. Revoltados, alguns presos, dentro da cadeia, ordenaram diversos ataques, como incêndio aos ônibus. Entretanto, alguns boatos espalhados via Whatsapp e Facebook causaram pânico e tumulto na capital nos últimos dois dias. Então, o Brechando teve a ideia de montar um infográfico para explicar o que está acontecendo de verdade em Natal e no interior do Rio Grande do Norte a partir de seis informações.  Confira o infográfico a seguir:

natalviolencia (8)

Um burburinho de festa: Saiba mais sobre Burburinho Festival de Arte

A palavra “Burburinho” significa:

burburinho
substantivo masculino
  1. 1.
    ruído indistinto e prolongado de muitas pessoas falando ao mesmo tempo; bulício, murmurinho.
    “o b. numa assembleia”
  2. 2.
    murmulho produzido pela água que corre, pelo ramalhar das árvores etc.
  3. 3.
    movimentação intensa; tumulto, conturbação.

Um festival que acontecerá em janeiro promete que  uma movimentação intensa na capital potiguar, justamente no período em que muitas pessoas se mudam para as casas de praia do litoral.  O Burburinho Festival de Artes será um evento que unirá a música, o teatro, a dança, literatura, cinema e as intervenções socioculturais em atividades formativas, espetáculos, mostras e debates.

Será o primeiro festival de artes integradas a ser realizado no estado do Rio Grande do Norte, onde diversas linguagens artísticas dialogam e proporcionam cinco dias de programação gratuita para toda a população e turistas.

2 3

O Festival acontecerá de forma descentralizada em cinco polos, que são esses: Cidade da Criança (Tirol), Bosque das Mangueiras (Lagoa Nova), Céu Zona Norte, Praça Ecológica de Ponta Negra e Praia dos Artistas.

A cada dia o festival ocupará um desses locais levando todas as ações para o espaço que será estruturado para receber a programação e o público. Confira aqui a programação do festival:

1

É um movimento que procura valorizar o artista potiguar estimulando a produção autoral, contribuir para o desenvolvimento do turismo cultural na cidade e impulsionar a geração de atividades remuneradas no segmento da cultura e áreas correlatas movimentando a economia criativa.

Tendo como referência grandes festivais de artes que acontecem ao redor do mundo, o Burburinho atuará promovendo campanhas que interagem de forma geral com todo conteúdo do evento, entre elas:

  1. Vivência Formativa: onde estudantes e iniciantes na área da produção cultural e comunicação poderão atuar como estagiários na execução do evento;
  2. Compartilhando Saberes: onde são reunidas as atividades de circulação de conhecimentos, oficinas e debates, a serem realizados em ONGs e escolas previamente selecionadas através de convite, tendo como prioridade para as localizadas em regiões de vulnerabilidade social na cidade do Natal;
  3. Campanha #Partiu Burburinho: onde um ônibus do festival irá passar por pontos definidos previamente pegando grupos de pessoas que desejarem ir a programação do festival;

Para fazer com que o movimento vire algo real, a organização está criando uma campanha no site de financiamento coletivo, Catarse, para conseguir arrecadar R$ 30 mil. Até o momento, eles conseguiram apenas 830 reais.  Além disso, quem ajuda ganhará algumas recompensas, como ônibus para ir ao festival, ecobag e dentre outros kits.

Com esse dinheiro arrecadado, 25% vai para pré-produção, 13% para o site Catarse, 12% para as recompensas e o restante para a produção.

Para ajudar a trupe, acesse este site.

Sabia que a Coca-Cola chegou em Natal primeiro?

Foto: Viver Natal

Coca-Cola é um refrigerante carbonado vendido em lojas, restaurantes, mercados e máquinas de venda automática em todo o mundo. Sabia que a sede da empresa é em Atlanta, no estado da Georgia, nos Estados Unidos? Como chegou ao Brasil? Sabia que Natal foi a primeira cidade a conhecer o refrigerante mais popular que o planeta Terra já teve? Não? Nós contaremos a história de amor entre Natal e a Coca. Quem gosta de tomá-la em frente a praia bem gelada?

Tudo começou no século XVIII, quando John Pemberton, após a Guerra Civil Americana, estava querendo alguém que comprasse suas ideias e medicamentos. Por não ter nenhuma habilidade em vendas, ele procurou o contador Frank Robinson, que acabara tornando-se sócio.

Em 1884, a dupla lançou a “Pemberton’s French Wine Coca”, anunciada como uma bebida intelectual, vigorante do cérebro e tônica para os nervos, feita a partir de uma mistura de folhas de coca, grãos de noz-de-cola e álcool.

No dia 8 de maio de 1886 era vendida a primeira bebida conhecida atualmente como Coca-Cola, nome posteriormente dado por Frank Robinson, que utilizou a sua própria caligrafia para fazer o logotipo. No dia 29 de maio daquele mesmo ano saiu o primeiro anúncio da Coca-Cola.

Devido aos problemas de saúde e financeiros, Pemberton foi obrigado a vender a fórmula. Ainda em 1886, Frank Robinson procura pelo empresário e farmacêutico Asa Griggs Candler que acaba comprando a fórmula. Uma das formas encontradas dos dois de propagar o produto foi contratar pessoas para distribuir cupons que davam o endereço e um brinde, experimentar de graça a Coca-Cola, fazendo com que os estabelecimentos fossem procurados. Foi assim que surgiu o crescimento do produto.

Quando o país norte-americano entrou na Segunda Guerra Mundial, a Coca-Cola desenvolveu “fábricas móveis” para as frentes de batalha junto com técnicos da empresa, que garantiam a produção e a distribuição da bebida para os soldados, fato este aprovado pelo então general Dwight D. Eisenhower das Forças Armadas dos Estados Unidos.

Apesar dos custos de produção na frente de batalha serem elevados, a companhia decidiu arcar com os mesmos, numa tática de marketing, vendendo o refrigerante pelo mesmo preço praticado nos Estados Unidos. Durante o período de guerra, 64 instalações de engarrafamento foram criadas para abastecer as tropas que estavam fora dos Estados Unidos.

Este fato ajudou a abrir caminho para a internacionalização da Coca-Cola, que, durante e após a guerra acabou sendo licenciada nos diversos países em que acompanhou o exército americano, incluindo o Brasil. Aí que Natal entra na história.

Em 1941, os americanos instalaram sua base militar em Natal, devido à sua localização ser perto da Europa. O governo brasileiro autorizou secretamente os norte-americanos a utilizarem bases aéreas e navais situadas no país, para garantir a defesa do continente americano.

No dia 26 de julho foi publicado no Diário Oficial da União o Decreto Lei número 3.462, de 25 de julho de 1941, uma das primeiras medidas que autorizava a empresa “Panair do Brasil”, a construir, melhorar e aparelhar os aeroportos do nordeste brasileiro. Desta forma, aviões militares americanos passaram a chegar ao Brasil com maior frequência, reforçando as bases estratégicas estabelecidas no país.

Criado para proteger o continente americano das investidas do Eixo — composto por Alemanha, Itália e Japão –, o Parnamirim Field era, na década de 1940, a maior base aérea estadunidense em território estrangeiro. Ao fim da guerra, o fato rendeu à capital potiguar o apelido de “Trampolim da Vitória”.

Cerca de 55 mil pessoas habitavam o município, que era tranquilo e pacato antes do conflito armado internacional. Natal, naquele período, teve um aumento populacional de 10 mil pessoas.

Foi assim que os natalenses começaram a experimentar o produto. Na época, a política adotada pela empresa em relação á Segunda Guerra Mundial era o de apoiar seus combatentes, oferecendo seus produtos onde quer que estejam, sendo comercializada, a um preço simbólico de cinco centavos (15 centavos nos dias de hoje) de dólar o copo.

Tendo em vista a sua associação com os produtos americanos, o refrigerante acabou exercendo o papel de um símbolo patriótico. A popularidade da bebida aumentou bastante no pós-guerra, quando os soldados voltaram fazendo propaganda do refrigerante.

A presença de soldados dos Estados Unidos praticamente iniciou a vida noturna na cidade. Várias casas foram inauguradas para abrigar bailes e festas que agitavam a região. O consumo de álcool, cigarro e prostituição aumentaram exponencialmente. Várias mulheres potiguares ficaram grávidas de combatentes americanos, iniciando uma série de novas famílias.

Em 1942, a primeira fábrica foi instalada no Rio de Janeiro, em São Cristóvão. Um ano depois abre em São Paulo a primeira filial e em 1945 a segunda fábrica carioca é inaugurada. No final da década de 1960, a The Coca-Cola Company contava com mais de 20 fábricas engarrafadoras autorizadas e franqueadas. Nos anos 80 são 36 franqueadas e em 1990, a fábrica Recofarma começa a produzir o concentrado para fazer a bebida.

Natal será palco de evento destinado à arte urbana

Foto acima: Arthur Gori

A Pinacoteca do Estado, no bairro de Cidade Alta, em agosto, será um dos palcos de mais uma edição do INarteurbana. Além disso, o projeto fará algumas atividades na comunidade do Passo da Pátria, localizada às margens do rio Potengi.

O objetivo principal do projeto, criado em 2015, é desenvolver um diálogo entre a arte urbana, população e a cidade. As atividades acontecerão em Natal, Créteil (comuna localizada na França) e Areia Branca.

O Inarte quer mostrar que a arte urbana é uma expressão popular. Dentre as atividades promovidas estão a exposição, batalha de graffiti, oficina, mostra de filmes, criação e construção de espaços de convívio para as crianças e suas famílias e ações artísticas com artistas locais, nacionais e da gringa.

Com uma visão mais abrangente do que pode nos proporcionar a multiplicidade das práticas de arte urbana e com maior interesse no investimento do espaço público, as ações do INarteurbana permitirão falar de pluralidade, fronteiras, trocas, partilha, internacionalização, emponderamento social, etc.

INarteHugh
Exposição que aconteceu pela primeira vez em 2015 (Foto: Arthur Gori)

Uma das primeiras atividades será a exposição na Pinacoteca do Estado, que já aconteceu no passado, fazendo com que o palácio se tornasse o primeiro prédio histórico do Rio Grande do Norte que recebeu a arte do graffiti, no qual acontecerá entre 25 de agosto ao 30 de setembro.

A equipe INarteurbana em colaboração com Miguel Carcará, Jean Sartief e Ricardo Nelson, selecionaram Darlon, FB, Felix, Hugh, Patavina, PazCiência, Pedro Ninja, SubTu, Toliga e Vitor Zanini para participar dessa exposição ao lado de seis artistas convidados : Arbus, Pok, Mademoiselle Maurice (FR), Bruno Otávio, Vidal e Marcelo Borges.

Durante três dias (25, 26 e 27 de agosto) a Pinacoteca Potiguar vai acolher batalhas e feira de graffiti, shows de rap e hip-hop, performances e dança de rua.

Mademoiselle Maurice faz diversos trabalhos utilizando reciclagem
Mademoiselle Maurice faz diversos trabalhos utilizando reciclagem

Além disso, o Passo da Pátria será terreno de oficinas, encontros sobre reciclagem e (re)apropriação do espaço público e intervenções artísticas, a artista francesa Mademoiselle Maurice construirá uma escultura participativa com material de recuperação.

Acontecerão diversas oficinas no Passo da Pátria (Foto: INarteurbana)
Acontecerão diversas oficinas no Passo da Pátria (Foto: INarteurbana)

Confira a programação completa a seguir:

Pinacoteca Potiguar
25, 26 e 27/08 > Batalha de graffiti com 8 artistas.
25/08 > As Cabocla’s (Show)
Saliva (Performance poética)
Esquadrão RN (Dança de rua)
26/08 > Alquimia
Esquadrão RN (Dança de rua)
27/08 > Carcará na Viagem
Esquadrão RN (Dança de rua)

Passo da Patria
25/08 > Encontro sobre reciclagem com a artista Mademoiselle Maurice
29/08 > Encontro sobre (re)apropriação do espaço publico com Claudia Gazola e convidados
29 ao 31/08 > Oficina de Origame com Max Pereira e Mademoiselle Maurice
31/08 a 01/09 > Oficina de pintura com spray com Marcelo Borges
15, 16 e 17/09 > Oficina de iniciação de graffiti com Bones

Aliança Francesa
15/09 > Debate sobre o desenvolvimento da arte urbana no RN

Inarte Filmes

Também haverá o Inarte Filmes, que difundirá, gratuitamente, vídeos de arte urbana para todas as regiões do país. A intenção é estimular debates, revelar talentos, despertar o interesse do público e propiciar o intercâmbio entre filmes de arte urbana, nacionais e internacionais. As exibições acontecerão em outubro e novembro na Aliança Francesa em Natal e todo o trabalho será curado a partir de uma convocatória.

Uma das grandes forças do INarte Filmes é propagar a produção e exibição de filmes que tenham a arte urbana como protagonista ou fio condutor.

Neste ano foram abertas as inscrições para curtas, médias e longa-metragens em qualquer técnica : podem participar obras de ficção, animação, documentário, experimental ou video-arte que tratem de exposição, pessoa, muro, graffiti, historia, instalação, pixação, intervenção ou qualquer assunto relacionado à arte urbana.

Serão aceitos filmes de todo o país e do exterior. As inscrições estão abertas até o dia 20 de agosto a partir de um formulário online disponível no bit.ly/inartefilmes.