Fui ao Lulapalooza: Lula veio à Natal-RN

“E o Lula em Natal-RN, hein?”

“Ei, você vai para o Lula na Arena das Dunas?”

“Tu vai para Lula?”

Essa era a frase que mais escutava dos meus amigos de esquerda para me chamar e brechar a vinda de Lula para a capital do Rio Grande do Norte, onde milhares de pessoas poderiam passar a quinta em Pipa, mas resolveram saber o que o pré-candidato a presidente queria dizer. Mesmo que não tem filiação ao PT foi para saber como seria o xafurdo. Sei que dias antes as pessoas já estavam loucas para comprar camisetas vermelhas, usar aquela toalhinha com o rosto do Lula ou qualquer objeto que se associasse à ele. As pessoas realmente queriam saber o que ele queria dizer ou convencer as pessoas o porquê de votarem nele para seu terceiro mandato.

Fotos: Lara Paiva

Detalhe que ele e Jair Bolsonaro, o atual presidente, são os favoritos e ambos resolveram visitar Natal para garantir os votos. Bolsonaro sabe que Lula é uma figura forte na região nordestina, principalmente pelo fato de que nos anos de 2003-2011, o Luís Inácio Lula da Silva realizou várias melhorias na região, além de expandir o ensino universitário para as cidades mais interioranas, evitando o êxodo rural. 

Sem contar que o Jair sabe que não será fácil garantir uma releição, quando mais de 1 milhão de pessoas morreram com Covid, estudantes das universidades federais indignados com o sucateamento, programas de economia liberal fracassados e inflação atingindo o bolso dos brasileiros.

E as pessoas foram à Arena das Dunas, entupida de gente, para ver não só Lula, mas todo um grupo de políticos que estiveram no palco para falar.

Quem foi

Outros membros do partido compareceram, como a presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, os ex-ministros Gilberto Carvalho e Aloizio Mercadante, o pré-candidato a vice-presidente da República Geraldo Alckmin (PSB) acompanham a comitiva de Lula no Rio Grande do Norte.

Também participam do ato, além da governadora Fátima Bezerra, que vai se candidatar a releição. A equipe compõem a aliança “Vamos Juntos pelo Brasil”, movimentos sociais e sociedade civil, além de ter o objetivo de acabar com o discurso de políticos fascistas.

Clima de Lolapalooza com o Lula em Natal-RN

E não é com deboche que falo isso, as pessoas que vieram ao evento estavam prontas para ir ao festival de música. Ao invés de artistas, as pessoas estavam querendo ouvir o que Lula queria dizer para melhorar o Nordeste e as situações que atingem todos os estados brasileiros, como a fome e a falta de emprego para as pessoas recém-formadas.

Muitos pegaram a sua melhor roupa e melhor maquiagem para ficar uma tarde na Arena das Dunas em nome de um propósito. Sabe aquele meme do “O Voto é Secreto” e no final utilizar alguma imagem ou filtro que represente o seu voto? As pessoas estavam deste jeito, sendo que fora do Instagram e Twitter.

A cada minuto as pessoas gritavam: “Olê, olê, olá! Lula! Lula!” ou mandavam o atual presidente para aquele canto, repetindo os mesmos feitos nos últimos festivais de música locais e nacionais. 

O que Lula falou 

O relógio batia 7 da noite enquanto anunciavam: “Com vocês, Luis Inácio Lula da Silva”. A galera ficou polvorosa com esse anúncio, após duas horas esperando a vinda do homem enquanto cantarolavam os jingles famosos.

O Lula agradeceu a presença das pessoas que foram ao feriado no evento e fez duras críticas ao atual presidente da República, Jair Bolsonaro, e o acusou de utilizar obras que eram do PT como se fosse dele.

“Ele viaja ao Nordeste dizendo que trouxe as águas do Rio São Francisco, divulga na TV pública. Entretanto, ele esqueceu de mencionar os 80% das obras foram feitas na gestão do PT”, disse o presidente sob aplausos.

Além disso, criou a medida de criar um teto ao ICMS. “O erro do governo foi usar a canetada para comprar petróleo em dólar ao invés de real e entregar os nossos recursos aos estrangeiros e não ao povo”.

Ainda mais mencionou sob a fome e a volta dos brasileiros a entrar nesta estatística, garantindo que quer evitar que pessoas façam o Êxodo rural para que tenha melhores condições. “Tive que ir para São Paulo por conta das melhores oportunidades e não ter mais fome. Não quero que o Brasil tenha o mesmo destino”, disse.

O discurso durou cerca de 1 hora e saiu do palco rapidamente, cumprimentou fãs e foi ao Aeroporto de São Gonçalo do Amarante.

Como tava a galera ao ver Lula

As pessoas não paravam de usar “L” com os dedos para apoiar, cantavam o jingle e alguns até se emocionavam, principalmente com o discurso de que as coisas iriam melhorar após a vitória do pré-candidato.

Muitos estavam com as toalhinhas do Lula como uma capa, como se fosse um super-herói. Além disso, muitos utilizaram a toalhinha para criar bandeiras e outros vestiam de vermelho, representando as cores do PT ou uma camiseta referenciando Lula e algum cantor que tenha simpatia com o partido. 

E esta foi aventura de brechar a vinda do Lula em Natal, compartilhe este texto para mais pessoas. 

Claro que tiramos fotos de Lula em Natal-RN

Confira as fotos do evento no álbum que montamos. Clique, portanto, para ampliar. 

Casamento gay é uma forma de resistir contra homofobia

Lembram do Márcio e Sidi que falamos no Dia dos Namorados de 2017? Eles se casaram em janeiro! O Brechando adora saber como estão os entrevistados e vamos contar a história deste casório, que ao invés deles quererem um super faqueiro, eles optaram em fazer um casamento solidário. Tudo começou quando eles completaram quatro anos de namoro, mas o enlace planejado com tudo que tinha direito foi adiado quando os dois temeram pela perda de direitos aos LGBTs com a posse de Jair Bolsonaro na Presidência da República.

“A ideia de casar surgiu há três anos, quando completamos quatro anos de namoro e liguei para meus pais dizendo que queria ficar muito com o Márcio para sempre, pedindo, assim, a benção deles para casar. Eles prontamente responderam: ‘Se Márcio aceitar, era para dizer que parabenizava a escolha e torcia para nossa felicidade’. Nesse período, a gente sempre sonhou ter um casamento, com planejamento. O nosso real casamento aconteceu com a entrada do Bolsonaro no poder e as constantes ameaças de perda direito à comunidade de LGBT, principalmente pela forte influência da comunidade evangélica. Márcio pediu o casamento enquanto lavara a louça. Por sinal, era aniversário do meu pai e prontamente apoiou essa ideia, principalmente para proteger os nossos direitos”, disse Sidi Schneider.

A cerimônia civil foi através de um matrimônio coletivo, mas a festa rolou em um bar no bairro de Ponta Negra, com todos os amigos presentes.

Mas, por que o casamento do mesmo sexo ainda é uma afronta? Sidi prontamente responde: “O casamento gay é o combate de toda a moral que é propagada naqueles comerciais de televisão. Não existe isso, tem famílias que mães solteiras são chefes de família, netos criados pelos avós…Mas, o gay casando é uma quebra de estereótipo, visto que muita gente nos denominam de promíscuos, a gente está mostrando o outro lado da sociedade”.

Eles se conheceram na Rua do Salsa em Ponta Negra, foi amor à primeira vista, rapidamente engatou para o romance e começaram a se ver todos os dias e depois, veio o namoro à distância para finalmente morar junto e viver como grandes companheiros, amigos e eternos amantes.  Agora, casados oficialmente no papel desde o final de janeiro e com uma boa ação por trás.  A ideia era chamar poucos amigos, visto que ambos estavam passando por problemas financeiros, porém todos os amigos se uniram para lutar que o casal não perdesse seus direitos.

“Quando surgiu uma rede de apoio de amigos que estavam fornecendo o local da festa, cabelo e dentre outras coisas vimos que também precisamos retribuir essa boa ação, porque acreditamos no amor ao próximo. Não adianta pela diversidade do amor, se não olhar o próximo. Escolhemos o Instituto Amar, que ajuda 130 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, não recebe alguma ajuda do Governo do Estado, no qual ficaram três meses fechados no ano passado por não receber comida”, contou o Sidi.

E os convidados? “Eles toparam na hora, não só os convidados, mas também amigos de outros estados e amigos deles pedindo ajuda para saber como faz para ajudar, pois postei em todas as minhas redes sociais. Um casal de lésbicas de Santa Catarina chegou na minha conta do Facebook mandando mensagem parabenizando pela atividade, dizendo que fez mesma a ação. Fiquei muito feliz. Muita gente topou essa ideia, gente que a gente conhecia e não conhecia, mandando energia boa. Foram quase 300 kgs de alimento, houve muita doação de material escolar e material de limpeza que deve durar por algum tempo.”.

As doações foram entregues nesta semana e o casal aproveitou para conhecer o espaço. “Nesta quarta-feira (13) as ações foram entregues em Pium, o espaço é lindíssimo e ótimo para as crianças brincar, um lugar bastante receptivo, mas a gente já está querendo voltar para fazer trabalho voluntário e ajudar mais. Penso fazer alguma coisa voltada na escolaridade”, contou.

E, agora, como está a vida de casado? “O casamento é mágico, embora que estamos juntos há setes anos, o fato de chegar e dizer que ele é meu marido é uma sensação fantástica. Além de estar com Márcio, eu estou defendendo que estou com uma pessoa e existo enquanto casal. Uma prova de resistir”, finalizou.

Confira as fotos do casório a seguir:

[Brechando Vlog 6]: Eletrochoque de volta? Mudanças na psiquiatria do Governo Federal

Você já assistiu filmes sobre hospícios ? Com torturas aos pacientes? Muitos estão alertas com algumas mudanças feitas pelo Governo Federal. Recentemente o Ministério da Saúde publicou mudanças na área de psiquiatria, como a compra de aparelhos de eletroconvulsoterapia (os eletrochoques) para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com 32 páginas, o texto sobre as mudanças na Política de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da pasta tira ainda o protagonismo da redução de danos, adotada há pelo menos 30 anos no país. A estratégia prevê o cuidado geral do dependente químico e tem como principal objetivo a melhora de seu estado, além de criticar a legalização das drogas.

No sexto episódio do Brechando Vlog mostramos os perigos de tratar todas as doenças mentais em um mesmo patamar e as contradições de liberar o eletrochoque para tratar viciados em substâncias ilícitas, além de mostrar as contradições do Governo Federal de propor essas mudanças.

Alguém rasgou um livro na biblioteca e colocou Bolsonaro 2018

Um estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) rasgou um livro sobre desarmamento dentro da Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM) e rasurou a folha de rosto, além de ter escrito a mensagem “Bolsonaro 2018”, uma clara referência que apoia o deputado federal Jair Bolsonaro para ser presidente.

O caso está viralizando nas redes sociais e o acontecimento foi confirmado pelo Saiba Mais. Além disso, ele escreveu uma mensagem chamada “Morte aos Comunistas”.  O título da obra rasgada é “Desarmamento: evidências científicas”, de Marcos Rolim (2005), com várias páginas rasgadas e riscadas.

O deputado defende valores cristãos, privatizações, defendeu o impeachment de Dilma Rousseff, o fim do comunismo no Brasil e faz dura críticas às minorias. Recentemente, ele chegou em Natal e foi recebido no aeroporto nesta seguinte forma:

O livro rasgado foi divulgado por uma bibliotecária que fica dentro do campus central da UFRN em Natal, no qual postou na internet e a imagem que está acima do título desta matéria citada.

Apesar da Guerra Fria está perto de completar 30 anos, a União Soviética foi extinta (hoje a Rússia), a Alemanha foi dividida e os militares deixaram alguns países da América Latina quieto. Porém, os brasileiros ainda acredita que estamos no século XX. Quem estudou em qualquer universidade federal no país sabe que existe dois grandes grupos: esquerda e direita.

A esquerda é composta por aquela galera que acredita no socialistas, anarquistas, comunistas e dentre outros. Já a direita é feita por conservadores, neoliberais e dentre outros fãs do capitalismo. Apesar de alguns falarem que são neutros, se estuda numa universidade federal não existe gente em cima do muro, o ambiente é tão fortemente político, que as pessoas discutem isso direto.

Não é por menos, foi muitas vezes na instituição de ensino que saíram protestos e passeatas de suma importância, inclusive para o país. Olha que estou falando dos dois lados.

Porém, essa dualidade que sempre existiu está cada vez mais evidente, principalmente com o aumento do consumo nas redes sociais e das cicatrizes causadas para Eleição de 2014.

As disputas por ideologias está tão fora de controle e saiu da comunidade da UFRN, no qual é muito comum de ter brigas entre aqueles que apoiam a esquerda dentro da instituição de ensino e daqueles que são contra.