Resumo do último dia da Campus Party

A Campus Party Natal foi encerrada neste domingo (18). Diferente dos dois primeiros, o último dia foi marcado por palestras de pessoas da terrinha, que trabalham nas mais diferentes áreas. Uma das coisas diferentes foi uma palestra sobre a renda de bilros, tradição bastante comum no Rio Grande do Norte e principalmente na praia de Ponta Negra. O diferencial do bate-papo foi comentar sobre a adesão de novas tecnologias para manter este tipo de artesanato vivo e a sua relação com a linguagem de programação para computadores.

Também teve bastante palestra relacionada ao desenvolvimento de jogos, como o desenvolvimento da arte em pixel e o game feel, que é a sensação que o usuário recebe ao jogar um determinado tipo de game.

Na área de comunicação e marketing, houveram palestras para falar sobre a jornada do cliente, empreendedorismo para as mulheres, a fofoca na era digital e dentre os mais variados assuntos. Além disso, a festa foi encerrada com uma cerimônia mostrando os melhores momentos, vencedores do hackathon e compartilhando histórias dos mais diversos campuseiros que pisaram nestes três dias de evento.

Agora é arrumar a barraca e ir para casa carregando várias histórias para espalhar pelo resto do ano. Confira um pouco de que foi o terceiro e último dia de evento a seguir:

Conheçam o Boli, o seu robô amigo

Ele não tem um metro de altura, anda com a ajuda de um controle remoto, sempre está com uma cara sorridente o tempo todo e chama a atenção de todo mundo. Esse é o robô Boli, uma das sensações da segunda edição da Campus Party.  É um um robozinho feito de madeira e cortado em impressora a laser e tem uma agenda de artista, visto que andou por todos os lugares do evento e ainda participou de uma palestra.

O robô foi desenvolvido em 2017 em Recife (PE), a partir de uma parceria da Robo Livre com a  empresa Hactus Criative,  uma startup em criação de hardwares de baixo custo, troféus, réplicas personalizadas, entre outros. A Hactus é desenvolvida por Henri Coelho,  que hoje atua como gestor de implantação de projetos e desenvolvimento, parceria com grandes empresas com visão social ao desenvolvimento de jovens sem acesso à tecnologia.

“O projeto para chegar até aqui demorou um pouco, porém ele ainda não está pronto, precisamos desenvolver um pouco mais. A intenção é deixá-lo todo em acrílico, com luzes e mexendo todas as suas articulações”, disse Gustavo Wanderley, que atua como mecatrônico em nível técnico e de formação pela instituição SENAI Pernambuco. Atua na Robolivre como guru no desenvolvimento de hardwares. Além disso, o mesmo é sócio criador da Kronna Automação CNC na cidade de Recife, especializada em hardwares e máquinas CNC.

De acordo com Wanderley, a intenção é fazer com que o robô “consiga interagir com as pessoas”.  A ideia surgiu em transformar o mascote da Robo Livre em um robô de verdade, no qual a função inicial seria colocá-lo para andar, depois que veio as alterações para que ele seja do jeito que vimos no evento. “Hoje a estrutura de sua base é toda metálica, possui motores de vidro elétrico de carro, um receptor de um aeromodelo e a sua face é um tablet que foi programado para que simule um rosto feliz.”.

E, agora, quais são os próximos passos com o robô ? “Futuramente ele vai conversar com as pessoas, pegar objetos e será parecido com o Isaac, o primeiro robô do grupo César e participou de competições internacionais de robótica.”.

A Robo Livre foi criada em 2005, ajudando a desmistificar a ideia de que a tecnologia é algo inacessível e difícil de fazer. A empresa tem como missão mostrar que a robótica pode e deve ser desenvolvida por qualquer pessoa, independentemente de ter ou não formação na área. Para isso, a companhia atua em instituições a partir da implantação de laboratórios, formação de grupos de pesquisa em robótica e capacitação de profissionais.

Cinco coisas de nerdice que acontecem na Campus Party

A segunda edição natalense da Campus Party se encerra neste domingo (18) com as mais diferentes palestras voltdas para área de inovação, ciência e tecnologia. Porém, vamos falar de um assunto nada a ver sobre isso, falar de nerdice, termo para referenciar aquela atitude que só um nerd típico faz.  Sempre tem uma curiosidade sobre o evento, mesmo quem já participou de outras edições. O Brechando conta algumas curiosidades do evento , que são aquelas atitudes que são bem nerds, mas que são a cara do evento. Confira quais são a seguir:

1) Torre de copos de café e filas enormes para pegar o líquido precioso

Para quem não sabe, lá no evento é distribuído café gratuitamente. Os campuseiros fazem filas e filas para beber aquele café quentinho, que são distribuídos em copinhos. No entanto, ao invés de jogar na lixeira, os frequentadores resolvem montar pilhas com esses copos. Cada mesa tem sua pilha estilizada. Quanto mais diferente, mais chama atenção de quem passa. Uma nerdice bem comum mesmo, visto que a intenção é manter acordado para não perder um minuto sequer de usar a internet mais rápida que o normal.

2) ÔÔÔ

É o grito de guerra do evento. Geralmente, isso é uma forma de manter a galera acordada, principalmente durante a madrugada. Sempre é gritado quando alguém está distraído ou quer chamar alguma atenção. No ano passado contamos a história do ÔÔÔ.

3) Grupos de Whatsapp

Embora a Campus Party seja um evento para se interagir pessoalmente, o evento também se estende até nas redes sociais, como a criação de grupos no Whatsapp e Telegram para combinar de ir nas festas ou fazer uma social dentro do evento mesmo.

4) Aplicativo

A interação na Campus Party não é apenas com o colega de camping, mas também no aplicativo desenvolvido no evento, onde os campuseiros postam informações e tem toda a programação na agenda.

5) Vendas de artigos para nerd e figura da cultura pop

E aí? Vai rolar um botton?

Lá um espaço também para fazer compras, onde as pessoas vendem adesivos, camisetas da cultura pop, bottons e outros acessórios de seus grupos de trabalho, sites que participa ou também do próprio palestrante. O importante é o reconhecimento da marca e também de se identificar com aquele produto nerd.

Resumo do segundo dia da Campus Party

O segundo dia da Campus Party aconteceu neste sábado (17) e foi marcado por inúmeras atividades na palestra. A cada minuto, você poderia caminhar por vários cantos do Centro de Convenções que você viria gente discutindo dos mais diversos assuntos, desde o design de experiência de usuário (UX design) até a política de dados. Basta procurar aquele assunto que mais te interessa.

Atividades aconteceram desde as 10 horas da manhã e vão acontecendo até as 11 horas da noite. Mas, a madrugada promete aos campuseiros.

A palestra principal da noite é Juliana Vasconcellos, líder de parcerias da América Latina do Google, que explicou um pouco melhor o cenário e as tendências do mercado de dispositivos móveis e aplicativos, além de como ganhar dinheiro com o Google. A intenção é fazer com que os desenvolvedores tenham sucesso com a empresa.

Também foi marcada por um momento político, onde o presidente do Instituto da Campus Party, Francesco Farrugia, recebeu o título de cidadão natalense.

Confira as fotografias do segundo dia a seguir: