telefone

Tempo de leitura: 2 minutos

Hoje pedir um telefone fixo é um processo bastante fácil. No início da telefonia do Brasil, o Brasil criou a Telebrás, onde tinha várias unidades espalhadas no país. Uma delas é a Telern, responsável em compra, venda e manutenção de serviços de telefonia no Rio Grande do Norte. 

Antes da privatização, era necessário entrar em uma lista de espera de dois a cinco anos para adquirir uma linha, pagando antecipadamente quase mil e duzentos reais. Quem quisesse uma linha com instalação imediata precisava comprar de particulares, que chegavam a cobrar o preço de um automóvel por um telefone. Havia também o aluguel de linhas. Muitas localidades do Brasil não tinham nem previsão de obter o serviço.

Após o processo, houve investimentos da ordem de 100 bilhões de reais pelo setor privado, que modernizou e universalizou a posse de uma linha telefônica fixa ou celular. Porém, houve aumento significativo nas tarifas dos serviços de telefonia, que chegaram a ficar mais de cinco vezes mais caras, para pagar esse investimento, além de explodirem as reclamações de usuários em relação aos serviços prestados e aos sistemas de atendimento por telefone. 

Para saber como funciona este projeto, o Brechando vai explicar o passo a passo para que isso acontecesse. 

1) Comprar

Se quisesse um telefone, não era para comprar um aparelho e pronto. Para adquirir uma linha fixa, por exemplo, precisava se cadastrar para Telern. Era necessário também pagar uma taxa que, em boa parte do país, era superior a 1.100 reais. Mas, calma, você recebia o retorno, visto que a taxa era uma ação da Telern, tipo uma ação de renda variável da Bolsa de Valores. 

Você pode ler também:  10 cartões telefônicos bacanas dos tempos da Telern

Entretanto, essas ações para ter um bom retorno, precisava de pessoas investindo na Telern. 

2) Esperar ou apelar para o aluguel

Sim, você demorava bastante para conseguir a sua linha telefônica. De dois a três anos. A burocracia era gigante para que isto acontecesse. A demora na instalação movimentava um imenso mercado paralelo de venda e aluguel de linhas. Quem se dispusesse a pagar entre 1,5 mil reais e 3,2 mil poderia conseguir a linha mais rapidamente no mercado paralelo.

O aluguel era bastante comum por pequenas e médias empresas que tinham dificuldade em ter mais de uma linha. Ou como vovó dizia: “Se não tem tu, vai tu mesmo”. 

3) Preço

Sim, este valor mesmo que você leu no tópico, embora chegar a 4 mil reais, dependendo do estado. E a vinda do celular foi a mesma coisa? Conseguir uma linha móvel também não era tarefa das mais fáceis. Houve casos de clientes que esperaram mais de três anos para ter um celular, cuja habilitação podia chegar a 4 mil dólares. 

4) Quando sabia que consegui o telefone?

A operadora selecionada os ganhadores da linha por sorteio, no caso do RN era a Telern e assim a empresa instalava seu telefone, fornecia o seu número e agora ter cuidado para não exagerar nas ligações.

Sobre a Telern

A Telern era da Telebras, estatal brasileira, uma vez que surgiu no Governo Militar. Além disso, a sua finalidade era de centralizar as telecomunicações do país. Ou seja, cada estado tinha a sua própria empresa de telefonia. Fechou, todavia, em 1998, assim com as outras empresas telefônicas de outros estados com o intuito de privatizar as empresas de telefonia. Em seu lugar ficou, portanto, a Telemar, por conseguinte foi comprada pela Oi.


Post Anterior | Próximo post

Deixe uma resposta

Clique na imagem abaixo para comprar o nosso livro

Você ainda não leu a revista do Brechando? Clique no link a seguir e leia um conteúdo exclusivo.

Sobre a autora

Jornalista formada pela UFRN, criou o blog em 2015 e não esperava que fosse fazer altas brechadas sobre Natal-RN e outras cidades que visitou. Gosta de trabalhar com a internet, mídias sociais, fotografar e escrever. Clique aqui para saber mais sobre mim.

Desenho: @umsamurai

Brechando Vlog

Arquivos

Calendário

março 2021
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Categorias