Escute show de Deadly Fate de 28 anos atrás

O Deadly Fate é uma das bandas mais antigas de metal nas terras potiguares. Eles surgiram em agosto de 1989 sob o nome de “Lotus Negra”. O ponta pé inicial foi dado pelos dois guitarristas: Neto e Oruam. Logo vieram os demais membros da banda: Marcelo (Vocal), Lênio (Bateria e Vocal) e Júnior (Baixo). Todos com faixa etária de 17 a 22 anos.

No ano seguinte, entretanto, surgiu o Deadly Fate. Sua primeira formação com Oruam (voz e guitarra), Neto (voz e guitarra), Janilson (Baixo) e Ricardo (Bateria), com o intuito de realizar um sério trabalho em cima do Heavy Metal tradicional. Neste mesmo ano teve sua primeira participação em disco junto com outras três bandas Potiguares de Heavy Metal na coletânea Whiplash Attack Vol. 1, com o lançamento de duas músicas: “Beyond the Sea, Across the World” e “Black Helmet”.

Deadly Fate participou da coletânea do Whiplash

Hoje, a primeira (e única) coletânea da Whiplash, em 1990, é um clássico do metal natalense e brasileiro, uma vez que é o intitulam como o primeiro disco de Heavy Metal potiguar. A gente falou um pouco mais da banda na matéria especial sobre Whiplash, uma das vencedoras do prêmio Carlão de Souza da Lei Aldir Blanc.

O lado A do disco tem a banda Crosskill e Hammeron. Já o outro é pela banda Ausschwitz e Deadly Fate. Na época, eles eram os principais expoentes do metalzão. Sim, apesar do nome ser “Whiplash Attack Vol. 1”, esta foi a única coletânea do selo de Luziano, que cantou neste álbum com Hammeron.

Hoje é uma obra rara, até mesmo para colecionadores de LPs. O disco fez tanto sucesso, que os grupos fizeram turnê em outros estados do Nordeste. Além disso, chamou atenção dos principais jornais da cidade, como a Tribuna do Norte.

A banda volta a ativa em 1993 com outra formação com Oruam ainda na guitarra e no vocal, sendo que os novos integrantes eram Franklin Roosevelt no baixo (depois foi para banda “O Surto”), Eduardo Banana (Teclado) e Wilberto na beteria. No ano de 1994, todavia, eles lançaram sua primeira demo-tape intitulada “Outside of your World”. Além disso, há faixas a qual teve uma excelente repercussão em Zines, Rádios, e principalmente entre o público nacional e estrangeiro. Com essa formação, participam de outra coletânea, a “Brasil Alternativo 5”, com a música “Rich In Spirit”.

Show de 1994

Nesta mesma época, eles fizeram um show ao vivo no “Bar do Buraco”, que ficava em Ponta Negra e ainda mais era o point da galera alternativa dos anos 90. O show foi gravado e Franklin resolveu disponibilizar em seu canal no Youtube.

Para começar o primeiro fim de semana de 2022, dê o play, portanto, a seguir:

Roberta Sá

Roberta Sá e Orquestra Filarmônica no anfiteatro da UFRN

Daqui a uma semana, Natal estará recheada de atividades culturais, típico das festas de fim de ano. Terá Dosol na Casa da Ribeira. Tulipa Ruiz em Parnamirim, que fica em outra cidade, mas pertence a Grande Natal. E, recentemente, descobrimos que a cantora potiguar Roberta Sá estará novamente solos natalenses na quarta-feira (15), às 20 hortas, no anfiteatro da UFRN.

O show com a Filarmônica da UFRN tem como principal objetivo ser um tributo aos profissionais de saúde, além de ter como finalidade fornecer uma mensagem de esperança, paz e comunhão.

Evento com Roberta Sá tem como organização empresas de saúde

O evento é do Hospital do Coração e Humana Saúde, através do Programa Djalma Maranhão da Prefeitura do Natal, e conta com apoio cultural da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. O “Tributo aos profissionais de saúde”, nome do evento, é uma forma de agradecer aos heróis da vida real por todos os esforços durante a pandemia da Covid-19.

“Esse é o segundo fim de ano de uma pandemia terrível, que assola todo o mundo. Vivemos momentos de muita tensão e perdas, mas também de muita solidariedade. Não poderíamos fazer diferente. Essa é uma oportunidade de agradecer aos profissionais, que se entregaram de corpo e alma na luta contra o inimigo. O show é uma das maneiras que o Hospital do Coração e a Humana Saúde encontraram para homenagear os heróis da vida real. Além disso, é imprescindível também ressaltar o apoio da Prefeitura do Natal junto à realização desse evento que colabora com a cultura local”, enfatiza o diretor administrativo do Hospital do Coração, Nelson Solano em release enviado à imprensa.

Calma, apesar de ser um evento aos profissionais da saúde, toda a comunidade pode ir e, o mais importante, o show é gratuito e comprovando que já recebeu as duas doses.

Como faço para adquirir o ingresso para Roberta Sá e Filarmônica da UFRN?

O público terá oportunidade de prestigiar de perto e fazer parte dessa homenagem. A entrada é gratuita e os ingressos podem ser adquiridos através de cadastro pelo link https://eventos.lais.ufrn.br/e/tributosaude.

Só pode um por CPF e, no dia do concerto, o acesso se dará mediante apresentação do ingresso virtual e documento com foto. Para quem tomou a vacina no Rio Grande do Norte, após cadastro na plataforma de ingresso, o mesmo será encaminhado automaticamente para o e-mail. Já quem se vacinou em outros estados, a comprovação será feita no dia do evento, mediante apresentação de carteira de vacinação e documento de identificação.

Planet Hemp Natal

Primeiro show de Planet Hemp que aconteceu em Natal

O primeiro show do Planet Hemp em Natal aconteceu em 14 de janeiro de 1995. Além disso, a apresentação aconteceu no antigo Casarão, que ficara na Rua Chile, no bairro da Ribeira. Era a primeira apresentação do Hemp no Nordeste e contou com a abertura do grupo Brutal Brain. O que poderia ser uma mera curiosidade está em um dos capítulos da biografia da banda, que estava fazendo sucesso e polêmica com músicas a favor da legalização da maconha.

Logo na primeira sexta-feira do novo ano, o Planet Hemp começou os trabalhos no Garage, com Beach Lizards, Tornado, Funk Fuckers, Cabeça e Piu-Piu & Sua Banda. Ensaiaram ao vivo o set list e arrumaram as malas para a primeira turnê pelo Nordeste, organizada por Marcello Lobatto, que na época também era músico do grupo O Rappa. Na época, o cachê da banda era de 1500 reais, trezentos para cada um.

Eles começaram de Salvador, depois passaram por Aracajú, Recife, Fortaleza e, por fim, Natal.

“[Aconteceu] num domingo, com abertura do Brutal Brain. No voo de Fortaleza para lá, a mala do Kleber foi extraviada e ele ficou apenas com a cachaça Sapupara que levou a bordo. Bom, melhor do que nada! O show foi agendado para o Casarão da Ribeira. Apesar de ser um prédio histórico, o local estava caindo aos pedaços, com paredes esburacadas, banheiros fedidos e apenas dois ventiladores de teto. Para subir ao tablado de cinquenta centímetros de altura, a banda passou, portanto, pelo meio do público. No meio da apresentação, D2 acendeu um baseado e ofereceu para a galera. Tinha tanta gente ali em cima, que a banda sumiu. E, claro, o beck nunca mais voltou para a mão do vocalista.”, disse o biógrafo Pedro Luna.

O Luna realizou entrevista com Ana Lira, a produtora do show, que só aceitou após a recusa de um produtor local. Ela teve 10 dias para realizar a divulgação do show. “Ela teve apenas dez dias para divulgar e correu atrás panfletando, colando cartazes e conseguindo matérias (nem sempre positivas) nos jornais locais”, disse.

Mas, os fãs estiveram em peso no local. Um dos destaques foi quando Marcelo D2, vocalista do grupo, entregou um beck para plateia e claro que o cigarro sumiu.

Vantagens do show do Planet Hemp em Natal

“O local era realmente sem estrutura, porém, o aluguel era baratíssimo. Não havia saída de emergência nem camarim, e o palco, pequeno e baixo, foi montado especialmente para eles. No fim do show, os músicos ficaram por lá, tomando cerveja e fumando com o público. A partir desse evento, o Casarão da Ribeira virou point”, afirmou o biógrafo.

Cartaz do Planet Hemp

Jornalistas fizeram barraco por conta do show do Planet Hemp em Natal

A produtora estava no início de carreira e foi acusada por um cidadão em um jornal da cidade de aliciar menores a fumar maconha. Outro colunista armou um barraco, porque ela não deu ingressos para seus amigos assistirem ao show de graça, e publicou outra matéria detonando Anna no jornal, com inverdades sobre a organização. Esse show foi marcante em sua vida, e não apenas pelas polêmicas: “O Lobatto chegou a me perguntar quanto eu tinha gastado pra fazer o show e simplesmente dividiu o lucro. Os meninos não eram exigentes. Eram ótimos. Sempre muito simples”.

Nesta tour, o Planet se hospedou numa pousada de um amigo da Ana, na Praia do Cotovelo, em Parnamirim. Além disso, as refeições também aconteceram em restaurantes de amigos nas praias do Cotovelo, Ponta Negra e dos Artistas.

Algum tempo depois, ela fez um segundo show da banda em Natal, dessa vez num prédio onde antigamente funcionava uma delegacia. Rolou uma tarde de autógrafos no shopping e o evento foi um sucesso.

O último show do Planet Hemp em Natal foi no Mada de 2016.

Marília Mendonça Natal

Relembrando o show surpresa de Marília Mendonça na Ribeira

No final da tarde desta sexta-feira (5), a cantora Marília Mendonça foi vítima fatal de um acidente de avião, deixando os fãs da sofrência órfãos. Mas, o Brechando resolveu fazer uma homenagem lembrando de uma apresentação gratuita na Ribeira. O show aconteceu no início da carreira da cantora há exatos três anos, visto que aconteceu em 26 de novembro de 2018. Detalhe, as pessoas somente descobriram após ela aparecer de surpresa no Centro de Natal entregando panfleto. O show seria resultado da gravação de um DVD.  Inicialmente, haviam vários outdoors espalhados por Natal com uma imagem de fundo amarelo e com a hashtag #emtodososcantos nas últimas duas semanas em Natal, mas ninguém sabia explicar o porquê.

“Todos os Cantos” é o quarto álbum ao vivo da cantora brasileira Marília Mendonça, lançado em 22 de fevereiro de 2019 pela gravadora brasileira Som Livre. A gravação aconteceu em shows gratuitos gravados pela cantora em todas as capitais do Brasil durante os anos de 2018 e 2019. Além disso, venceu o Grammy Latino de 2019 como Melhor álbum de música sertaneja.

O fotojornalista Joinha registrou o show e mostrou que o palco foi instalado do lado da estátua de Augusto Severo, um importante aviador potiguar, onde a praça do largo Dom Bosco e estava lotado de pessoas.

Dê o play no clipe deste show abaixo.

Os tweeets para relembrar este momento

Como não podemos brechar o que seria o rolé mais interessante da cidade, relembrei os tweets do show surpresa.  Alguns chegaram a tirar sarro pelo fato da cidade ser pequena e todos se conhecerem:

 

Tanto que ela provocou, “sem querer”, um intenso engarrafamento nas avenidas que dão acesso à Ribeira, inclusive a tradicional ladeira do Marpas.

 

Além disso, a cantora conseguiu reunir todas as tribos natalenses por um único objetivo: a sofrência.

 

O advogado José Frazão teve que pegar duas bebidas para não perder nennhum momento:

 

Gente que se arrependeu de não ter ido ao show: