Ma-noa abandonado

Ma-noa Park está completamente abandonado

O Ma-Noa Park ficava na Praia de Maracajaú, no município de Maxaranguape. Era um parque aquático de médio porte e era um ponto turístico para os potiguares. Além disso, o local era cheio de piscinas e tobogãs para a galera se divertir, além de promover passeios de barco nos tradicionais parrachos da região. O objetivo era se transformar em um concorrente direto do tradicional Beach Park, no Ceará, mas sem perder o toque potiguar.

Mas, a má administração e a crise econômica da década de 2010 fez com que várias vezes o Ma-Noa fosse especulado o seu fechamento ou a compra de um grupo maior.

Entretanto, em 2020, eles enviaram um comunicado anunciando o fechamento. De acordo com o portal Agora RN, era o segundo grande equipamento turístico a suspender as atividades. Antes, o Hotel Thermas, em Mossoró, havia feito o mesmo. o fechamento das atividades foi anunciado em 1º de maio.

À época, a direção do hotel encerrou o contrato com todos os funcionário e o encerramento de todas as atividades, devido à crise gerada no setor de turismo por causa da pandemia do novo coronavírus. O hotel avalia reabrir as portas após a pandemia.

Mas, o Thermas conseguiu reabrir os seus serviços e o Ma-noa não, causando várias teorias.

O que aconteceu após o fechamento

O parque encerrou as atividades em 2020, que intensificou a falência a pandemia do novo coronavírus. Rapidamente, o mato tomou conta novamente do espaço e o que era toboáguas, piscinas viraram lagos artificiais ou espaços destruídos. Como se tivesse passado uma bomba e os resquícios ficassem naquele lugar, parecendo, portanto, um filme de guerra.

Recentemente, uma imagem de drone mostrou como o espaço ficou deteriorado em um curto espaço de tempo, misturando ações provocadas pelo homem, como roubo de material de construção, e a natureza voltando ao seu espaço natural. Confira, portanto, as fotos a seguir.

Raid

História dos natalenses que quiseram navegar ao Rio de remo

A década era 1930 e cinco remadores tiveram a brilhante ideia de fazer um raid a remo, no qual eles percorreriam 1700 milhas em um barco. No entanto, eles passaram 15 anos aguardando a permissão para adentrar na aventura. Assim, conto mais uma curiosidade dos natalenses aventureiros, no qual o mais novo tinha 39 anos quando remou para uma grande aventura.

Os aventureiros são Ricardo da Cruz, veterano do remo natalense, idealizou inicialmente fazer o trecho Natal-Recife em uma iole e partiu com sua equipe de remadores formada por Antônio de Souza Duarte (voga), Aldo Costa Dantas e Jeremias Pinheiro Filho.

Em Recife, no entanto, a viagem durou dois dias, pois o almirante Aristides dos Guilhen, Ministro
da Marinha vetou a empreitada. O argumento era que o risco seria enorme, além da idade avançada, uma vez que Ricardo da Cruz tinha mais de 40 anos.

Ainda mais o ministro chegou até a advertir os cinco desportistas de que os mandaria prender no primeiro porto.

Vale lembrar, no entanto, que na década de 30 uma pessoa com mais de 40 anos era uma pessoa idosa.

O que aconteceu depois?

Vocês pensam que os remadores desistiram desta empreitada? Achou errado, otário (INGÁ, Rogérinho do)! Em 1952, eles tentaram de novo fazer esta aventura. Agora, sexagenários. Agora, os integrantes eram Ricardo da Cruz, Clodoaldo Backer, Antônio de Souza Duarte e Paulo Madureira.

A saída aconteceu no dia 30 de março, no qual saíram com a embarcação no Centro Naútico Potengi, na Rua Chile e o prefeito de Natal entregou uma mensagem que os remadores deveriam levar ao prefeito do Rio de Janeiro.

O Diário de Natal noticiou sobre o Raid

Ao passarem em frente ao Cais do Porto, dezenas de esportistas e familiares aflitos aplaudiram os corajosos remadores, que conduziam a imagem de Nossa Senhora da Apresentação, a Santa padroeira de Natal. Barcos, canoas e jangadas acompanharam a saída dos aventureiros a partir do Cais da Avenida Tavares de Lira.

Infelizmente, a aventura do Raid não deu certo. Mas, eles não desistiram!

Após 62 dias de dificuldades no mar, muita chuva e frio, a embarcação enfrentou ondas gigantescas e foi completamente destruída próximo a Mangue Seco em Sergipe. Os remadores perderam a imagem da Santa padroeira. Mas, conseguiram escapar com vida.

Você pensa que esses aventureiros desistiram? Claro que não! Construíram uma nova embarcação que partiria de Sergipe até o Rio de Janeiro. A embarcação recebeu o nome de “Rio Grande do Norte II” e viajou a Aracaju no Navio Caça Minas e daí até o local do desastre, onde em 05/02/1953 partiu para o Rio de Janeiro escoltada na saída por inúmeras embarcações.

No entanto, Clodoaldo e Madureira foram substituídos, uma vez que ficaram doentes e outros integrantes do Clube Naútico resolveram fazer a aventura.

Pelo amor de Deus, desta vez o Raid deu certo?

Finalmente a embarcação conseguiu chegar ao Rio de Janeiro e a façanha. Além disso, foi registrada pela Rádio BBC de Londres. O Presidente Café Filho recebeu os heróis potiguares no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, com toda honra e o feito estimulou uma nova geração de remadores.

Olha, portanto, a foto dos remadores com Café Filho a seguir.

Os remadores juntamente com Café Filho após o sucesso da aventura

 

São Paulo a Natal de fusca

Este casal viajou de São Paulo a Natal de fusca

Você toparia viajar nas estradas brasileiras? Você iria do sudeste ao Nordeste de carro? Que tal um automóvel antigo? Que tal um fusca ? Viajar de São Paulo a Natal de fusca?

O casal de contadores Keila e Egon resolveram em janeiro de 2015 viajar de São Paulo para Natal com um fusca de 1961. A aventura foi toda registrada em vídeo.

Carrinho foi adquirido pelo Egon em 2004, quando ele ainda tinha 17 anos com o objetivo de aprender a dirigir. O carro durante alguns anos ficou parado sendo quase que totalmente restaurado, uma vez que a intenção era para ser carro de colecionador.

Eles, portanto, deixaram essa ideia de lado e resolveram se aventurar, mostrando tudo na internet e inclusive os micos.

A Folha de S. Paulo acompanhou essa viagem de perto e filmou em uma reportagem documentário, com duração de 20 minutos, percorrendo boa parte do país, numa viagem que teoricamente deveria durar três dias, mas só chegaram em Natal no 5º dia.

No vídeo é mostrado todos os perrengues, problemas e conhece um pouco mais do casal, além dos perrengues que este velho fusquinha com quase 60 anos passou conforme a viagem foi acontecendo.

Confira essa aventura muito louca:

Após cinco anos, o casal ainda continua junto, o fusca ainda está com Ergon e tem outras aventuras com o fusca registradas na internet.

Essa Kombi aventureira rodou pela América do Sul e vamos contar a sua história

Um dia estava com pressa, vi essa Kombi, lógico que fotografei e dirigia ao mesmo tempo (não me multe, Detran, eu sou pobre) e vi esta Kombi bem enfeitada na Av. Capitão-Mor Gouveia, em direção ao bairro de Capim Macio. O nome do projeto  é “Rota América do Sul” e tem várias bandeiras de países hispânicos, pesquisando na internet eu achei que tratava e não foi no Google.

Desculpa pela foto tremida, jovem!

Inicialmente, eu pensava que era a kombi branca do Maurílio dos Anjos do Choque de Cultura.

Agora vou contar a história, que é deste casal aqui na foto:

Após colocar o nome “Rota América do Sul”, eu achei o perfil no Facebook e links para vídeos no You Tube, no qual registrou toda a trajetória. Então, eu fui acompanhar um por um para saber do que se tratava. O primeiro vídeo do casal Carlos Xavier e Patrícia Shimizu, mais dois filhos, foi publicado em 17 de julho do ano passado (mas a viagem acontecia algum tempo atrás), quando mostra teaser de alguns lugares que passaram. Eles levaram apenas um carro normal com uma barraca de camping e um desejo enorme de viver uma aventura em família.

Eles saíram de Natal até a Ushuaia de carro (um Volkswagen Up) e a aventura deu certo. Tem filmagens em São Paulo, Argentina e também na Patagônia, que fica entre o Chile e a terra dos nossos Hermanos e também o Paraguai, onde passaram por perrengue. A aventura teve momentos muito bonito, mas também de perrengues, como comer 1kg de maçã por causa da rota sanitária na Argentina, conforme o vídeo a seguir:

Por falar em Argentina, na cidade de Escobar, eles encontraram alguns nordestinos e colocou um vídeo:

Mas, e a Kombi? Eles vão fazer uma nova aventura? Vai para mais lugares? Sim, depois desses vídeos acimas, eles deram um upgrade e utilizaram a kombi para fazer um motorhome. “Sobre o financiamento [para fazer as aventuras], juntamos uma parte e vendemos artesanato na estrada pra ajudar nos custos”, disse a família em uma rápida conversa comigo pelo Instagram.

Já realizaram mais duas viagens para América do Sul, a última chegaram a conhecer a tradicional Machu Picchu e a quarta vai rolar em breve!

O beijo da lhama.

A post shared by Rota América do Sul (@rotaamericadosul) on

Vamos ver o que eles prometem e se vão falar mais!