Mada 2022

Mada 22 fecha com política e capacitismo de equipe de Linn da Quebrada

Mada 2022
Compartilhe:

Assim como o Lolapalooza e o Rock In Rio, o Mada 22 terminou neste sábado (24) seguindo o mesmo modus operandi: criticar a atual gestão de Jair Bolsonaro. Nomes como Baianasystem, Marina Sena e Linn da Quebrada fizeram questão de criticar o presidente. A parte ruim foi a reportagem presenciar uma situação desnecessária de capacitismo da equipe da cantora Linn da Quebrada, explicaremos no final da matéria.

Primeiramente, eu me atrasei e para jantar na padaria que fecha às 20 horas parecia estar jogando Sonic. Além disso, eu estava louca para ver o Boogarins, em que admiro bastante a psicodelia deles. A gente acreditava que iria perder uns 20 minutos de show, mas quando chegamos na Arena das Dunas, eles tocavam a última música. Isso fez perder o brilho? Não!

Entrevistei a banda e falei um pouco sobre como eles produziram o “Lá vem a Morte”, considerado um dos discos mais caros de artistas brasileiros. Matéria sai em breve.

Depois, veio a banda Afrocidade que, confesso, nunca escutara, mas gostei bastante de sua sonoridade, apesar de ter visto pouco show por missões jornalísticas.

Coletiva de imprensa de Marina Sena

A Marina Sena é uma cantora que está despontando no mercado. O single “Por Supuesto” virou um hit e hoje está na boca do povo, mesmo para falar do seu estilo, da sua voz diferenciada e discordei completamente dos professores de canto do Youtube que a mesma canta péssimo. Sem contar que tocou os sucessos de sua carreira solo como também de Rosa Neon, sua antiga banda. Mas, antes do show fez uma coletiva de imprensa com veículos nacionais e internacionais.

Agora vou transcrever o bate-papo:

Coletiva de Marina Sena no Mada 22

1) (minha pergunta para imprensa, cada repórter tinha direito a uma): Marina, você veio para Natal há seis meses e muita gente ficou apreensiva no show por conta de que a venda de ingresso para seu show virou trending na cidade. Mesmo assim, a apresentação lotou. O que espera agora?

Marina Sena: Olha eu já estou esperando muita coisa, porque daqui (aponta para janela do camarim) vejo que também tem muita gente e o pessoal super animado. Antes, fiz a passagem de som no palco e já amei a energia do festival (primeira vez dela no evento, pois só havia tocado no Dosol), achei lindo. Toda vez que venho para Natal eu fico muito feliz com o movimento das apresentações.

2) Repórter do Yahoo: Durante os festivais você até ficou brincando que as pessoas tiraram foto de sua virilha e isto virou notícia. Como você se sente quando vira notícia, assim como 2018 a Sabrina Sato bombou com a virilha sarada?

Marina Sena: Sério? Chocada? Não sabia que minha virilha seria pauta de alguma coisa. Mas legal, né? Achei tão bom ser pauta.

3) Repórter do Ceará que não entendi seu veículo: No ano passado, você fez show no Ceará e conversou com a nossa equipe alegando que não tinha como mensurar o sucesso do “De Primeira”, pois os shows presenciais estavam voltando aos poucos. Mas chega 2022 e veio o resultado. Qual a importância do retorno dos presenciais?

MS: Acho que está junto com o público é a melhor coisa de mensurar como está a repercussão do meu trabalho. Ver na internet é legal, mas pessoalmente é melhor. Viver a coisa, sentir o pulsar e acho importantíssimo eventos como esse aqui.

4) Repórter do UOL pediu para Marina Sena gravar um quadro no Instagram sobre quem vai bombar no verão e ela prontamente respondeu:

Eu acho que a pessoa já está bombando, mas vai bombar muito no verão. E não é pouco. Será a cantora Rachel Reis.

Pulou Don L foi? Vai falar dele não?

Não, após a coletiva de Marina Sena apreciei o show que fez todo mundo do Mada parar e ver que o rap nordestino cresce. Além disso, ele foi um dos políticos que puxou o coro de “Fora Bolsonaro” e ressaltou a importância de vencer logo no primeiro turno, alegando ser “acabar com o mal pela raiz”.

O rapper não quis dá entrevista para imprensa. Entretanto, o jornalista Gustavo Guedes, do portal “Por Dentro do RN”, registrou uma imagem dele no meio da galera.

Mayra Andrade me impressionou muito neste Mada 22

Falei no dossiê que uma das apostas do festival deste ano foi a cantora de Cabo Verde, a Mayra Andrade. Entretanto, a sua voz e seu estilo me surpreendeu positivamente, com uma banda afinada, cantora que equilibra bem o sampler e seu canto, além de ter um lindo conhecimento da música brasileira. Achei um dos covers mais bonitos de “Lamento Sertanejo”, de Gilberto Gil.

Além disso, ela tem um som eclético que é gostoso de usar, tanto que já comecei a seguir e escutar mais esta jovem.

E vamos falar de Baianasystem

O Baianasystem novamente no Mada e mais uma vez trabalhando a importância de debater as causas políticas durante shows, para o desespero das pessoas que não gostam de falar desses assuntos. No Mada de 2019, o cantor Russo Passapusso enfatizou que todo ato é político e principalmente durante o show precisa ser dito isso.

O show misturou com músicas do último disco, mas também ressaltou os direitos humanos, moradia digna, melhorias na América Latina e, claro, falar das eleições que acontece no próximo domingo (2). “Quem gostou faz o L”, disse.


Quer saber como foi o evento? Confira as fotos de João Pedro Rebouças a seguir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *