vacina BCG

Por que temos uma marca no braço da vacina BCG?

Curiosidades
Compartilhe:

A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa pelo ar, por meio de tosse, espirro ou fala. Os principais sintomas são febre ao final do dia, tosse, fraqueza, cansaço e perda de peso. Até os dias atuais a vacina é o único tipo de imunização contra a doença e deve ser tomada em dose única, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, no entanto, crianças de até quatro anos ainda podem ser vacinadas. Assim, temos a marquinha.

Hoje, 1º de julho, é considerado o dia da vacina BCG e vamos explicar a origem da marquinha no braço. Também conhecida como símbolo de ser latino americano.

Primeiramente, vamos falar de turbeculose

A tosse intensa, prolongada e com expectoração é o principal sintoma da tuberculose, a doença infecciosa que mais mata no mundo. São cerca de 1,5 milhão de vítimas por ano. No Brasil, anualmente, há registros de 70 mil novos casos. Em 2019, foram mais de quatro mil mortes por tuberculose no país.

Antigamente, antes da vacina, a tuberculose era uma doença mortal e muitas pessoas morriam. No Rio Grande do Norte, por exemplo, uma das vítimas mais famosas é a Auta de Souza .

Origem do nome da vacina BCG

Em 1921, os cientistas franceses Léon Calmette e Alphonse Guérin anunciaram ao mundo a descoberta de uma vacina contra a tuberculose. O imunizante tem como sua produção o enfraquecimento de uma bactéria que causa a versão bovina da doença, o Bacilo de Calmette e Guérin (por isso, a sigla BCG).

A vacina BCG vem da bactéria em bovinos que se chama Mycobacterium bovis, muito semelhante à Mycobacterium tuberculosis, responsável pela tuberculose em seres humanos.

Afinal, por que temos a marca no braço ?

Essa cicatriz acontece devido a reação do corpo a bactéria Mycobacterium bovis, que contém o vírus da doença, só que de forma anulada e inofensiva.

Assim que a vacina tem a sua aplicação, o corpo humano começa a desenvolver uma série de reações para se proteger desse bactéria. Essa disputa entre os anticorpos, já presentes no organismo, e os componentes da vacina, levam ao surgimento dessa ferida no local da aplicação. Elas podem demorar 12 semanas após a aplicação.

Segundo reportagem da revista Superinteressante, em outros países a imunização não deixa marcas no braço e isso se deve ao uso de uma microagulha, conhecida como carimbo, que suaviza o efeito na pele. No Brasil, contudo, ela já existe, mas não é regra.

No Brasil, a taxa de uso desse método é de 3,1%, cerca de três a cada cem crianças vacinadas ficam sem a marca. Nos EUA, o número gira em torno de 10%. Já no Japão, o uso da microagulha é obrigatória.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.