Sérgio Groove

Sérgio Groove tem álbum dançante e com apoio do Dosol

O baixista Sérgio Groove é reconhecido eventualmente pelas várias experiências profissionais. Começou a tocar ao 12 anos, influenciado pelo irmão Ailton, e nunca pensou em ter outra profissão. Além disso, em 2002, passou a se dedicar a sua grande paixão, a carreira como instrumentista. Entre o trabalho solo, apresentações com artistas nacionais, projetos com músicos potiguares e a atuação como professor de música nos Estados Unidos, Sérgio Groove é notadamente um dos melhores instrumentistas do Rio Grande do Norte.

Integrou a banda de ritmos latinos chamada Perfume De Gardênia, junto com os músicos Jubileu Filho, Jaildo Gurgel, Paulo César e Jailton; a dupla Groove Primata, ao lado de Júnior Primata; fundou a banda Camba, com os músicos Gilberto Cabral, Paulinho e Ramón, Walter Claysson, Hiure e Iran Barreto; também integra o trio Candeeiro Jazz, com Jubileu Filho e Zé Hilton.

Além disso, participou de festivais nacionais como: O Baixo Brasil, em Brasília; Expo-music, em São Paulo, e gravou diversos discos autorais com a participação de Chico César, Dorgival Dantas, Krhystal, Michael Pipoquinha, Júnior Primata e João Batista (do programa FAMA).

Mas, agora, ele está em outro projeto.

Conheça o projeto Rux

Groove, recentemente, lançou um álbum de estreia do Rux. A intenção é fazer com que a música seja um experimento dançante sonoro. Além de Groove, conta com a participação de Silvio Franco, que também tem uma outra experiência musical. Como reusltado, esta é a concepção do trabalho se deu eventualmente por meio do convite da Incubadora Dosol com direção artística de Anderson Foca.

“Sérgio e Sílvio já tocam juntos gravando álbuns para diversos artistas, já se conhecem. Aproveitamos o ambiente para criar uma coisa nova, baseada no que eles sabem fazer de melhor: contagiar quem os assiste tocando grooves matadores de baixo e bateria”, comenta Foca em release enviado para imprensa.

Como aditivo final para o trabalho, a incubadora trouxe ao projeto o músico e produtor Yves Fernandes, que foi o responsável pela edição, gravação e mixagem do projeto. Timbragens em tempo real, beats eletrônicos e percussões, é o que a presença de Yves traz para o “RUX”.

Sobre o disco

O álbum passeia por levadas inspirados no Groove brasileiro mas flerta nos sons africanos, com a sonoridade da Motown, além de influências pessoais dos artistas. “Foi uma experiência enriquecedora ficar concentrado por duas semanas fazendo esse projeto. Ainda mais compomos e gravamos todas as músicas durante esses encontros utilizando prioritariamente baixo e bateria. Uma oportunidade de experimentação artística além de uma tremenda diversão”, comenta Sérgio Groove.

A capa do álbum foi desenvolvida por Caio Vitoriano, que já trabalhou com outras artes do Dosol. Além disso, a gravação, mix e edição por Yves Fernandes, master por Eduardo Pinheiro, direção artística por Anderson Foca e produção executiva de Ana Morena. Baterias e grooves eletrônicos por Silvio Franco, baterias adicionais e percussão por Sérgio Groove. Baixos e Guitarras por Sérgio Groove. Ainda mais, músicas compostas por Sérgio Groove e Anderson Foca. A Incubadora Dosol tem patrocínio da Oi, através da Lei Câmara Cascuda, Governo do RN e Fundação José Augusto e apoio da Oi Futuro e Labsônica. O álbum está disponível em todas as plataformas digitais, Youtube e Bandcamp.

Está disponível para escutar

O projeto está disponível eventualmente em todas as plataformas digitais. Escute, portanto, a seguir:

casos trabalhistas RN

Quantos casos trabalhistas foram resolvidos no RN ?

Ação trabalhista é a denominação para solucionar uma controvérsia após um trabalho. Geralmente o trabalhador e empregador ou tomador de serviço. Com as mudanças trabalhistas há o aumento dos casos. Além disso, os processos mais comuns são: Reconhecimento do vínculo trabalhista, Pagamento de horas extraordinárias, Recolhimento do FGTS, Intervalo intrajornada, Assédio moral, Verbas atrasadas e Acidente em serviço.

Recentemente, um podcast chamado “A Mulher da Casa Abandonada“, questionou bem a situação.

No Brasil, uma nova pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) em associação com a Organização das Nações Unidas (ONU), revelou que o Brasil fica em primeiro lugar, entre os países analisados, quando a demanda é a justiça do trabalho.

O estudo avaliou e comparou os sistemas de jurisdição trabalhista de seis diferentes países: Brasil, Argentina, México, Portugal, África do Sul e Coreia do Sul. Sem contar que são escolhidos de acordo com características socioeconômicas, estruturas judiciárias e graus de litigiosidade trabalhista.

A pesquisa comparou como os diferentes países signatários do PIDESC implementam os compromissos assumidos na esfera internacional em relação à jurisdição trabalhista.

Primeiro lugar

O Brasil fica em primeiro lugar em diversas avaliações, algumas positivas e outras negativas, inclusive com maior número de organizações representativas dos trabalhadores (10.817), seguido pela Coreia do Sul (6.136), Argentina (3.290), México (2.768), Portugal (300) e África do Sul (204).

O país também tem um dos maiores orçamentos do sistema judicial trabalhista, totalizando R$ 21 bilhões em 2019 apenas para a Justiça do Trabalho, e suas despesas são refletidas principalmente em recursos humanos: em média, a remuneração de servidores dos TRTs e do TST (incluindo magistrados) ficou em R$ 22 mil reais por mês em 2019.

E, no Rio Grande do Norte? Como estão os casos trabalhistas no RN? Não só aumentou, como os processos ficaram sem soluções.

Praticamente triplicou os casos trabalhistas no RN não solucionados

Em 2021, o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte (MPT-RN) obteve aumento na solução não judicial de impasses trabalhistas trazidos ao órgão, com a formalização de 108 termos de ajustamento de conduta. Ainda mais o número é 318% a mais que o número de TACs firmado em 2020.

Ainda mais, em todo o ano, o MPT-RN recebeu 538 denúncias, das quais 444 deram origem a inquéritos civis. Nos inquéritos, se avalia a ocorrência da violação trabalhista e o eventual responsável. É por meio dessa investigação que o MPT colhe provas para o ajuizamento de uma ação civil pública.

Além do enfrentamento a violações trabalhistas coletivas em temas como assédio moral e alterações contratuais irregulares, com o avanço da pandemia, o MPT também recebeu denúncias relativas às más condições de meio ambiente e alterações das condições de trabalho por conta da covid-19. O tema apareceu em 174 denúncias. Foi o terceiro tema mais citado, sendo superado pelo assunto desvio de função (165 denúncias) e jornada extraordinária em desacordo com a lei (220 denúncias).

Ainda em 2021, foram propostas 13 ações civis públicas perante a Justiça do Trabalho. O número é bastante inferior ao número de TACs, num total de 108. Os termos, firmados entre o MPT e empresas ou instituições, registram, portanto, com força de título extrajudicial, compromissos de correção de situações irregulares identificadas pelo MPT.

Atuação nacional – Contabilizando os números de todo o país, o Ministério Público do Trabalho recebeu 34.673 denúncias, das quais 23.120 se transformaram em inquéritos civis. Além disso, um total de 2.977 ações civis foram à Justiça do Trabalho, sendo que 5.765 terminaram em termos de ajuste de conduta.

O Ministério Público do Trabalho sugere que as pessoas façam denúncia neste site.

Alcione

Alcione virando cover de banda potiguar

Alcione está há mais de 50 anos na estrada e sua voz estrondosa não agrada mais apenas as pessoas mais velhas. Além disso, o seu sofrimento amoroso e a voz agradável encontou os jovens. Hoje a artista é cheia de memes, como a sua amizade com o Axl Rose e várias homenagens dos artistas por sua carreira. Já teve covers de cantores novos, como a Urias. Além disso, a cantora virou assunto de Paulo Moreira, artista pessoense utilizou a cantora do Maranhão como tema dos quadrinhos de “Ana, Mosquinha e Lagartixa”.

Veja as imagens a seguir.

Por causa desses quadrinhos, muitos jovens descobriram que poderiam sofrer de amor juntamente com Alcione e gostar da artista. Assim, estimulou várias bandas a fazer cover. Inclusive, no Rio Grande do Norte.

Banda potiguar fez um cover de Alcione

Aproveitando o hype de Alcione entre os jovens, o grupo potiguar Fortunato e os Jovens de Ontem lançaram uma versão de “Você Me Vira a Cabeça”, música de Paulo Valle, eternizada na voz da cantora maranhense Alcione. “Alcione é uma artista incrível e potente e me identifico muito com o trabalho. Essa música casou bem com nossa estética e com os assuntos abordados nas nossas letras. Deu um match excelente interpreta-la”, comenta Igor Fortunato.

A banda

A produção ficou a cargo da banda com gravação, mix e master por Yves Fernandes e capa por Felipe Marcus. O Fortunato e os Jovens de Ontem se prepara para uma série de shows com lançamento do álbum marcado em Mossoró, DosolTV Sessions e show no Festival Dosol. “Estamos ansiosos pra mostrar o “Agudo” pra mais gente, banda se faz na estrada e queremos nos desenvolver mais tocando”, comenta Yves Fernandes, baterista da banda. Confira a versão!

Escute o cover a seguir

Para escutar o cover da banda potiguar, dê o play, portanto, a seguir:

Além disso, eles gravaram o making of das gravações. Gostaram? Deixe, portanto, o seu comentário.

96 FM

Outras 25 músicas que você escuta na 96 FM de madrugada

O relógio quando bate de madrugada é o sinal que começa programa “By Night”, no qual se destacava a voz grossa de Josenildo Caldas. É um dos programas mais antigos da 96 FM, uma das rádios populares da cidade. Neste momento, eles tocam o oposto do que tocam durante o dia graças ao programa By Night, que existe desde a fundação da emissora, nos anos 80 e 90.

Geralmente toca aquela sofrência gringa, dos Estados Unidos e da Inglaterra, principalmente aquelas que faziam sucesso nos bailes quando os nossos pais se conheceram. Inicialmente, fizemos uma lista e, neste ano, vamos começar uma outra lista para relembrar os sucessos do programa.

O programa é o mais antigo da rádio e disponível todas as madrugadas.

Além disso, muitos pensam que a música brega, sofrência ou romântica, independentemente do adjetivo que queira adotar. Daquelas que a gente sofre por amor existe apenas no Brasil e países hispânicos. Por isso, o Brechando selecionou 25 músicas que com certeza você escutou na rádio durante a madrugada, no final da festa com a sua família e amigos.

Desta vez o nosso foco foi selecionar o melhor da sofrência em inglês e comente aqui se esquecemos alguma música.

Montamos uma outra playlist

Confira mais uma seleção de músicas que só escuta neste programa, portanto, a seguir:

1) The Cars - Drive

2) Mr. Mister - Broken Wings

4) Spandau Ballet - True

5) Air Supply - All Out Of Love

6) Richard Marx - Right Here Waiting

7) Gatinha Manhosa - Meu Anjo Azul

8) Marina Lima - Eu Te Amo Você

9) Lara Fabian - Meu Grande Amor

10) Fábio Jr - O Que é Que Há

11) Rosana - Nem um Toque

12) Deborah Blando - A Luz Que Acende o Olhar

13) Juanes - Para tu amor

14) Robson - Para sempre vou te amar

15) Kelly Clarkson - Breakaway

16) Creed - With Arms Wide Open

17) Avril Lavigne - I'm With You

18) Maroon 5 - She'll be loved

19) Maná - Vivir Sin Aire

20) Bruno & Marrone - Choram As Rosas

21) Marília Mendonça - Infiel

22) Só Pra Contrariar - Depois do prazer

23) Madonna - Crazy For You

24) Berlin - Take My Breath Away

25) Nazareth - Love Hurts