Goku Natalense

O dia que entrevistei o Goku Natalense

Cidades
Compartilhe:

2022 completa 10 anos que trabalho como jornalista, se contar o meu primeiro estágio. Então, eu resolvi reproduzir a matéria que ficou mais famosa na época: minha entrevista como Goku Natalense. O rapaz era um jovem ainda adolescente que começou a se vestir na cidade desta forma e, posteriormente, as redes sociais ficaram loucas para saber quem é este jovem sayajin.

Sempre tive um apreço pelo que é diferente. Na minha época de estagiária do Nominuto, eu odiava fazer matéria de cidade e sempre correr atrás das coisas consideradas comuns. O jornalismo cultural sempre foi minha praia. Sem contar que não entendia nada de política, leis ou algo do tipo. Estava numa vibe que queria ser o Goulart de Andrade do Comando da Madrugada ou alguma matéria muito doida da Trip, que era minha inspiração.

Pirâmide invertida? Nem a pau, mas ainda acredito que o jornalismo pode aparecer da forma mais aleatória.  Nesta época levava muitas broncas por ser “rebelde”.

Como surgiu a ideia

Enfim, um belo dia lendo o Todo Natalense, eu invento de pensar alto: “Seria massa entrevistar o Goku Natalense”. Um outro repórter deu uma risadinha de deboche e a editora ficou na dúvida, soltando a seguinte pergunta: “Isto vai render? (vai gerar repercussão tanto pelos natalenses quanto pela mídia local)”.

Render, eu não sei. Só queria arriscar e manter o amor pela reportagem…Mas queria saber o porquê de uma pessoa que vivia para cima e para baixo pelas ruas de Natal resolveu se vestir com todas vestimentas de Goku de Dragon Ball Z.

Foi em um dia de folga

Um belo dia estava de folga e resolvi andar no Midway. Lembrar que tinha 19 anos, estava na transição entre a adolescência e o fim da vida adulta, assim eu ainda encontrara meus amigos do rock e otakus por aquelas bandas. Aí, fui para Docelândia e do nada, eu vi um rapaz vestido de laranja da cabeça aos pés e os cabelos arrepiados. Era o Goku!

Sai correndo e gritei, me apresentei e rolou esta entrevista. Salvei a conversa na nuvem do celular e curti o meu fim de semana. Depois, eu transcrevi e entreguei a editora, que ainda não botava fé. Somente quando o repórter debochado leu e disse: “Isso merece ser publicado”. Aí entrou no ar, viralizou por um tempo e as pessoas finalmente souberam quem era o abençoado.

Sementinha do Brechando? Hoje vejo que sim!

Anos depois, um colega meu que ama esta entrevista do Goku Natalense disse que isso era a semente do que viria ao Brechando. Olhando para trás, realmente foi, pois depois entrevistei outros memes potiguares como Cabrito e Masculynah, e gente que chamava atenção na internet.  Além disso, eu sempre tive essa curiosidade de saber o diferente de Natal e não o que era comum, achava que as pessoas estavam cansadas de ler e ver sobre trânsito na Ponte de Igapó.

Três anos que saí do Nominuto, o Brechando surgiu e até hoje tem sido a minha experiência mais louca. Foi por causa dele, primeiramente, que digo que me profissionalizei como jornalista e também abriu portas para outros tipos de trabalho, como publicitária e criadora de conteúdo.

Honestamente, o texto da reportagem não curto, pois eu ainda era muito engessada e estava começando a escrever diariamente. Sem contar que eu tinha uma super insegurança e morria quando algum hater detectava erros. Republicar esta matéria, salva numa caixa de e-mail (guardava as reportagens dos portais que trabalhei desta forma) é, portanto, uma forma de fazer as pazes com a pessoa que estava começando a carreira em meio a problemas familiares e de amizades turbulentos.

Confira a matéria completa

 

Conheçam Judson Allison, o Goku natalense

Nos últimos meses, o pessoal de Natal fica comentando nas redes sociais sobre o mais novo personagem da cidade. Esse surgiu nas ruas e a partir de comentários vindos da internet que ganhou repercussão. O nome dele é Judson Allison, tem 19 anos e cursa o 2º ano do Ensino Médio.

Ninguém o conhece por esse nome, mas por Judson Goku, pois vai a vários cantos da cidade vestido igual ao personagem protagonista da série Dragon Ball, desenho japonês criado na década de 80 por Akira Toriyama.

A equipe do portal Nominuto.com conseguiu encontrar-lo no Midway Mall, foi uma conversa rápida que durou uns 10 minutos, apesar de ter sido interrompida diversas vezes pelos frequentadores do estabelecimento que queriam tirar foto com ele.

A ideia de se vestir assim surgiu quando ele e um grupo de amigos queriam fazer vídeos para imitar os personagens da série Dragon Ball. Entretanto, a ideia do vídeo não foi para frente e Judson se empolgou em se vestir como o Goku, ao saber do conceito sobre Cosplay.

É abreviação da palavra inglesa ‘fantasia play’, que traduzido em português significa representação do personagem. Usado, esse termo é usado para pessoas que se fantasiam de algum personagem de anime, desenho animado, história em quadrinhos e jogos.

Ele falou que seus pais nunca o proibiram de ser desse jeito, mas que tinha medo que fosse agredido pelas pessoas.

“Meus pais tinham medo que eu fosse apanhar na rua e que me achassem esquisito. Porém, um repercussão foi muito boa e como as pessoas adoram que eu ando vestido assim ”, disse Judson Goku que há cerca de 1 ano leva a sério em se vestir assim todo dia.

“Todo mundo na família é normal, só tem eu aqui de maluco”, brincou o Goku que tem mais dois irmãos.

A repercussão de Judson Goku começou quando uma página do Facebook chamada “Humor Negro” publicou uma foto dele com o Papai Noel de um shopping da cidade e em seguida, algumas outras páginas da rede social adicionaram a sua foto e assim, aumentou a curiosidade das pessoas em saber quem é o Goku Natalense.

“Eu recebo 40 pedidos por dia de pessoas para adicionar-los no meu Facebook”, comentou.

Goku Natalense disse que nem na escola tira o seu uniforme e assistente às aulas dessa forma. “Os professores do colégio só me chamam por Goku”, disse. “Até estabelecer uma regra que o fardamento for obrigatório, eu vou me vestir assim”, adiciona.

Judson disse que anda dessa forma por puro prazer, por diversão, que realmente gosta de andar assim. Além da série Dragon Ball, também assiste outros animes (nome que se dá aos desenhos japoneses), como Cavaleiros dos Zodíacos e Death Note.

Ele disse que nunca participou de um evento de anime da cidade. A sua repercussão na internet fez com que fosse requisitado para as festas. “Eu estou recebendo bastante convite para participar de eventos beneficentes”, disse.

Mas, ele não se resume só a andar nas ruas, também faz diversos vídeos que estão disponibilizados no site YouTube. No início, andava nas ruas com um amigo que interpretava o personagem Piccolo, o antagonista da série. O garoto desistiu de andar nas ruas com Judson.

“Ele tinha bastante de vergonha de se vestir assim quando andava na rua”, justificou o Goku de Natal.

Outras Webcelebridades natalenses

Assim como o Goku, existem outros personagens que conhecidos famosos graças à Internet em Natal. No microblog Twitter, existe o Pinta Natalense ( @pintanatalense ) que possui mais de 40 mil seguidores e o Corinthimano ( @Corinthimano ), perfil usado para fazer piada sobre os campeonatos de futebol, tem quase 30 mil seguidores.

O perfil UFRN da Depressão ( @UFRNdepressao ) possui 5 mil seguidores. A página do Twitter satiriza os acontecimentos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Foi criado por três amigos e hoje eles são chamados para diversas festas que são frequentadas por universitários.

O termo ‘Webcelebridade’ é usado para as pessoas conhecidas através da Internet, também pode ser chamado como ‘cybercelebridade’.

Deixe uma resposta