Clowns de Shakespeare

Clowns de Shakespeare cria intervenção artística via Whatsapp

Uma das opções antes de ir ao show de Cordel do Fogo Encantado e Luísa e os Alquimistas é o novo espetáculo de Clowns de Shakespeare. Neste sábado (4) haverá a apresentação do “As teias abertas da América Latina”, uma parceria do grupo teatral potiguar com o Teatro del Embuste, natural da Colômbia. Mas, calma, você não vai precisar ir ao teatro. 

Assim, serão semanas de intervenção que a finalidade é entender a ligação dos países que compõem os membros do espetáculos.

Como vai funcionar

Como resultado, a cada dia de apresentação as intervenções visam questionar diferentes aspectos. Por isso, “As teias abertas da América Latina” foi dividida em quatro atos. Assim, as e os espectadores podem optar por acompanhar todos os atos, assistindo a todas as quatro apresentações, ou apenas um deles, sem que haja prejuízo. 

A obra pode ser acompanhada pelo público natalense e bogotano (quem nasceu em Bogotá, capital da Colõmbia). Além disso, pode ser visto em qualquer localidade de forma online, através de um grupo de WhatsApp. 

Peça no grupo de Whatsapp

Sim, o Whatsapp não precisa ser mais o antro de Fake News. Nesse grupo, que reúne os espectadores de cada sessão, é responsável por encaminhar as intervenções do dia, uma vez que vai possibilitar o acesso às mesmas através de lives realizadas em cada uma delas. Para acompanhar o espetáculo pelo WhatsApp é necessária a retirada gratuita de ingressos, disponíveis no site https://linktr.ee/asteiasabertas, ou pela plataforma Sympla.

Além de uma intervenção em Natal e outra em Bogotá, cada um dos dias de apresentação conta também com a participação de um terceiro núcleo formado por artistas e pesquisadores de outros importantes coletivos latino-americanos: Ana Correa (do Grupo Cultural Yuyachkani, Lima/Peru), Gerson Guerra (do Grupo Malayerba, Quito/Equador), Alice Guimarães (do Teatro de los Andes, Yotala/Bolívia) e Ana Julia Marko (USP, São Paulo/Brasil).  

Perdeu o espetáculo do Clowns de Shakespeare? Semana que vem tem mais

A obra segue em cartaz de forma gratuita aos sábados e domingos até o dia 12/12, em horários variados. Já a interação com o público começa pela manhã, via WhatsApp, e continua no decorrer de todo o dia. O projeto foi contemplado, portanto, pelo Programa Iberescena de Artes Cênicas 2020/2021.

Como será a obra

Tendo como ponto de partida reexaminar a História de ambos os países, os integrantes do Clowns e do Teatro del Embuste realizaram um mapeamento dos marcos históricos e dos monumentos existentes em Natal e Bogotá. A partir dessa pesquisa e do que ela revelou sobre como a História oficial se vê plasmada nos espaços urbanos de ambas as cidades, visto que os artistas passaram então a tecer cruzamentos entre Colômbia e Brasil. 

Esse processo, por conseguinte, gerou intervenções urbanas distintas nas duas cidades: enquanto a ação dos Clowns questiona a História presente nos nomes das ruas natalenses, acontecendo nas esquinas de importantes cruzamentos de Natal, a intervenção do Embuste ocupa a Carrera 7, no centro da capital colombiana, com diferentes coros protagonizados por sujeitos alheados da História oficial. 

 

SERVIÇO:

As teias abertas da América Latina

  • Ato I: Escalvitud perpetua ou Os escravagistas do séc. XXI não operam mais em navios negreiros  – dia 04/12 
  • II: Meus heróis morreram de overdose ou Los nuevos héroes – dia 05/12 
  • III: La Pachamama ou Esta terra tem dono – dia 11/12 
  • IV: Mátrias – dia 12/12 

Ingressos gratuitos, retirados pelo site Sympla: https://linktr.ee/asteiasabertas 

Café Nice

Café Nice, espaço do chorinho do Alecrim

No Alecrim existiu bares importantes, falamos da Quintandinha e hoje é a vez de comentar sobre o Café Nice. Antes de existir o Buraco da Catita, este era o espaço para ouvir MPB e Chorinho.

Além disso, todo mundo conhecia o dono do bar, o seu Zeca, onde todos conheciam e trocavam uma prosa.

O nome teve como inspiração um bar que tinha no Rio de Janeiro. De acordo com João da Mata Costa, o seu apogeu nas décadas de 1970- 80. Além disso, foi o principal ponto de encontro de importantes músicos potiguares e nacionais.

Seu Zeca

De acordo com Costa, era “comum quando um músico vinha à Natal para o célebre Projeto Seis e Meia, passar depois no Café Nice e dá uma canja”.

Outras fontes, afirmam que os artistas do Projeto Pixinguinha, antecessor do Seis e Meia, também passaram por lá, como Nara Leão e Beth Carvalho.

Sem contar que era o local ideal pra revelar os artistas da cidade. O Café Nice fechou as portas nos anos 90 e seu espaço hoje é uma loja.


Isto foi o que restou do Café Nice (Foto: Pablo Raniere)

Mais artistas que passaram por lá

Inúmeros cantores deram uma passada no tradicional bar, como a rainha do chorinho e potiguar, Ademilde Fonseca. Além disso, veio o Sivuca, Joel Nascimento , Altamiro Carrilho e outros grandes músicos do Brasil

Confira mais fotos do estabelecimento a seguir.