Geladeira posta em ato contra presidente é manifestação artística

Curiosidades
Compartilhe:

O protesto o que aconteceu sábado foi marcado por uma ação, na calçada do shopping Midway. Lá, uma geladeira foi colocada e lá colocaram restos de ossos como uma crítica a matéria do jornal Extra, Do Rio de Janeiro. A reportagem questão falava de pessoas que pegavam os ossos para matar a fome, visto que houve um aumento do preço da carne.

A imagem de uma geladeira aberta com restos de ossos chamou bastante atenção das páginas que compartilhavam o protesto contra o presidente Jair Bolsonaro. No entanto, descobrimos que a ação fazia parte de uma manifestação artística. Vamos explicar o que aconteceu a seguir.

O nome da ação se chama “A fome não espera”. O ato foi feito uma parceria da Associação dos Docentes da UFRN (Adurn) e do artista Franco Fonseca. Além disso, a ação chamou atenção inclusive da imprensa nacional.

Para que ação fosse o sucesso ele contou com ajuda de mais dois artistas, Marcone Soares e Sunsara, que ajudaram não só de concretizar o ato.

O objetivo é mostrar que mesmo com o processo de impeachment como presidente, a fome já está matando a população brasileira.

Já a geladeira, por sua vez, chegou via frete e veio de uma doação de um amigo para que fosse chegar Midway com segurança.

As faixas em volta da geladeira foram feitas pela artista Sol Andrade. E teve a consultoria de Elze Maria Barroso, Alana Souza e Lina Bel Sena.

Gostou da curiosidade? Deixe aqui o seu comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.