Cinco folhetins potiguares no tempo de Dom Pedro II

Na História do Brasil, o Segundo Reinado é um período que durou 49 anos. Também se refere ao período que o Dom Pedro II virou Imperador do Brasil, começou em 1840 até 1889, quando surgiu a Proclamação da República. Neste momento, a novela das seis conta um pouco de como foi este período e garantiu que o Brasil continuasse independente de Portugal.

Embora as pessoas se lembrem da Abolição dos Escravos, o reinado de Dom Pedro II está marcado com a Guerra do Paraguai, solidificando o Exército e a Marinha, além de garantir o domínio e liderança nos outros territórios americanos.

O foco deste texto não é falar sobre Dom Pedro II, mas as formas literárias dos potiguares neste período. A Hemeroteca da Biblioteca Nacional, por exemplo, reserva os mais diversos periódicos, no qual eram folhetins que abordavam os mais diversos assuntos.

Alguns falavam sobre o apoio da Monarquia, outros defendiam a República e ainda tinha tempo de divulgar romance. Eram opinativos, já os folhetins informativos surgiram somente em 1872, quando surgiu O Mossoroense.

Selecionamos, portanto,  cinco folhetins potiguares para mostrar como as pessoas divulgavam as suas ideias antes do Facebook ou redes sociais.

Por isso, o Brechando mostrará, a seguir, alguns folhetins que eram lidos pelos potiguares.

O Brado Natalense – 1849

Constitucional Nortista -1951

A Rosa – 1857

O Rio Grandense do Norte – 1859

Avulso – 1880