linha circular

Qual foi a origem da linha Circular da UFRN?

Cidades
Compartilhe:

Os estudantes da UFRN sabem que um dos elementos do nosso cotidiano se chama o busão 588. No entanto, as pessoas se chamam Circular. Todo mundo já ficou apertado feito uma lata de sardinha para entrar no ônibus e chegar na sua aula daquele professor exigente. Mas, as pessoas conhecem a história da linha?

Após uma pesquisa o Brechando finalmente achou e nos 60 anos de UFRN, o Circular está na vida dos estudantes há quase 40 anos, quando surgiu o campus universitário. Ainda mais nem sempre foi do jeitinho que conhecemos.

O que é a linha Circular

O Circular é uma linha que faz a conexão do campus central. O sucesso só aconteceu a partir do acordo com o sistema de transporte público e a universidade. Como resultado, esta parceria fez com que o ônibus fosse de graça para todos os estudantes. Um dos diferenciais do busão é ser um transporte que leva para a parte interna e externa da UFRN, inclusive ao Restaurante Universitário.

Antes o sistema de transporte era de outro jeito

Antes de agosto de 1995, o acesso de qualquer parte da cidade ao campus só poderia se
dar através das linhas que entravam no campus, constituindo-se elas: : 02, 04, 08, 18, 60, 72, 79, 30, 31, 63, 45, 26, 77, 73, 33, 29, 03, 53 e 66. Quem era estudante, ninguém pagava pelo busão.

Os números são resultado da pesquisa do Seturn, o Sindicato da Empresa de Transporte, que foi base de pesquisa do João Vinícius Forte de Lima, estudante de Engenharia Civil em sua monografia em 2018.

A gratuidade só foi garantida, portanto, graças a existência da Câmara de compensações tarifárias do município de Natal. As empresas Cidades do Sol e Guanabara, maiores receitas por quilômetros, compensavam as empresas menores.

Entretanto, a Cidade do Sol, que operava a linha 33 e trafegava do campus ao bairro Pitimbu e possuía dois ônibus, propôs a mudança de trajeto da linha 33. Assim, surgiu a linha circular ligando os diversos fragmentos do campus a BR-101, com apenas um ônibus. Tudo isto, com a empresa Cidade do Sol custeando tarifa zero no com recursos utilizados na câmara de compensação de tarifária.

Você sabia da história do Circular? Deixe aqui o seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.