Bar Quintandinha

Vocês já ouviram o Bar Quitandinha?

Muitos utilizam até hoje o bar como ponto de referência no Alecrim, embora está desativado há alguns anos.  Assim como a Praça do Relógio, a Feira e o Camelódromo, a Bar Quintandinha é um lugar marcante do bairro da zona Leste. Mas, poucos sabem de sua história e o Brechando resolveu, portanto, desvendar um dos pontos históricos da capital potiguar.

Apesar do nome, a Quintandinha não vendia frutas e surgiu muito antes da Praça Gentil Ferreira, uma vez que a sua inauguração aconteceu em 1938. Já a conhecida a Praça do Relógio, por sua vez, só recebeu a inauguração no ano seguinte.  A foto acima mostra como o bar não passava despercebida no Alecrim.

O bar bombou mesmo na Segunda Guerra Mundial, nos anos 40, onde os americanos e brasileiros se reuniram para falar os inúmeros assuntos possíveis. Além disso, o local nos anos 80 era palco principal dos comícios políticos e manifestações culturais. Lá presenciou o discurso de João Goulart e manifestações contra a Ditadura Militar.  Um exemplo está o Diretas Já em 1984, visto que reuniu milhares de pessoas em volta a Praça Gentil Ferreira, principalmente na Quitandinha.

Antes de qualquer Fast Food pisar em Natal, o Quintandinha funcionara 24 horas por dia.

Assim como o Beco da Lama está para a Cidade Alta, o Quitandinha está para o Alecrim, onde os boêmios varavam as madrugadas. Lá era frequentado desde os jornalistas até grandes personalidades da política do Rio Grande do Norte.  O local ainda era espaço para os principais shows da cidade, onde artistas locais e nacionais alegravam a juventude natalense.

Recebeu muitos artistas famosos, como por exemplo a Marinês e Sua Gente, Zito Borborema, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Nelson Gonçalves, Ângela Maria, Cauby Peixoto e Antonio Marcos.

E o Bar Quitandinha ainda existe?

Entretanto, o Quintandinha foi demolido no final dos anos 80 juntamente com o Mercado Público com a finalidade de ampliar a Praça Gentil Ferreira. Tentaram criar uma nova unidade dentro da Praça Gentil Ferreira, mas sem o sucesso de antes. Hoje o espaço é base da Guarda Municipal de Natal.  Veja a imagem a seguir:

Base da Guarda Municipal na Praça do Relógio era onde ficava o Quitandinha

 

prêmio Hangar de Música

Prêmio Hangar de Música divulga sua premiação na íntegra nesta terça (29)

Após problemas técnicos na dependência da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o prêmio Hangar de Música não desistiu e resolveu gravar todo o especial. O resultado estará disponível ao público na próxima terça-feira (29), às 20 horas. Serão anunciado simultaneamente os vencedores e o show na íntegra.

Inicialmente, o produtor cultural Marcelo Veni colocaria a sua 18ª edição do prêmio Hangar de Música em formato de live, sob o tema “Música Não Para” celebra o 18º Prêmio Hangar de Música, mais antiga premiação do Rio Grande do Norte a incentivar talentos do segmento musical.

Os problemas técnicos poderiam ser motivo de desistência, mas como o lema deste ano já fala: A música não pode parar. A apresentação será por conta da jornalista Luiza Mendes e Alan Black, vocalista do Rastafeeling.

Também foi um espaço para criticar o racismo e lembrar de músicos que foram vítimas da pandemia

O objetivo também é resssaltar as representatividades, principalmente os artistas negros, visto que 2020 foi um ano que mostrou como o racismo ainda existe na nossa sociedade. Por isso, a intenção do Hangar de Música é celebrar a participação de mais artistas com diferentes vozes, lutas e estilos. Como resultado, a equipe criou a categoria Vozes Negras na edição deste ano. Entre os homenageados será Pedro Mendes, um dos grandes compositores potiguares que acaba de lançar um álbum novo após  30 anos do último inédito através do Dosol.

O artista terá músicas suas interpretadas por outros cantores, visto que a homenagem nacional é Teresa Cristina e ainda vai haver uma homenagem ao dramaturgo e escritor Junior Dalberto, uma vez que dirigiu várias edições do Hangar e recentemente foi vítima do Covid-19.

Artistas cantarão Pedrinho Mendes, homenageado de 2020

Da obra de Pedro Mendes cantam Rodrigo Mello (Um Pedro A Mais), Khrystal e Sueldo Soares (Negro Professor).  Outras performances da noite são VIC (Gentileza, de Marisa Monte), Pretta Soul (Poder Preto), Felipe Toca e Potyguara Bardo (Diga Sim Pra Mim , de Isabella Taviani), Bruna Hetzel (Summertime, de George Gershwin / DuBose Heyward), Graffith (Suinguão do Graffitão), Ivando Monte (Elogio da Bibi), Nanda Lynn e Lucinha Lira (O Bêbado e a Equilibrista, em homenagem a Aldir Blanc), Tiquinha e Caio Padilha (número instrumental). Por fim, haverá o Forró de Fernandinho Régis e Jaina Elne (Homenagem aos Cantores da Noite).

Haverá participações especiais dos seguintes artistas:

  • João Antônio Vale – Ator,
  • Eliene Albuquerque – Atriz;

A banda da cerimônia é formada por Eduardo Taufic (Piano e Direção Musical), Riberto Taufico (Guitarra), Fábio Isaac (Sax), Ramon Gabriel (percussão), Darlan Marley (bateria), Erick Firmino (Baixo).

Confira a seguir os indicados de cada categoria do prêmio Hangar de Música

Ao todo, os artistas

A seguir, portanto, estão os indicados de cada categoria. Confira:

Revelação musical

Aiyra

Fuxico de Feira

Isadora Rezende

Melly

Pedro Rhuas

Rodrigo Mello

Linguagens Urbanas

Amém Ore

Breno Slick

Diniz K9

Mano Edu

Pretta Soul

Teagacê

Instrumentista do Ano

Etony Luidy – Teclado

Jéssica Menezes – Bateria

Kleytton Farney – Baixista

Vandinho Amaro – Trompete

Weslley Ferreira – Guitarra

Avance para a próxima página para ver as outras indicações.