Uma campanha para ajudar moradores de rua na pandemia

Cidades
Compartilhe:

Muitos moradores de rua de Natal e região Metropolitana estão morrendo por Covid-19 devido à falta de cuidados dos poderes públicos. Atualmente dependem de grupos solidários para receber os mantimentos mais básicos.

Por causa disso, dois projetos estão arrecadando materiais para as comunidades e população de rua. O Natal Invisível e Anjos da Madrugada portanto querem reduzir sofrimento das famílias prejudicadas pela pandemia. O objetivo é atender o maior número de comunidades e moradores de rua possível.

O nome da campanha é “Abrace um Invisível” e é uma ação similar que foi realizada em 2016.

O coordenador do projeto Natal Invisível, Mateus Martins, comenta que queria promover uma ação durante a pandemia e precisava procurar parceiros. Por isso ele conheceu o grupo Anjos da Madrugada que tem bastante experiência na área, uma vez que promove ações em comunidades há mais de 20 anos. “Além disso, distribui refeições e roupas a pessoas em situação de rua, buscando sempre promover a dignidade dessas pessoas”, afirmou.

Dentre os materiais que os dois grupos mais precisam são: Cestas básicas, itens de limpeza, higiene, roupas, edredons, lençóis e dentre outras coisas. As doações vão até 10 de agosto.

Ainda disponibiliza uma conta para quem quiser doar valores e promete acompanhar a distribuição de tudo.

Os pontos de coleta são as lojas Natal Tattoo, Fit Store e Gabriela Azevedo boutique. No final da matéria tem a imagem para mostrar os pontos de coleta com os respectivos telefones, que também são o Whatsapp.

Sobre a Natal Invisível

O projeto Natal Invisível foi criado primeiramente em 2014 e pelo potiguar Mateus Martins, no qual inicialmente coletava depoimentos dos moradores de rua da capital do Rio Grande do Norte. Além disso, o Mateus usa esse espaço para criticar a falta de políticas tanto no Governo do Estado e Prefeitura Municipal.

No ano de 2018, o Natal Invisível e o Brechando fez uma matéria com uma moradora de rua próximo da UFRN, no qual você pode conferir na íntegra a seguir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.