Zé dos Montes

Morre Zé dos Montes, dono do castelo de Sítio Novo

Foi confirmada na noite desta segunda-feira (6) a morte de José Antônio, conhecido como Zé dos Montes, conhecido por construir um enorme castelo na cidade de Sítio Novo, região do Trairi do Rio Grande do Norte. Ele era natural de Pedro Avelino.

O ex- sargento era aposentado quando recebeu a missão de construir este castelo ainda jovem e mais outros dois no interior do Nordeste. A quantidade de construções e onde foram feitas é um mistério até hoje, uma vez que comprou vários terrenos.

O castelo citado contudo fica na Serra do Tapuia, por isso alguns os chamam de Castelo dos Tapuias e foi pauta de várias matérias locais e nacionais. Além disso, era o próprio Zé que fazia o trajeto com os turistas, no qual hoje é administrado pelos filhos.

Castelo de Zé dos Montes foi construído em 84

O enorme monumento foi construído em 1984. Ele teve uma visão de Nossa Senhora e construiu um castelo como homenagem à mãe de Cristo. Montes também construiu castelos na Paraíba e uma casa no bairro das Quintas com formato de castelo.

É considerado um cartão postal do Município. Construção foi feita de pedra e cal e demorou 20 anos para ficar pronto, sempre passara por algumas modificações.

Zé dos Montes apareceu na imprensa pela última vez no ano passado, completamente debilitado, no programa “Domingo Show”, na época apresentado por Geraldo Luís.

Zé dos Montes Zé dos Montes já debilitado com Geraldo Luís no ano passado

Também não se sabe o quanto foi investido na construção, que foi erguida por Zé dos Montes com ajuda de pedreiros contratados por ele.

Carmin

Carmin apresenta de cena de nova peça em live

Como a classe média está vivendo na pandemia? Cheia de White People Problem? Destrinchar esse pensamento através de uma peça teatral é o que está fazendo o grupo Carmin, no qual na próxima quarta-feira (08) exibirá a cena “Desfocado, um pedaço de seu mai novo espetáculo, com o objetivo de promover cultura dentro de casa em tempos difíceis. A apresentação será feita através de uma live no You Tube.

A peça se chama “Gente de Classe”, que fala sobre uma família da classe média brasileira vivendo em um condomínio fechado, sem contato com o mundo externo, precisa se preparar para algo ainda mais preocupante do que a pandemia.

A cena do espetáculo que será trabalhada se chamará Desfocados e será apresentada em uma live no canal do You Tube.

As sessões acontecerão entre os dias 08 e 15 de julho às 20h em nosso canal no youtube.com/grupocarmin , se inscreve e toca o sino para o lembrete.

Após o espetáculo, haverá um papo entre o elenco, equipe e o público.

Este projeto foi contemplado pelo edital simplificado Tô Em Casa E Tô Na Rede, realizado pelo Governo do Estado do Rio Grande Do Norte, através da Fundação José Augusto, órgão similar à Secretaria de Cultura.

Sobre o Grupo Carmin

Foi criado primeiramente em janeiro de 2007, em Natal, com o desejo de pesquisar temas urbanos que pudessem ser retratados de forma cômica. A primeira apresentação foi a peça “Pobres de Marré”, que propõe um olhar sobre a vida de duas moradoras de rua que esperam a chegada de um dinheiro prometido.

Desde a estreia, “Pobres de Marré” já realizou portanto mais de 60 apresentações, em várias cidades brasileiras e também na França. Em 2011, teve início a pesquisa sobre exclusão social dos idoso através de “Jacy”, no qual foi inspirado quando Henrique Fontes achou uma frasqueira de uma senhora desse nome na rua.

A peça estreia nos palcos em 2013, com grande aceitação de público e crítica. Em 2015 estreia “Por Que Paris?”, peça criada a partir da vida e obra da escritora indochino-francesa Marguerite Duras.

Foto: Ian Rassari.

O Grupo Carmin estreou seu 5° espetáculo em 2017,  intitulado “A Invenção do Nordeste”. A montagem é a partir da obra homônima do Prof. Dr. Durval Muniz de Albuquerque Jr. Além disso, marca a estreia de Quitéria Kelly como diretora.

Com roteiro de Henrique Fontes e Pablo Capistrano, a peça narra um diretor de teatro que prepara dois atores para a seleção final de uma produtora “de fora”. A intenção é buscar um ator nordestino, uma vez que possa viver um personagem regional. Ao longo do processo os personagens vão revelando que a tal “identidade nordestina” é de fato uma invenção a serviço da dominação.

A peça foi marcada pelo reconhecimento nacional do Grupo Carmin com o sucesso do espetáculo “A Invenção do Nordeste”, no qual recebeu importantes prêmios de teatro, conforme já falamos no Brechando.

Saiba a ficha técnica do espetáculo

Elenco: Quitéria Kelly, Robson Medeiros e Mateus Cardoso
Dramaturgia: Henrique Fontes e Pablo Capistrano
Direção e Dramaturgia Audiovisual: Pedro Fiuza
Produção Executiva: Mariana Hardi
Assistência de Direção: Tereza Duarte
Edição e Design de Animação: Juliano Barreto
Desenho, Edição e Mixagem de Som: Marc Abillama

Café Filho

Já tivemos um presidente protestante: Café Filho

Muitos consideram Jair Bolsonaro considerado o priomeiro presidente da República da ala protestante. Entretanto, o Café Filho, o único potiguar que assumiu a presidência da República, cresceu na Igreja Presbiteriana. Além disso, vamos contar o lado religioso do político a seguir. Café Filho foi criado numa família Presbiteriana. Seu pai foi presbítero na Igreja que existe até hoje por trás da Prefeitura do Natal.

Alguns historiadores ainda comentam que a infância do potiguar era frequentar os cultos e a Escola Dominical. No ano de 1910, a família decidiu migrar para a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil, segunda Igreja evangélica mais antiga da capital, foi fundada em 20 de abril de 1911.

Em 1912, o pai de Café Filho assumiu a unidade do Alecrim, com a finalidade de demonstrar compromisso com a Igreja. Em 1913, foi designado representante da igreja no presbitério, o primeiro na história da instituição em Natal. Foi também o primeiro tesoureiro da igreja, em 1914, revelando assim o grau de envolvimento da família Café na vida da igreja.

Vida política

Além de dedicar ao presbiterianismo, ele trabalhou como jornalista e político. Esteve exilado na Argentina por criticar ao Estado Novo e a Igreja Católica, fazendo com que Vargas relutasse Filho no que seria seu último mandato.

Mesmo assim, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) formalizou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o seu nome como vice.

Em novembro de 1955 foi afastado da presidência por motivos de saúde, assumindo em seu lugar o presidente da Câmara, Carlos Luz,  deposto logo em seguida por tentar impedir a posse do presidente eleito Juscelino Kubitschek. Café Filho apoiava o candidato general Juarez Távora, opositor de JK.

O segundo evangélico na presidência do Brasil, portanto, foi Ernesto Geisel, que era membro da Igreja Luterana, no qual prometeu uma abertura do poder lenta e gradual. Foi o penúltimo presidente da Ditadura Militar.