Quais são os estados que estão mais praticando o isolamento social?

A Inloco é uma empresa de marketing digital de Recife,  que utiliza o geoprocessamento para localizar os clientes em potencial e, assim, fazer ações de venda de uma forma correta.  No entanto, ela resolveu criar um plano de controle neste momento de epidemia.

“A In Loco possui uma tecnologia que entende o comportamento de localização de 60 milhões de brasileiros. Ela foi desenhada para não identificar as pessoas, garantindo sua privacidade e anonimato”, disse a empresa em seu site oficial.  Sim, o seu GPS está ajudando a mapear aqueles que estão isolados.

“Nosso papel na luta contra a COVID-19 é prover inteligência para conter o avanço da doença sem a necessidade de uma política de vigilância. Quando a situação de emergência acabar, os dados coletados para esse fim serão deletados”, garantiu a empresa.

Mas, quais os estados que estão isolados ?

De acordo com a empresa, 53,9% dos brasileiros estão isolados em suas casas, sendo que o estado com maior número é Goías, com um pouco mais da metade da população está em quarentena (59,59%). Em seguida vem o Distrito Federal (59,04%), Ceará (57,04%), Rio Grande do Sul (56,73%) e Piauí (55,89%).

Vale lembrar que os cearenses são os mais infectados no Nordeste, com quase mil casos.

Pesquisadores da Rede CoVida indicam que o Ceará deve ser o primeiro estado a atingir o pico de infecções pelo novo coronavírus, no dia 25 de abril. Além disso, o relatório estima que o estado deve superar os 3 mil pacientes com a doença ainda nesta semana e ficar em segundo lugar entre os mais afetados do país, perdendo apenas para São Paulo.

Já o Rio Grande do Norte é o 11º estado com o maior número, representando 54,59% da população e o terceiro estado nordestino com maiores casos da Covid-19. Isso bate com a pesquisa que o Brechando divulgou nesta quinta-feira (2), no qual 58% dos natalenses afirmaram que estão em isolamento social. No entanto, o RN é o último estado, segundo In Loco, com bom índice de isolamento social.

Esse número é preocupante, visto que estados como Rio de Janeiro e São Paulo, os maiores números de infectados, tem apenas 53% da população dentro de suas residências.

Já o estado com menos isolados está Tocantins, com 47, 53% dos habitantes dentro de suas casas. A seguir, o ranking dos estados que mais respeitam a quarentena:

Número de infectados e o isolamento social no Brasil

As secretarias de Saúde divulgaram, até as 8h40 desta segunda-feira (6), 11.298 casos confirmados do novo coronavírus, com 489 mortes pela Covid-19. Apenas dois estados ainda não registraram mortes: Acre e Tocantins. Na noite de domingo (5), o Pará registrou mais casos e a segunda morte pela doença, uma mulher de 50 anos que morava em Belém.

De acordo com a live do cientista Átila Iamarino, realizada neste domingo (5), o isolamento social está ajudando a diminuir o número de infecções, permitindo o achatamento da curva, mas alertou o problema de alguns políticos que espalham Fake News sobre o assunto.

Para saber todos os detalhes, veja o vídeo a seguir:

máscaras

Hering e Guararapes farão máscaras para população potiguar

Em um acordo feito pelo Governo do Estado, numa videoconferência realizada na sexta-feira (3), as indústrias Hering e Guararapes produzirão sete milhões de máscaras para a população. Para dar conta do volume de produção, serão acionadas as 78 oficinas de costura que fazem parte do programa Pró-sertão. Cada unidade fabril irá produzir 8.400 peças por dia. Diferente do modelo N95 de TNT, utilizadas por profissionais da saúde, as máscaras produzidas pelas oficinas serão feitas de malha, seguindo orientações do próprio Ministério da Saúde e serão destinadas à população em geral.

O objetivo é dar maior agilidade na produção e o melhor aproveitamento de materiais disponíveis no mercado que podem ser destinados a pessoas que não trabalham no setor. Com isso, o Estado garante que as máscaras homologadas pela Anvisa (N95) , já em circulação, cheguem aos médicos e enfermeiros, expostos a uma carga viral bem maior, e ao mesmo tempo fornece uma opção viável para a população.

Além disso, as máscaras podem ser higienizadas e reaproveitadas pelos usuários.  A Guararapes já estava produzindo 200 mil peças em TNT para doação aos profissionais de saúde, uma vez que seguem as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas).

Os empresários decidiram de forma unânime produzir os itens de malha a preço de custo. Os itens serão adquiridos pelo Governo do Estado e disponibilizados gratuitamente à população.

A Heing foi fundada pelos irmãos alemães Bruno e Hermann Hering em 1880, na cidade de Blumenau (SC), a Cia. Hering é uma das mais antigas companhias brasileiras ainda em atividade, que uma de suas fábricas estão localizadas na cidade de Parnamirim. Já a Guararapes é uma confecção criada na segunda metade do século XX por Nevaldo Rocha e é considerada uma das maiores empresas do Rio Grande do Norte.

No entanto não foi divulgado quando as máscaras serão entregues para população e muito menos como será feita a distribuição. Atualmente, o Rio Grande do Norte tem mais de 200 casos confirmados do novo Coronavírus e mais de 2 mil suspeitos. Foi no estado que teve a morte do mais jovem brasileiro portador do Covid-19, que foi Matheus Aciole, de 23 anos, que atuava como gastrólogo na capital potiguar.

Parnamirim

Você sabia que Parnamirim já teve outro nome ?

Parnamirim é uma cidade que todos conhecem e fica bem próximo de Natal. É normal os natalenses e os naturais de parnamirim se cruzarem pelas duas cidades para realizar atividades socioecônomicas. O segundo maior município da Região Metropolitana foi fundado em 1958, após deixar de ser distrito da capital potiguar. O local foi usado como base militar para os Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.

A origem do nome Parnamirim vem da expressão “Paranã-mirim” da língua tupi, que significa “rio pequeno”, de paranã “rio volumoso; mar” + mirĩ “pequeno”.[13] Apesar de ainda hoje existirem vários rios e riachos na área que corresponde ao município de Parnamirim, acredita-se que o “Paranã-mirim” conhecido pelos índios potiguares, habitantes da capitania do Rio Grande na época da colonização (século XVII), tenha sido algum curso d’água já desaparecido. Mas, vocês sabiam que ela já teve um outro nome ?

Em 1973, sem consulta à população local, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte mudou o nome do município para “Eduardo Gomes”, o objetivo era agradar os militares da Força Aérea, visto que era o patrono da Aeronáutica e a única relação dele com o estado era que ele foi ministro na gestão de Café Filho, o único potiguar que assumiu a presidência da República. A ideia de alterar foi feita pelo deputado Moacir Duarte, genro de Dinarte Mariz, um dos apoiadores da Ditadura Militar.

Os habitantes de Parnamirim não aceitaram esse “novo nome” e muito menos o homenageado foi ao município para agradecer a “homenagem”. Então, um grupo de moradores e comerciantes fizeram uma forte campanha para resgatar como a cidade ficou realmente conhecida e identificada pelos moradores.  Após cinco anos de luta dos moradores da cidade de Eduardo Gomes para a volta do nome original da cidade Parnamirim, os 48 mil habitantes comemoraram a aprovação na Assembleia Legislativa do retorno ao nome original com muita alegria.

O desejo de voltar às origens veio durante a democratização no Brasil, quando o comerciante José Siqueira, dono da loja de ferragens Casa Parnamirim, que por insistência deixou esse nome na sua loja para mostrar como o município era conhecido, fez um abaixo-assinado onde foi coletada 4665 assinaturas. Então, o deputado estadual Rui Barbosa criou um projeto que foi aprovado à volta de Parnamirim.

Este foi um exemplo que a resitência de moradores pode conseguir chegar em algum lugar.