Luan Bates

Escute o mais novo single de Luan Bates

Além de ser Valentine’s Day, o  cantor potiguar Luan Bates lançará, nesta sexta (14),  a versão alternativa de “Damned Poetry”, último single do álbum “The Morning Sun”. A canção estará disponível em todas as plataformas via streaming. Luan Bates faz parte do atual cenário efervescente de Natal, trazendo um som distinto em relação às demais bandas da cidade, com influências do rock da década de 1990, folk e country alternativo, mas mantendo a tradição natalense/potiguar de letras escritas em inglês.

A canção do “Damned Poetry” tem forte influência de bandas como New Radicals, Stone Temple Pilots, Oasis e dentre outros artistas que foram sucessos nos anos 90.  “Damned Poetry é, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre os desafios da vida e o desejo de enfrentá-los, e uma homenagem às inspirações que me fizeram escrever todo o disco”, disse o cantor.

Escute o single a seguir:

Luan já conta com dois EPs lançados sob outros codinomes: o homônimo Scangledcrow (2014) e o Guia Prático Contra o Bloqueio Criativo, sob o nome Tendre (2016). Ainda em 2016, Luan lançou seu primeiro EP “apropriadamente” solo, “Listen Up, Mates”, com três faixas que elaboram o início de uma autobiografia entre o final de sua adolescência e o início de sua vida adulta.  Ao mesmo tempo que lançava a sua carreira solo surgiu a ideia de criar o selo Nightbird. Seu trabalho seguinte, “Distant Minutes” dá continuidade a essa biografia, compartilhando observações sobre o início da vida noturna de Bates em sua cidade.  O primeiro álbum do músico foi lançado em 2018 e existe a expectativa de um segundo trabalho ainda para esse ano.

Além disso, foi integrante da banda Seu Ninguém.

Brechando falou sobre o surgimento de seu nome artístico, que pode ser visto aqui. “(Risos) Pior que não. Foi uma homenagem a uma amiga que tinha no Orkut chamada Alana e ela tinha esse sobrenome Bates. Até hoje nem sei se ela existe ou era uma fake, mas a gente se conheceu em uma comunidade. Um belo dia, ela casou e trocou este sobrenome. Mas achava tão legal o Bates, combinava tanto com ela e resolvi fazer essa homenagem.”.

Foto acima do título: Clara Cortez.

festival da Ginga

Ginga com Tapioca é tema central de festival

Ginga com Tapioca é aquela mistura que todo natalense gosta e é a cara da praia da Redinha. No mesmo local,  próximo sábado (15), a partir das 09h, vai acontecer o quarto Festival da Ginga, que será promovido pela Prefeitura do Natal. Ao todo, 16 comerciantes do Mercado da Redinha e de restaurantes da praia participarão do concurso gastronômico tendo a ginga como a base dos pratos. Cinco jurados do segmento gastronômico natalense avaliarão os pratos e premiarão os três primeiros colocados. O evento acontecerá na Praça do Pescador.

Além do Festival Gastronômico, vai rolar também mais uma edição do evento Viva Natal! Serão realizadas atividades de ritbox, muay thai, remo e o programa Natal Praia Inclusiva, que oferece o amparo técnico para as pessoas com deficiência que desejam tomar banho de mar. E na programação cultural vai rolar muita música bacana com Nara Costa, Debinha Ramos e Banda do Suvaco do Careca para animar o público durante o Festival da Ginga.

No ano passado, a  governadora do estado, Fátima Bezerra  sancionou uma lei que considera como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio Grande do Norte a Ginga com Tapioca, um prato típico da capital potiguar. A sanção foi publicada nesta quinta-feira (31) no Diário Oficial do Estado. Todo mundo que pisa no Mercado da Redinha sabe que a parada obrigatória é sentar nas suas mesinhas e procurar uma garçonete aquela ginga bem quenbtinha

Em 2014 foi criada uma petição criada convocando os apreciadores da iguaria a promover o prato a Patrimônio Imaterial do RN. Parece que deu certo, não é mesmo ?

 

Ver essa foto no Instagram

 

Ginga com Tapioca é aquela mistura que combina perfeitamente, né?! Que tal aproveitar um festival dedicado exclusivamente à essa iguaria que é a cara de Natal? Neste sábado (15), a partir das 9h, vai acontecer, na praia da Redinha, o 4º Festival da Ginga promovido Prefeitura do Natal. Ao todo, 16 comerciantes do Mercado da Redinha e de restaurantes da praia participarão do concurso gastronômico tendo a ginga como a base dos pratos. Cinco jurados do segmento gastronômico natalense avaliarão os pratos e premiarão os três primeiros colocados. Além do Festival Gastronômico, vai rolar também mais uma edição do #VivaNatalnaPraia ! Serão realizadas atividades de ritbox, muay thai, remo e o programa Natal Praia Inclusiva, que oferece o amparo técnico para as pessoas com deficiência que desejam tomar banho de mar. E na programação cultural vai rolar muita música bacana com Nara Costa, Debinha Ramos e Banda do Suvaco do Careca para animar o público durante o Festival da Ginga.  #FestivaldaGinga #ginga #turismo #cultura #esporteelazer

Uma publicação compartilhada por Viva Natal (@vivanataloficial) em

Guararapes

Guararapes e as empresas com nomes de guerra

O Grupo Guararapes Confecções é um grupo empresarial brasileiro, mais precisamente do Rio Grande do Norte, e é considerado o maior da América Latina no ramo têxtil e de confecção de roupas. Tudo começou em 1947, quando Nevaldo Rocha cria a loja de roupas A Capital em Natal. Oito anos depois, ele funda a fábrica Guararapes no Recife e depois a transfere para a capital do RN. Em 1979, o grupo comprou a rede Lojas Riachuelo, assim, expandindo-se para o mercado do comércio e varejo.

E no ano de 2005, em Natal, eles criam o shopping Midway, o maior da cidade. Mas, o que Guararapes, Midway e Riachuelo têm em comum? Todos os nomes foram baseadas em três guerras que vamos explicar a seguir:

Guararapes

Morro do Guararapes, onde aconteceu a briga entre Portugal x Holanda

Foi a batalha que expulsou os holandeses no Brasil, que na época era uma colônia portuguesa. Por causa da cana de açúcar, a Holanda invadiu o Nordeste brasileiro, principalmente Pernambuco, onde eles desenvolveram bastante na região. Eles também pisaram no Rio Grande do Norte, onde surgiu os Mártires de Uruaçu e Cunhaú.

A Batalha de Guararapes foi uma batalha travada em dois confrontos — primeiro em 18 e 19 de abril de 1648 e depois em 19 de fevereiro de 1649 — entre o Exército da Holanda e os defensores do Império Português no Morro dos Guararapes na então Capitania de Pernambuco.

A dupla vitória portuguesa nos montes Guararapes é considerada o episódio decisivo da Insurreição Pernambucana, que pôs fim às invasões holandesas no Brasil e ao chamado “Brasil Holandês” no século XVII. A assinatura da capitulação neerlandesa deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios batavos em direção à Europa.

A data do primeiro confronto, 19 de abril de 1648, no qual a tropa portuguesa era formada majoritariamente por brasileiros (brancos, negros e ameríndios) com o objetivo comum de expulsar o invasor estrangeiro, é considerada o início da construção da nacionalidade brasileira, e foi adotada oficialmente como o dia do surgimento do Exército Brasileiro.

Riachuelo

Batalha do Riachuelo travou-se a 11 de junho de 1865 às margens do arroio Riachuelo, um afluente do rio Paraná, na província de Corrientes, na Argentina. Essa é considerada pelos historiadores militares como uma das mais importantes batalhas da Guerra do Paraguai (1864-1870), que deixou o Exército Brasileiro poderoso e ajudou a influenciar no fim do Império Brasileiro, dando início a República.

Em jogo estava o poder sobre o rio, que era o acesso do Paraguai ao mar. Foi uma luta de quatro horas, que encheu o rio de fumaça, sangue, barulho de canhões, tiros e gritos. Os primeiros navios que debandaram foram os paraguaios. A saída fluvial para o mundo estava perdida. Após o embate no rio, havia tanta fumaça vinda dos canhões e da chaminé dos barcos que mal se viam os navios em guerra. Cortando o nevoeiro negro, duas fragatas brasileiras, atingidas pelos canhões paraguaios, rumaram para os bancos de areia na tentativa desesperada de encalhar para não afundar.

Outro barco teve o leme despedaçado e abrigou uma luta de espadas, baionetas e fuzis que deixariam mais de 200 mortos. Por toda aquela curva do rio Paraná, em frente à foz do riacho de Riachuelo, ainda ouviam-se explosões, berros e sobretudo o zumbido dos quase 6 mil fuzis em ação.

A Batalha de Ricahuelo fora planejada pelos paraguaios como um ataque de surpresa. Porém, o plano não deu certo, uma vez que os  brasileiros avistaram as embarcações paraguaias se aproximando.

Midway

Batalha de Midway aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial. Foi uma batalha aeronaval travada em junho de 1942 no Oceano Pacífico entre as forças dos Estados Unidos e Japão, seis meses depois do ataque japonês a Pearl Harbor, que marcou o início da Guerra do Pacífico e a entrada dos EUA ao combate Aliados x Eixo. O resultado da batalha foi uma decisiva e crucial vitória para os norte-americanos, lembrada como o mais importante confronto naval da Segunda Guerra, marcando o ponto de virada no conflito e causando aos japoneses a perda de quatro porta-aviões e dois cruzadores de sua frota, além de duzentos pilotos navais, na frustrada tentativa de invadir e ocupar o atol de Midway.

Gostou dessa curiosidade?