Jogo potiguar “Chama” recebe quatro prêmios

O jogo potiguar “Chama” venceu quatro prêmios no Game Jam +, que aconteceu no Rio de Janeiro neste último fim de semana. Eles receberam melhor som, melhor conceito, 2º lugar como melhor apresentação (pitch) e a terceira colocação de melhor jogo da disputa. O prêmio foi recebido por Robson Talbone, um dos desenvolvedores do jogo e foi pessoalmente ao Rio para receber estes prêmios, junto com outros desenvolvedores potiguares de jogos.

Game Jam + é uma competição em que reúne diversos desenvolvedores, no qual tem que desenvolver jogos durante 48 horas. Dividido em três etapas, ocorre de forma simultânea em 30 cidades brasileiras. Também participam cidades da África do Sul, Bolívia, Irlanda e Portugal. Durante essas etapas, serão selecionados e premiados os jogos vencedores da maratona em 2019. Além de esenvolver um jogo, os competidores precisam fazer  planejamento de marketing e negócios. Ainda elaboram um Pitch (formato específico de apresentação) para uma banca avaliadora. Desta forma será eleito um vencedor para cada região.

O “Chama” é um jogo inspirado no Just Dance e Guitar Hero, no qual faz com que os usuários dance as músicas nacionais. Atualmente, eles estão procurando investidores, uma vez que terá de pagar salários, servidores e contratos, principalmente na parte musical, uma vez que a renda das canções será dividida com o artista.  De acordo com o Robson Talbone, um dos idealizadores do Chama!, a interface do “jogo promete ter elementos de arte urbana, com paleta de cores festivas e alegres”.

O jogo consiste na seguinte forma: você seleciona uma música que lhe mais identifica, escolher o personagem que mais identifica, podendo personalizá-lo do seu jeito, e com os polegares você simula algum passo de dança ao ritmo da canção. Quanto mais passos acertar, mais pontos você ganha e o seu rendimento ganha destaque. Assim, você pode desenvolver múltiplas coreografias possíveis. Além disso, a jogatina promete ter versões para o Bailão (aquele funk bem popular, que toca atualmente nas rádios e streaming, aquele que faz a gente rebolar), pagode, forró e tecnobrega.

A intenção é valorizar culturalmente os ritmos brasileiros. E aí, topa em jogar? Inicialmente, o jogo vai estar disponível em versão funk e estamos esperando ficar pronto.

Projeto de como ficará a interface do jogo (Fotos: Divulgação)

Este não é o primeiro jogo genuinamente potiguar, a gente já falou do Dolmen, desenvolvido pela Massive Work Studio, no qual pode consultar a matéria a partir deste link.

Setor de serviços e comércio são os únicos que emprega em CLT no RN

Um estudo feito pelo Sebrae mostra que nos nove primeiros meses de 2019 as empresas de serviço contratou 45% das pessoas com carteira assinada em todo o estado. Já o comércio é o segundo segmento com mais gente empregada, com 110.162 pessoas contratadas formalmente. Ou seja, apenas esses setores que estão contratando via Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Enquanto boa parte dos outros setores estão contratando pessoas via pessoa jurídica, o setor de serviço e comércio respondem por 70,7% do estoque de empregos no Rio Grande do Norte, que, em setembro, chegou a 427,3 mil vagas ocupadas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregado s (Caged), do Ministério da Economia, e constam na edição 45 do Boletim dos Pequenos Negócios do RN, um informativo trimestral elaborado pelo Sebrae no Rio Grande do Norte que traz os principais indicadores da economia potiguar e os reflexos para o segmento das micro e pequenas empresas.

De acordo com o estudo, o setor de serviços continua na liderança da abertura de novas frentes de trabalho no RN durante os nove primeiros meses de 2019. As empresas ligadas à prestação de serviço foram responsáveis por trazer para o mercado de trabalho formal um contingente de 2.986 potiguares.

O aquecimento o mercado de trabalho formal no RN foi o sétimo melhor da região Nordeste no acumulado do ano. Isso porque os estados de Alagoas e Sergipe apresentaram saldos negativos, em 2.240 e 1.065 vagas encerradas respectivamente, e a Bahia foi recordista em contratações, com um saldo de 38.002 vagas, seguida do Maranhão (9.418 vagas), Pernambuco (5.895 vagas), Ceará (5.090 vagas), Paraíba (4.674 vagas) e Piauí (3.299 vagas).

Segundo o estudo, as microempresas até agora têm segurado as baixas registradas no mercado de trabalho formal e foram as que mais abriram novas vagas até o terceiro trimestre do ano. As organizações desse porte criaram 4.987 novas vagas no RN e foram as únicas a ter um número maior de contratações frente às demissões. As empresas de demais porte todas tiveram baixas de empregados no acumulado do ano.