3 03America/Bahia setembro 03America/Bahia 2019 – Brechando

Projeto Acalanto faz aniversário e você pode ajudar no presente

Projeto Acalanto faz um aniversário especial para ajudar o seu projeto

O Projeto Acalanto Natal é uma sociedade civil e assistencial, sem fins econômicos, composto por um grupo de pessoas amigas da comunidade que voluntariamente propuseram-se a desenvolver um trabalho de esclarecimento, estímulo e encaminhamento à adoção, tendo como objetivo básico evitar a institucionalização de crianças e adolescentes e prevenir o seu abandono e marginalização. Para comemorar os 23 anos do projeto e pedir doações, será celebrado no dia 15 de setembro o aniversário do projeto, que será um almoço de família no Buffet Happy Day, das 12 às 15 horas. As senhas custam R$ 50,00 para adultos e R$ 25,00 para crianças (até 05 anos é de graça).

“Faremos um almoço completo, com feijoada, saladas, tortas e outros pratos salgados, inclusive vegetarianos. O almoço inclui opção de sobremesa e bebidas não-alcoólicas. Todos os brinquedos do Happy Day estarão disponíveis as crianças para brincar a vontade”, disse a organização do evento.

Mas, como você pode fazer a doação? Aqui vai a lista de algumas coisas que o projeto Acalanto recomendou:

  • Indo ao evento;
  • Doando gêneros alimentíceos para serem servidos no dia (tudo é doado);
  • Adquirindo uma senha para presentear uma criança/adolescente de uma instituição de acolhimento;

As senhas estarão a venda na sede do Acalanto, com voluntários e na Dental Médica.

Mas, se você não poder ajudar? Você pode colocar seu dinheiro na conta do próprio projeto, os dados serão apresentados a seguir:
Agência: 1533-4
Conta-Corrente: 113180-x

Almoço de Família, Aniversário de 23 anos, do Projeto Acalanto
Endereço: Rua Isaac Pimentel, 2010, Lagoa Nova, na lateral do Parque das Mangueiras, próximo a UNP da Nascimento de Castro. 🗺
Maiores informações:
(84) 3219-3523
(84) 99117-7732

Setembro Amarelo: por que se prevenir ?

setembro amarelo prevenir

O setembro amarelo chegou e o Brechando, novamente, está batendo na tecla em ajudar o próximo a melhorar a saúde mental. Por isso, criamos um tópico para tirar todas as suas dúvidas sobre saúde mental, depressão e o que significa a campanha. Estamos na luta para você prevenir as doenças mentais, seja qual for que tipo.  Por isso, serão realizadas ao longo do mês, várias campanhas nas redes sociais do Brechando (não deixe de nos seguir) para conscientizar os brecheiros. Para mais detalhes a seguir:

O que é o Setembro Amarelo?

Com certeza hoje você já viu (além das mensagens fofinhas de incentivo da sua tia) seus amiguinhos também compartilhando good feelings nos seus feeds e stories. Estamos falando do Setembro Amarelo que apesar de bastante conhecido, ainda há quem não saiba do que estamos falando. Pensando nisso, nós do Brechando decidimos fazer uma “baita” campanha em prol desse bonito movimento.

Continue a leitura para entender melhor!

O que é?

O Setembro Amarelo é uma campanha, criada em 2015, com o intuito de prevenir o suicídio, que, segundo a Organização Mundial da Saúde ( OMS), só aqui no Brasil vitimiza uma pessoa a cada 45 minutos. Segundo a Wikipédia, a campanha acontece no mês de setembro por causa do Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, celebrado no dia 10 de setembro. A ideia por trás da campanha é quebrar o tabu do suicídio por meio de debates e também pelas inúmeras mídias presentes no dia a dia.

Por que amarelo?

Em 1994, um adolescente americano, de 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo seu carro, de cor amarela. Seus amigos e familiares distribuíram no funeral cartões com fitas amarelas e mensagens de apoio para pessoas que pudessem estar enfrentando sofrimento semelhante ao que vitimizou o jovem Mike. Já que “juntos somos mais fortes”, a mensagem foi se espalhando mundo afora.

(Vale ressaltar que a campanha criada por seus parentes e amigos diferia de nome, sendo chamado de “fita amarela”, do inglês “yellow ribbon”.)

Mas o Setembro Amarelo é somente sobre depressão?

Não, a campanha é em nome de vários problemas de saúde mental que levam ao suícidio. As doenças e transtornos mentais afetam mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), entre 75% e 85% das pessoas que sofrem desses males não têm acesso a tratamento adequado. No Brasil, a estimativa é de que 23 milhões de pessoas passem por tais problemas, sendo ao menos 5 milhões em níveis de moderado a grave.

!function(e,t,s,i){var n=”InfogramEmbeds”,o=e.getElementsByTagName(“script”)[0],d=/^http:/.test(e.location)?”http:”:”https:”;if(/^\/{2}/.test(i)&&(i=d+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var r=e.createElement(“script”);r.async=1,r.id=s,r.src=i,o.parentNode.insertBefore(r,o)}}(document,0,”infogram-async”,”https://e.infogram.com/js/dist/embed-loader-min.js”);

Alguns dados (e mitos) para se ter em mente

– No Brasil, o suicídio é considerado problema de saúde pública, tendo sua ocorrência aumentado entre jovens entre 15 a 29 anos;

– No Reino Unido, os dados são alarmantes: adolescentes entre 12 e 15 anos, vítimas de bullying, apresentam chances de cometerem suicídio até três vezes maiores que o normal, além de provocar ansiedade, insônia e até mesmo evasão escolar;

– De acordo com estatísticas mundiais, anualmente 800 mil pessoas tiram a própria vida.

– “Quem quer se matar não diz que vai se matar”. Sabemos muito bem que a conversa não é essa. Geralmente após o ato consumado, familiares e amigos passam a relatar que a vítima sempre comunicou, de forma direta ou indireta suas intenções. Toda e qualquer intenção suicida deve ser levado a sério.

– “Quem tentou cometer suicídio não volta a tentar outra vez”. Na verdade, as tentativas de suicídio é um indicador de que o ato poderá vir a ser consumado numa tentativa vindoura.

– “Não vamos falar de suicídio, pra não atrair”. Muitos acreditam que falar sobre suicídio pode aumentar a incidência. Entretanto, é preciso falar corretamente sobre o assunto para se evitar falsas informações (por isso falar é importante) e estigmas em torno da vítima.