Garage Sounds aterrissa em Natal neste sábado

O Garage Sounds começou no ano de 2017 como um simples festival em Fortaleza, misturando atrações locais e nacionais. Seguindo uma fórmula de eventos europeus e norte-americanos, o Garage Sounds, já em seu segundo ano, pegou a estrada e foi realizado em cinco capitais do Norte e Nordeste.  Foi aí que Natal entrou em cena e vai ter sua segunda edição neste próximo sábado (27), na Arena das Dunas, com o melhor do Rock e Rap nacional e contando também com bandas destaques no cenário norte-rio-grandense.

Entre as bandas de renome nacional que passarão pelos palcos do festival este ano, Dead Fish e os seus mais de 30 anos de carreira, na turnê do seu disco mais novo “Ponto Cego” lançado no final de maio com ótima recepção pela crítica; Krisiun, uma das bandas de metal brasileiras mais renomadas em todo mundo; Surra, que também vem lançando disco novo “Escorrendo pelo Ralo”; Molho Negro e seu rock visceral, direto do Pará, no melhor momento da carreira; Esteban com suas composições e melodias que passeiam entre o pop, o indie e a música argentina e Froid, um dos maiores nomes em ascensão no rap nacional.

Do rock alternativo ao death metal, passando pelo hardcore, punk, emo, thrash e até psicodélico. Ao todo, passarão pelos palcos no Arena das Dunas este ano: Krisiun, Dead Fish, Froid , Esteban (ex-banda Fresno), Surra, Molho Negro (já tocou no festival Dosol), Lemori, Mar Morto, Rieg, Chancho, Primordium, Mad Grinder, Concílio de Trento, Morto, Born to Freedom, Fukai, Demonia, Cazasuja, Bear Fight, Heavenless, O Nobre, Joseph Little Drop, Piscadela Verde e Ravanes.

Além dos shows, o evento contará ainda com um espaço gastronômico com opção vegana e bancas com vendas de materiais das bandas que se apresentam no festival.

Concílio de Trento e Born to Freedom são as atrações potiguares (Foto: Divulgação)

Em 2019, a turnê do festival conta com 13 cidades, são elas: Curitiba, Santos, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Aracaju, Maceió, Recife, Natal, Fortaleza, Manaus, Belém, Salvador (Side Show) e João Pessoa (Side Show). O evento irá percorrer mais de 5.000km somando todas as datas. Os ingressos para o festival podem ser comprados através do site oficial do evento.

Além das 13 datas realizadas em todo o Brasil, o festival este ano também passou por Amsterdam, onde o evento ocorreu em 20 de abril, com 12 bandas de três países. As holandesas: The Dolly Adlers, Whooom, Big Daddy’s Breakfast Voodoo, BEP, El Fatso, Heavy Whipped Cream, Downtown District, The Killjoys, Lifeless Past, Shaemless. A brasileira Minerva e a belga The Priceduifkes.

Que região de Natal é esta foto ?

Essa foto mostra o início do conjunto Ponta Negra quando foi recém-entregue. As casas, que possuiam três formatos difetentes apresentando um estilo arquitetônico modernista (muito utilizado nos anos 60 e 70)., ficam em um terreno 130 hectares de terras do empresário Osmundo Faria, pai do ex-governador Robinson Faria, que possibilitou a construção de conjuntos habitacionais com casas e apartamentos.

Depois vieram os conjuntos Alagamar; em 1989, o Serrambi I, e em 1981.

Uma das primeiras referências históricas a Ponta Negra é a descrição do período da ocupação holandesa, em 1633, na Cartografia do Rio Grande do Norte. Registros de 1877 dão conta de uma casa de oração na povoação de Ponta Negra e de uma escola pública para o sexo masculino. Estima-se que, até o século passado, a Vila de Ponta Negra era habitada por indivíduos ligados à atividade pesqueira. Havia, entretanto, roçados para ajudar na economia doméstica, além do trabalho de renda de almofadas feito por mulheres.

Após a 2ª Guerra Mundial, com a influência norte-americana de banhos de mar, foram iniciadas construções de casas de veraneio.

O desenvolvimento da Vila, núcleo do povoamento da área, teve início na década de 40. Nesse período, o Governador José Varela construiu o primeiro chafariz, localizado atrás da igreja e reconstruído, em 1931, pelo Bispo Dom Marcolino Dantas. No Governo Aluízio Alves, outro chafariz foi construído na Rua do Corrupio e implantada energia elétrica.

Foi somente no final dos anos 70 que começaram a construir conjuntos habitacionais  em todas as quatro zonas urbanas da cidade. Antes,  região era ocupada basicamente por casas de veraneio na praia de Ponta Negra e  hoje é reduto de centros comerciais, supermercados, equipamentos hoteleiros e diversos usos e tipos edilícios que alimentam a dinâmica de mercado turístico e de entretenimento

Ponta Negra foi considerado um bairro a partir de 1994 e teve os seus limites definidos no mapa de Natal.