6ª Mostra de Cinema de Gostoso segue com inscrições abertas

A Mostra de Cinema de Gostoso, realizada no município de São Miguel do Gostoso, que fica no litoral Norte do Estado, segue com as inscrições abertas para a sua sexta edição, marcada para acontecer entre os dias 08 a 12 de novembro. Para se inscrever basta clicar neste link aqui. Todas as atividades oferecidas – sejam mesas de debate, seminário, exibição de filmes e cursos de formação – são gratuitas.

Detalhe que pode se inscrever obras não apenas do Rio Grande do Norte, uma vez que o evento tenta atrair pessoas do Brasil inteiro.

Durante cinco dias o público poderá assistir aos mais recentes lançamentos cinematográficos brasileiros, pois serão exibidos mais de 60 filmes de todo o país, entre as mostras: Competitiva, Panorama, Infantil e Sessões Especiais. Os filmes da Mostra Competitiva concorrem ao Troféu Luís da Câmara Cascudo, concedido pelo voto popular ao melhor curta e longa-metragem. Também será concedido o Prêmio da Crítica, a partir da votação de jornalistas e críticos de cinema presentes à Mostra. Debates com produtores, diretores e atores dos filmes exibidos e um seminário sobre o mercado audiovisual fazem parte da programação.

São mais de 2 mil pessoas por noite, nas quais todas as cadeiras e parte da faixa de areia ficam ocupadas pelo público, além de uma área de convivência montada próximo do acesso à sala, com praça de alimentação e espaço para comerciantes locais.

O evento mobiliza os moradores da cidade, que participam ativamente. A curadoria do festival leva em conta a realidade local e a eficácia dos filmes em dialogar com a população. A soma desses fatores faz com que as sessões estejam sempre lotadas por um público que, até então, mantinha um contato distante com a produção cultural de outras regiões do país. E foi com esse conjunto de ações que a Mostra conquistou um espaço significativo no calendário cultural do Nordeste, atuando como uma importante referência de difusão audiovisual.

A 6ª Mostra de Cinema de Gostoso tem o patrocínio do Grupo Banco Mundial, Governo Cidadão, Governo do Rio Grande do Norte – Secretaria de Turismo (SETUR) e apoio da Prefeitura Municipal de São Miguel do Gostoso e SEBRAE RN.

Obra de Dorian Gray no colégio Padre Miguelinho é deteriorada

O Grupo Escolar Frei Miguelinho foi criado em 1912, compreendendo três escolas, onde funcionou até 1962. No ano de 1963 foi inaugurado o Instituto Padre Miguelinho, possuindo na época, jardim de infância, curso primário, curso complementar , ginasial e colegial, contando ainda com o curso artesanal e industrial. Com as mudanças ocorridas após a Lei de Diretrizes e Base da Educação, o Instituto Padre Miguelinho passou a ser Centro Escolar, e atendia as escolas do polo leste da capital. Nesta época, o artista plástico potiguar Dorian Gray Caldas fez um painel em uma das salas de aula e hoje está com risco de desaparecer.

A obra se chama “Escoteiros” e foi pintado em 1963. Porém, a escola está passando por uma reforma e por um erro na equipe da construção essa arte quase seria trocada por ladrilhos. Veja a imagem da obra já sendo raspada:

As imagens da obra destruída viralizou nas redes sociais e causou muita revolta aos amantes da arte e da cultura de Natal e do Rio Grande do Norte, onde foram feitas várias postagens criticando a atitude da gestão estadual, além de criticar a falta de zelo ao patrimônio público.  Esta não é a primeira vez que uma obra de Dorian é destruída, o painel feito por ele no prédio onde funcionara o Cine Nordeste também foi retirado.

De acordo com o Governo do Estado, a raspagem na obra  “decorreu de falha na orientação dos profissionais que fazem a reforma da escola.”.  Essa reforma inclui revestimento nas três paredes do auditório, excluindo a que abriga a obra. No entanto, ao iniciar o trabalho, os funcionários que realizavam o serviço entenderam que a cerâmica seria também fixada naquela parede. “Reconhecemos que essa intervenção é indevida e comprometemos a realizar todos os esforços possíveis, junto à família de Dorian Gray, aos órgãos e aos profissionais competentes para restaurar integralmente a importante obra para a educação e a cultura do estado do RN”, disse o Governo por meio de sua conta no Twitter.

Já a Fundação José Augusto, por sua vez, disse que está em contato com a Secretaria do Estado de Educação e Cultura (SEEC) e com a filha do artista, Dione Caldas, para tomar as devidas previdência. “Insisto na profunda e urgente necessidade de se fazer Educação Patrimonial. Para tanto, já assinamos convênio com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que agregará importante contribuição a esta missão.”, disse Crispiniano Neto, diretor geral da FJA.