Aquele momento que descobrimos que uma vereadora de Natal é integrante do LDRV

A vereadora e advogada Natália Bonavides é conhecida pela sua forte atuação na oposição a Prefeitura do Natal, além de criar medidas a favor dos direitos humanos e minorias, descobrimos que a parlamentar é integrante do grupo LDRV, fórum do Facebook que tem mais de 400 mil integrantes e é conhecido pelo conteúdo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) e também pelas altas tiradas de humor, visto que seus integrantes discutem todos os tipos de assuntos, inclusive as bizarrices. Além disso, vários memes da internet começam no grupo.

LDRV é a sigla para a página Lana Del Rey Vevo. Para comprovar que a vereadora está no grupo aqui está o print:

 

Mas, a parlamentar está no antigo “Lust for LDRV” e não entrou na nova era do grupo, assim não está acompanhando as novidades. Procuramos a assessoria de imprensa de Bonavides, que confirmou o perfil não era fake.

No ano passado, a comunidade ficou famosa principalmente por conta da história do cofre, no qual um garoto postou uma mensagem dizendo que tinha um cofre no banheiro da casa dele e ninguém sabia o que tinha dentro. Um belo dia, a mãe resolveu revelar o segredo e muita gente ficou curiosa sobre o assunto. Assim, viralizando na internet, principalmente por relatar os acontecimentos da vida de forma sarcástica e debochada.

80% do público é LGBT (embora tenha alguns héteros), donas dos dialetos que saem nas rodas de conversa, fazendo com que o público se identificasse rapidinho. É lá que surgiram diversas gírias na internet, como “Manas”, “Atentas”, “Sapão”, “Pisa Menos”, “Tour” e dentre outras. Por que as pessoas vão ao LDRV? As pessoas se identificam com o assunto, ficam a vontade para sair da caixinha dos padrões e é uma forma de desabafar enquanto o mundo lá fora está um caos.

Em cada tour é possível ver as pessoas comentando e usando gifs para opinar. Foram assim que surgiram os memes da Gretchen, da Nicole Bahls, Rupaul’s Drag Race e dentre outros personagens. Ela resume um conteúdo de sucesso à internet: linguagem adaptada ao público, texto escrito aliado à parte visual, coerência (Não vai jogar meme da Gretchen em assunto sério) e interação.

Sim, a interação é um ponto forte do LDRV, principalmente a função do “edit”, que é uma forma de  atualizar a postagem para mostrar os seus desdobramentos.

Bonavides, por sua vez, começou sua militância política quando estudante do curso de Direito da UFRN, onde participou ativamente da construção do projeto de extensão popular Lições de Cidadania (hoje chamado Moryrum) e foi dirigente do Centro Acadêmico Amaro Cavalcanti, um dos centros acadêmicos mais ativos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sempre a defender a democratização do acesso ao ensino superior público e a função social da universidade. É formada em Direito (UFRN) e mestre em Direito Constitucional (UFRN).

Participou ainda do Observatório da Câmara, que realizou os debates sobre mobilidade urbana e aumento da tarifa de ônibus que antecederam os movimentos Revolta do Busão e Fora Micarla, onde teve atuação destacada como militante e como estudante de Direito, participando da comissão que escreveu o Habeas Corpus impetrado junto ao STJ, que impediu que a histórica ocupação da Câmara Municipal do Natal realizada em 2011 terminasse com a polícia invadindo a CMN e retirando os manifestantes de forma violenta.

Desde 2009 participa de projetos de educação popular, através dos quais atuou em assentamentos rurais e em comunidades como Leningrado e Mãe Luiza, construindo conhecimento com as populações em situação de elevada vulnerabilidade social na luta em defesa dos direitos sociais.

Foi uma das fundadoras do Escritório Popular, primeira organização de assessoria jurídica de movimentos sociais do estado, que possibilitou o contato íntimo com diversas demandas populares, destacando-se no combate à criminalização dos movimentos sociais e na assessoria a vítimas de violência institucional.

Participou da assessoria política e jurídica da Associação Potiguar dos Atingidos pelas Obras da Copa em Natal, defendendo as comunidades que seriam desapropriadas; e do Comitê Popular da Copa, atualmente Comitê Popular de Direitos.

Foi advogada do MST, com atuação em diversos acampamentos em todo o estado.

Assessora do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas, que luta em defesa do direito à moradia na cidade de Natal; o Movimento da População em Situação de Rua, vítima cotidiana de violência institucional; e o Movimento pela Humanização do Parto em Natal.

Advogou também na área sindical, por exemplo, para o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Natal, conhecendo de perto a realidade dos serviços públicos no município e a necessidade de valorização dos profissionais.

Fez parte da Comissão de Direitos Humanos e da Comissão da Memória e Verdade da OAB; e foi Conselheira do Conselho Estadual de Direitos Humanos e Cidadania (COEDHUCI), onde atuou, dentre outras temáticas, com mulheres familiares de pessoas em privação de liberdade. Foi ainda Conselheira do Conselho Gestor do Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (PROVITA).

Participou da elaboração do projeto do Centro de Referência em Direitos Humanos da UFRN, compondo atualmente sua coordenação.

Durante o seu mestrado em Direito Constitucional pela UFRN, estudou o oligopólio dos meios de comunicação e a necessidade de democratização da mídia, especialmente no que se refere a políticos que detêm meios de comunicação. Participa do Fórum Potiguar de Comunicação Social e do Intervozes (Coletivo Brasil de Comunicação Social), dentre outros espaços de militância e atuação profissional.

Estagiou no Departamento de Cooperação Jurídica da Organização dos Estados Americanos (OEA), onde trabalhou com a Convenção Interamericana contra a Corrupção e participou de audiências da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Desde 2016 começou a atuar como vereadora em Natal e é candidata a deputada federal.

Fim de semana é dia de montar uma Startup em Natal

Entre os dias 03, 04 e 05 de agosto a capital potiguar recebe mais uma edição do Startup Weekend, uma das principais iniciativas globais de inovação e empreendedorismo. Como rola? Lá várias pessoas formarão grupos e em dois dias montarão um projeto de empresa que tenha uma tecnologia que possa ser lucrativa e útil na vida das pessoas. Serão 54 horas de criação de modelos de negócios, programação, design e validação de mercado. A programação começa a partir das 18h da próxima sexta-feira (03) e termina às 21h do domingo (05), em Natal, na sede do SEBRAE/RN.

Durante o evento os participantes são incentivados a tirar uma ideia do papel, torná-la viável e apresentá-la a potenciais investidores. Mais de 8 mil startups foram criadas durante os encontros realizados em cerca de 100 países. Portanto, quanto mais criativo o projeto, mais chance de investimento e mais chance deste pequeno produto se tornar realidade. No Brechando, por exemplo, já citamos vários exemplos, como a coleira criada para cães cegos, a Blindgog, ou um serviço que ajude a marcar consultas.

Por falar no Blindog, a co-fundadora Luana Wandecy estará no evento para ser uma das mentoras dos integrantes que querem montar uma startup neste fim de semana.

De acordo com uma das organizadoras do SWNatal, Monnaliza Medeiros, o Startup Weekend tem um papel muito importante na saúde do ecossistema empreendedor potiguar: “Participei em 2016 e tive a oportunidade de desenvolver uma série de habilidades em um curtíssimo espaço de tempo. Essa metodologia de 54h tem um poder transformador, pois você descobre que é capaz de desenvolver coisas incríveis, que jamais imaginou, com pessoas até então desconhecidas, em um único final de semana. É impossível sair do SW com a mesma cabeça que entrou, os mentores fazem questão de mexer bastante com você até tirar uma ideia boa dali”, comentou.

Para esta edição já foram confirmados sete mentores: o empreendedor e escritor Fred Alecrim, um dos fundadores dos postos Ale; o acelerador da ACE Christian de Pietro, a UX designer e desenvolvedora front-end Nayara Rocha, o empreendedor e fisioterapeuta Felipe Neves, a fundadora e coordenadora do projeto social ‘Meninas Também Jogam’ Tainá Medeiros, o consultor em marketing digital Glebe Duarte e a co-fundadora da startup potiguar Blindog Luana Wandecy.

Em sua primeira edição como mentor, Fred comenta que espera encontrar muita gente boa que queira melhorar o mundo a partir do empreendedorismo, e que enxerga as startups como caminho para melhorar a vida das pessoas em nosso Estado e País. Felipe acredita ser uma ótima oportunidade para os participantes fazerem networking, pois pessoas de diversas áreas estarão presentes.

De acordo com Tainá, todo o evento é um tempo investido em aprendizado, uma experiência única, que pode resultar em startups que irão mudar o mercado. “Minhas expectativas é que os participantes consigam absorver essa experiência e possam aplicar posteriormente em seus negócios. A experiência pode parecer bem rápida, porém, quando bem executada carrega uma bagagem de aprendizagem enriquecedora para todos os envolvidos”.

Para Christian existem alguns pontos importantes que os participantes precisam estar atentos, como, “Ter uma mentalidade global, pois a tecnologia permite que a gente atue além de fronteiras e colocar o cliente no centro de tudo que a empresa faz”.

 

SERVIÇO

Startup Weekend Natal

Local: SEBRAE/RN

Data: 3 à 5 de agosto

Horário: Das 18h do dia 3 às 21h do dia 5

Inscrições: https://www.sympla.com.br/startup-weekend-natal__297290