Dando rolé no Museu Café Filho

Cidades
Compartilhe:

Quando vamos viajar para algum lugar, sempre queremos:

  • Ir aos museus;
  • Visitar os principais pontos turísticos;
  • Restaurantes;
  • Atividades de lazer; ou
  • Relaxar apenas.

Mas, que tal fazer na própria cidade? Então, o Brechando resolveu visitar dois principais pontos turísticos da cidade e optou por visitar dois museus da cidade, que estão localizados um do lado do outro e no Centro Histórico. Uma forma de passear pela Natal das antigas em pleno 2018.

A nossa primeira parada foi no Museu Café Filho, casarão histórico que estava fechado há anos e voltou as atividades recentemente.  O local funciona das 08 às 17 horas, de segunda a sexta-feira.

O local foi reaberto em setembro do ano passado e é tombado  pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), é parte de uma série de obras com o objetivo de resgatar instituições e patrimônios que fortalecem a cultura do estado.

A casa foi construída entre 1816 e 1820 por José Alexandre de Melo e foi a primeira construção assobradada de propriedade particular em Natal. Por isso, ele recebeu o apelido de sobradinho, mas também de Véu de Noiva, pela forma em declive acentuado de seu telhado.

O local recebe o nome de Café Filho por ter sido a casa de propriedade do político. Embora nunca tenha morado lá, a residência foi o local onde ele montou o Sindicato dos Trabalhadores e da Banda de Música.

“Muita gente se refere o local como a residência oficial de Café Filho, embora o mesmo tenha morado mesmo na Ribeira e morreu no Rio de Janeiro”, disse o artista Francisco Francinildo, colecionador de artes e que atualmente está expondo a sua coleção dentro do museu.

Nascido em Alexandria, onde viveu no sítio Quixababa, até seus 14 anos, o mesmo sempre teve acesso às manifestações cultuais. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ele se formou em psicologia e foi um dos fundadores da galeria Convvi’Art, que fica no Centro de Convivência.

Francisco Francinildo mostrando a sua coleção em exposição montada no Museu Café Filho

Ainda contribuiu com a Galeria de Arte do Centro de Turismo e também o museu Casa dos Milagres, também no mesmo local. Francinildo ainda tinha uma loja de artes dentro do centro, que fechou as portas em 2012. “Eu achava que iria vender toda a minha coleção, mas quem gosta de arte não para de conhecer os novos artistas e coletar outros objetos”, alegou o simpático colecionador, que fez questão de mostrar toda a sua coleção e onde conheceu cada artista.

Francinildo há anos visita os artíficies, artesões e artistas do Rio Grande do Norte e também de outros estados brasileiros, sabe a diferença de cada um. Uma aula de arte e a gente via o seu amor pelas coisas do interior, como a fábrica de queijo de coalho, os santos e o equipamento para fazer pamonha. “Isto me faz lembrar os tempos que vivi em um sítio. Sabia que fiquei lá até os 14 anos?”.

Tem trabalhos de Dorian Gray, Etelânio, Fábio Eduardo, Manxa, Jotó, Etewaldo, Chico Daniel, Zé de China e dentre outros artistas potiguares.

A exposição, intitulada de “Privado é Público”, veio ao Museu Café Filho por convite de Isaura Rosado, então diretora da Fundação José Augusto (FJA).

Um pouco mais sobre o museu

Adquirido pelo Governo do Estado em 1960, foi tombado e restaurado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, passando a abrigar o Museu de Arte e História do Rio Grande do Norte, de 1965 a 1978.

O Museu também se tornou plataforma para o lançamento de um movimento poético, em 1960, o Poema Processo, que juntou artistas potiguares e cariocas numa revolução que até hoje gera inovações na arte literária.

Apenas em 1979 se transformou em Museu Café Filho, onde por muito tempo armazenava diversos objetos pessoais do único presidente da República que veio do Rio Grande do Norte e  conta a história do política por meio de fotos, objetos e documentos. A história do político também é retratada através de uma biblioteca particular vinda do Rio de Janeiro, que fez parte da residência do presidente.

Hoje esses objetos foram retirados para abrigar a exposição “Queremos mostrar os nossos talentos no Rio Grande do Norte, que não são falados frequentemente na mídia e são brilhantes”, do Francisco Francinildo, conhecido pelo nome Nildo.

São mais de mil obras entre quadros, esculturas em madeira e cerâmica, acrílica, porcelanas e utensílios domésticos rurais representativos de mais de 90% dos artistas potiguares.

O trabalho estará disponível para visita até o dia 30 de junho.

[metaslider id=19014]

Pinacoteca do Estado

Do lado do Museu Café Filho existe o Palácio Potengi, onde abriga a Pinacoteca do Estado. A atual Pinacoteca do Rio Grande do Norte já foi o Palácio do Governo e é a maior expressão da arquitetura neoclássica em Natal. O governador Alberto Maranhão, transformou-o em 1902 na sede do Governo Estadual.

A lateral da Pinacoteca fica na Rua da Conceição, considerada a primeira rua da cidade. Do outro lado do prédio está a Praça André de Albuquerque e se olhar nas suas janelas ainda consegue ver o Rio Potengi. Nos fundos do casarão tem vista para a Igreja de Nossa Senhora da Apresentação, a antiga catedral, e o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte.

Permaneceu como centro da vida política do RN até 1995, durante o governo de Garibaldi Alves FIlho.

Na parte inferior do prédio ocorre as exposições itinerantes, no qual está em destaque uma coleção de fotos de Natal antigamente, mostrando a vida cotidiana de Natal do século XIX e XX. “Infelizmente, os natalenses acham que beleza é somente prédios modernos, por isso não sabemos preservar a nossa história”, disse Gaspar Lemos, o guia que nos conduziu na Pinacoteca, que por coincidência tem o nome do arquiteto que projetou a Fortaleza dos Reis Magos.

“Onde fica as exposições funcionavam as secretarias do governo. Imagine toda aquela estrutura do Centro Administrativo, próximo da Arena, no mesmo prédio. Hoje, ele não conseguiria manter toda a administração do Estado por aqui”, contou.

Já no piso superior está o acervo do Governo do Estado, que conta com obras de potiguares e nacionais. Além disso, mostrava como é a sala de reunião e o gabinete dos governadores, com a fotografia de todos os Chefes do Executivo que trabalharam no local.

No aspecto museológico a Pinacoteca Potiguar tem dois grandes destaques: Uma escultura do Budda do Laos, uma raridade do final do século 12, procedente do Laos, na Ásia. A peça é de chumbo e banhada em ouro. Foi doada pelo colecionador suíço que morou em Natal, Fritz Alain Gegauf.

Além disso, o local tem um busto do Imperador do Brasil Dom Pedro I.

O espaço será fechado neste ano para realização de uma reforma, que está previsto para acontecer em um ano.

[metaslider id=19013]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *