Crianças de Nova Cruz decoram muro da escola com Graffiti – Brechando

Crianças de Nova Cruz decoram muro da escola com Graffiti


Aprender uma arte nova ajuda a juventude a ter diversas oportunidades para o futuro. Inclusive aprendendo a arte urbana, como o graffiti. No final de fevereiro, o Augusto Furtado (também conhecido como Arbus), a convite do projeto “Casa das Palavras”, visitou a cidade de Nova Cruz, no interior do Rio Grande do Norte, à 96 quilômetros de Natal. Lá, ele foi à Escola Estadual Alberto Maranhão, por sinal é o nome do primeiro governador do Rio Grande do Norte na República, ensinou sobre a arte e ajudou os jovens a fazer um mural na escola.

Cerca de 15 meninos e meninas, com faixa etária variada, participaram em três dias de atividade

“Os mais novos chegaram a me chamar de tio (risos) e os mais velhos ficavam me referindo como professor”, afirmou o grafiteiro em entrevista ao Brechando.

Leia Também:
Os grafites de Arbus

Primeiro, eles fizeram um esboço no papel do que iria pintar e, por fim, projetar para a parede, com muita orientação e tinta. A pintura do mural durou dois dias. Mas, cada um com o seu estilo, para não perder a originalidade que foi proposta durante as aulas. “Dizia para eles que tinha que ser uma coisa bem individual cada um tem o seu acho que eh um exercício criativos. Consegui mostrar para eles que é possível fazer a arte deles em grande escala. Algo que a professora dizia que eu iria fazer um ‘milagre’ (risos)”, contou.

O projeto Casa da Cultura que conta com uma programação, distribuindo ao longo da sua execução mais 25 minibibliotecas para compartilhamento de livros em Natal. Reunir escritores e artistas das diversas áreas em torno de palestras, bate-papos e encontros sobre literatura também é objetivo da Casa das Palavras. Agora o projeto está andando em outras cidades do Nordeste.

Jovem produzindo a sua arte no muro da E.E. Alberto Maranhão
Cada minibiblioteca conta com um acervo inicial de 40 livros de escritores potiguares, nos mais diversos gêneros literários (poesia, contos, romance, cordel, quadrinhos e crônicas). Para etapa inicial de doação e instalação dessas minibibliotecas, os leitores são instigados a retirar os livros para a leitura, mas a proposta é que esse mesmo leitor possa devolver o livro para que a leitura seja multiplicada, atendendo a tantas pessoas que se sintam curiosas e tenham a oportunidade de ter um livro em suas mãos.
Arbus durante a oficina (Foto: Instagram)

Além de grafite, eles tiveram oficina de teatro, com Rodrigo Bico, e de mamulengo, com o grupo Caçuá de Mamulengos. Ainda foi instalada a biblioteca da escola.

O resultado da decoração pode ser visto a seguir:

 


Deixe uma resposta