Professor da UFRN expulsa aluna por levar filha à sala de aula

O professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Alípio Sousa Filho, expulsou a sala de aula durante uma aula na noite desta terça-feira (6), no setor de aulas II, local conhecido por abrigar diversos cursos de ciências humanas, como história, geografia, psicologia, comunicação social, filosofia e dentre outros. Segundo o relato do Centro Acadêmico (CA) do curso, o motivo da expulsão seria pelo fato da moça ter levado à filha criança dentro da instituição de ensino. O assunto viralizou nas redes sociais natalenses nesta quarta-feira (7), véspera do Dia Internacional da Mulher.

Sousa Filho é conhecido por debater assuntos voltados aos Direitos Humanos e no ano passado ele lançou o livro chamado “Tudo é construído, tudo é revogado”. Ele é graduado pela UFRN, doutor em sociologia (URD – Paris) e pós-doutor (UFRJ).

“[O professor esteve] indignado pelo fato de que a criança fazia um desenho junto a outra colega nos momentos finais da aula”, afirmou o CA. A mãe da jovem, que saiu da sala chorando, no entanto, levara a filha pelo fato de morar numa região periférica e muito menos para pagar uma babá.

O docente alegou que a presença de uma criança ao falar um conteúdo, principalmente para adulto, poderia atrapalhar o desenvolvimento cognitivo da jovem, no qual o assunto da aula era “Fatos Sociais” a partir do sociólogo Émile Durkheim. Os colegas da instituição afirmam que a mesma é aluna de outras quatro disciplinas na instituição, em que sua filha também a acompanha, e nunca ouviu nenhuma advertência do tipo, visto o comportamento exemplar da criança, que a ninguém incomoda, o que pode ser testemunhado por qualquer outro.

Até o momento, o professor não se pronunciou oficialmente sobre o assunto e muito menos a UFRN. Dentro dos áudios as frases ditas pelo acadêmico foram: “As pessoas precisam respeitar a autoridade do professor”/”Só vai (para universidade) quem tem condições”/ “Se Vire”/ “Façam nota, façam o escândalo que quiserem, vão pro caralho reclamar, agora quem vai na frente reclamar sou eu! Por que o professor tem a outorga do estado de mandar na sala de aula”.

O áudio completo do professor após expulsão da aula está circulando pelo Whatsapp e pode ser ouvido a seguir:

Caso não consiga escutar, clique neste link.

O CA mandou uma nota repudiando a atitude do professor. Confira a seguir:

O CA de Biomedicina também mandou uma nota de repúdio:

Jacaré Banguela é uma das atrações confirmadas na Campus Party de Natal

As primeiras atrações da Campus Party, marcada para acontecer entre os dias 11 a 15 de abril em Natal, já foram confirmadas. Dentre os participantes está o blogueiro e comediante Rodrigo Fernandes, também conhecido como Jacaré Banguela. Ele estará presente no palco “Feel The Future”, onde ele vai apresentar a palestra Plano Alfabeto: Muito além do plano B.

Fernandes tem 34 anos e está na internet há mais de 10 anos. Tudo começou com o blog Jacaré Banguela, que deu nome ao canal do influenciador digital no YouTube. Natural de Cuiabá (MT), atualmente mora em São Paulo e continua trabalhando com web, dedicando-se à sua websérie Anônimo.

Dentre os outros convidados confirmados está Rosaly Lopes e Gabe Gabrielle.

Lopes é uma astrônoma, geóloga planetária, vulcanóloga e autora de diversos artigos científicos e livros brasileira. Suas pesquisas se concentram nos processos de superfície terrestre e planetária, com ênfase em vulcanologia.

Já o Gabrielle, por sua vez, foi diretor de Engenharia do Comando Especial de Operações da Força Aérea dos Estados Unidos, engenheiro da computação da Nasa onde trabalha hoje como palestrante oficial. Visitou mais de 320 escolas nos Estados Unidos e também em diversos países como Noruega, Dinamarca, Alemanha, Trindade e Tobago, Qatar, África do Sul e Brasil, palestrando para quase 30 mil estudantes. Ele já participou da edição brasiliense da Campus Party.

As vendas estão sendo feitas exclusivamente via boleto bancário e cartão de crédito. Para a imprensa também está fazendo o credenciamento para aqueles que estiverem interessados em cobrir, clicando aqui.

Leia Também
Campus Party de Natal acontecerá entre 11 a 15 de abril e terá parte dedicada ao aeroespacial
10 fatos sobre a Campus Party de Natal

Os links disponíveis para ingressos estão aqui.

A Campus Party de Natal, também conhecida como CP Jerimum, acontece entre os dias 11 a 15 de abril, no Centro de Convenções, na Via Costeira. A capital do Rio Grande do Norte é a terceira do Nordeste a receber este tipo de evento.

A Campus Party é o principal acontecimento tecnológico realizado anualmente em várias cidades brasileiras. Já aconteceu em Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Recife, Pato Branco e Salvador. Nele são tratados os mais diversos temas relacionados à Internet, reunindo um grande número de comunidades e usuários da rede mundial de computadores envolvidos com tecnologia e cultura digital.

Surgiu na Espanha, onde foi realizado o primeiro dos eventos em 1997, posteriormente estendendo-se a outros países como Brasil, Colômbia e México. Hoje é considerado um dos maiores eventos de inovação, ciência, criatividade e entretenimento digital de todo o mundo, tendo reunido milhares de cidadãos de todos os cantos do mundo em um único espaço.

Para organizar e facilitar a participação das pessoas, o evento é divido em quatro Zonas principais: Inovação, Criatividade, Ciência e Entretenimento Digital. Dentro das Zonas, são encontradas as Áreas de Conteúdos onde ocorrem efetivamente as atividades programadas.

A circulação dos campuseiros, como são conhecidos os participantes do evento, é livre entre estes espaços. Porém, aqueles que querem chegar ingresso também pode comparecer ao evento, sem problemas, mas em áreas limitadas.

Você pode participar gratuitamente de terapia em grupo de enfrentamento à tristeza

É normal ouvir relatos de amigos que não estão conseguindo sair de casa ou não possuem alguma disposição para fazer um trabalho e estudar. Esses são alguns sintomas da depressão. De acordo com a revista Saúde, uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, acessou dados de 176 245 adolescentes de 12 a 17 anos e de 180 459 adultos com 18 a 25 anos — isso no período entre 2005 e 2014. E o resultado foi preocupante: analisando as respostas de questionários ligados ao bem-estar psíquico, a taxa de jovens que reportaram ter sofrido algum episódio de depressão subiu 37%.

Leia Também:

• Artigo: Geração Fluoxentina

• Por que apoiamos o Setembro Amarelo?

Sabendo disso, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), através do Departamento de Psicologia, está com inscrições abertas para estudantes interessados em participar do Programa de Enfrentamento à Tristeza. O propósito do Programa é auxiliar no tratamento de jovens, especificamente estudantes universitários, no conhecimento da biologia da depressão e enfrentamento à tristeza, oferecendo de maneira gratuita tratamento psiquiátrico ou psicológico, por meio da terapia-cognitivo comportamental (TCc) em grupo.

Este é o mais novo projeto de pesquisa e extensão, multicêntrico, promovido em parceira com outros setores como a Pós-Graduação de Psicobiologia, o Instituto do Cérebro e o Serviço de Psicologia Aplicada (SEPA).

Informações sobre as inscrições, diagnósticos, o processo de triagem e tratamento podem ser obtidas por meio do endereço eletrônico: enfrentamentoatristeza@gmail.com.

Na mesma reportagem da Revista Saúde, o coordenador do Ambulatório de Transtornos Afetivos na Infância e Adolescência do Hospital das Clínicas, em São Paulo, Miguel Boaratio panorama da depressão não é exclusividade dos americanos. Ele alega que aumentou a procura de adolescente para consultar alegando problemas com a saúde mental, embora não tenha um estudo formal para confirmar o fato.

Os autores daquele trabalho não sabem responder com clareza o que está causando esse aumento significativo. Para Boarati, a maior cobrança por bons desempenhos e o cyberbullying podem ser apontados como alguns dos vilões. Mas por que as garotas estariam sendo mais afetadas? Questões hormonais e culturais podem estar envolvidas. Inclusive, o próprio padrão de beleza atual e as exigências por trás dele — que certamente são mais fortes no sexo feminino — teriam um papel importante nesse sentido.