Nós vamos explicar quem foi o K-Ximbinho e a importância dele para o Chorinho

Artistas Potiguares
Compartilhe:

Segunda-feira, 23 de abril, comemora-se o Dia do Choro. Mais conhecido como chorinho, o choro é um gênero de música popular brasileira, genuinamente carioca, mas conhecido no mundo todo. Neste dia, o gênero é celebrado em diversos países, como Japão e França. As rodas de choro geralmente acontecem em bares, ou até mesmo na casa dos músicos, e são como reuniões informais. Chiquinha Gonzaga e Pixinguinha são alguns dos músicos de chorinho mais conhecidos no país, mas não podemos esquecer um importante artista potiguar deste gênero, o K-Ximbinho, mais precisamente da cidade de Taipu.

K-Ximbinho quando jovem

Segundo o maestro Paulo Moura, K-Ximbinho foi “o mais original dentre os instrumentistas que se dedicaram à orquestra popular urbana”. Dedicou-se ao “jazz”, ao choro e ao conjunto regional. O nome dele é Sebastião Barros, nascido no ano de 1917. Começou desde jovem a estudar clarinete e frequentou a banda marcial da cidade. Depois, ele se juntou a família para morar na capital potiguar, onde criou uma banda de Jazz e também da banda do Exército. No início da década de 40 entrou na Orquestra Tabajara, em João Pessoa, passaporte para sua carreira no Rio de Janeiro, onde integrou na banda do Fon Fon e Napoleão Tavares.

Depois, a Tabjara se mudou para o Rio de Janeiro e K-Ximbinho retornou para banda. Seu primeiro Choro gravado foi Sonoroso (com Del Loro ), pela Continental, em 1946. Até hoje esse é um de seus choros mais famosos. Você pode escutar este choro a seguir:

Participou, com muitos dos importantes instrumentistas brasileiros da época, dos anos de ouro do rádio, acompanhando artistas em evidência, e também teve muita importância no circuito de orquestras e danceterias , tendo participado em 1955 do grupo da famosa danceteria ‘Sachas’. Também participou como orquestrador da TV Globo na década de 60.

Seus maiores sucessos, além de ‘Sonoroso’, são ‘Eu quero é sossego’, ‘Sonhando’ ‘Sempre’, entre outras. Faleceu no Rio de Janeiro em 26 de junho de 1980 depois de gravar seu último disco.

Em 2009, foi homenageado pelo grupo Flautistas da Pro Arte com o espetáculo “K-Ximbinho – Um mestre do sopro” em espetáculos apresentados no Teatro Municipal do Jockey, na Sala Baden Powel e no Jardim Botânico, todos no Rio de Janeiro. Na ocasião foram apresentadas suas obras “Sonoroso”, “Mais uma vez” e “Sonhando”, todas com Del Loro; “Tô sempre aí”; “Ternura”; “Simoninha na Barra”; “Tudo passa”; “Sempre”; “Velhos companheiros”; “Auto-plágio”; “Eu quero é sossego”, com Hianto de Almeida; “Teleguiado” e “Catita”. Em 2010, as gravações dos choros “Sonoroso”, “Meiguice” e “Mais uma vez”, com Del Loro, na interpretação da Orquestra Tabajara, foram incluídas no CD 4 da coletânea “Chorinho do Brasil – Vol. 2” da Warner Music.

Neste FDS haverá diversas atividades em uma forma de homenagear o choro. Confira a programação completa a seguir:

Moinho da Batata, Ponta Negra
20/04 ás 20h | Entrada R$ 10,00
Atrações:
Ricardo Menezes
Clara Menezes
Carlos Zens
Jailton Medeiros

Rádio Universitária FM, 88,9Mh, Natal
21/04 ás 7h | Transmissão ao vivo
Especial Dia do Choro sob o tema:O CHORO E SEUS DESDOBRAMENTOS: DO CHORO AO CANTO, DO CANTO AO CHORO
Bate papo e muita música com a cantora Laryssa Costa e os músicos do Choro Real.

Bar 294, Petrópolis
22/04 ás 17h | Entrada R$ 15,00
Atrações:
Choro da Terra (17h)
Choro do Elefante (20h)

Chopperia Petrópólis
22/04 ás 17h | Gratuito
Atrações:
Choro do Elefante (17h)
Choro da Terra (20h)

Bar do Zé Reeira, Cidade Alta
23/04, a partir das 12h | Gratuito
Atrações:
-Chico Bethoven e Choro do Elefante
– Choro Bom
-Choro da Terra
-Laryssa Costa

Som da Mata,Parque das Dunas
23/04- as16h30 | Entrada R$ 1,00
Atrações:
-Choro Real Alexandre Moreira, Gustavo Medeiros, Fernando Botelho e Deo do Pandeiro)
– Diogo Guanabara
-Carlos Zens
-Bruno Barros
-Família Pádua

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.