Você pode explorar mais coisas do lado do Morro do Careca

Ponta Negra é uma das praias mais frequentadas pelos natalenses e turistas. De acordo com as informações coletadas pelo blog, ela tem quatro quilômetros de extensão. No extremo sul fica o Morro do Careca, o ponto turístico mais famoso de Natal. Caminhando em direção ao norte, percorrem-se primeiramente ao redor de 2 km da avenida Erivan França, os quais são repletos de bares, restaurantes, hotéis, boates, pequenas galerias de shopping, etc.

Ao final do trecho beira-mar da avenida Erivan França, ocorre uma bifurcação: a avenida sobe uma íngreme colina, em direção ao bairro de Ponta Negra, e o calçadão prossegue por mais 2 km, frequentados por praticantes de caminhadas (nesse trecho, existe absoluta predominância de pousadas, ocasionalmente entremeadas por barracas). No final, você pode encontrar os hotéis da Via Costeira, estrada que liga o bairro de Ponta Negra aos da zona Leste.

Entretanto, o Morro do Careca pode ser explorado de outras formas, visto que subir nele está proibido desde 1999, apesar da cerca de proteção ser bastante fácil de entrar e de vez em quando consegue ver pessoas tentando subir, outros ficam no pé do morro e estendem as cangas para ficar vendo a vista. Ou também tem a opção de caminhar neste caminho, que é uma verdadeira trilha.

Sai daí, boy

Como fez o Brechando nesta semana e pode constatar: Vale a pena conhecer um pouco a natureza oculta da praia mais famosinha.

Primeiramente, só consegui caminhar com a maré baixa e precisa estar bem disposto, pois passará por muitos caminhos diferentes e cuidado para não se machucar. Cansou? Sentar no paredão de pedra que traz uma vista panorâmica da praia ou ver alguns natalenses a se arriscarem no stand-up pandle. Veja esta foto a seguir:

Do lado existe um paredão de rochas, que se junta com os resquícios da Mata Atlântica. É comum ver a mistura de árvores nativas, como cajueiro e cactos, se tocarem nas rochas. Lá, muitos natalenses sentam nos locais para ficar curtindo mar e fugir das barracas de praia que custam 10 reais para poder sentar ou possuem comidas muito caras. Aos pés do morro começa uma trilha pela formação do continente americano.

É em Ponta Negra que estão rochas sedimentares com mais de 150 milhões de anos. São pedras bem escuras e por isso que a praia recebe este nome. O bom é fazer a caminhada com a maré baixa, pois é uma tremenda aventura em retornar com o mar agitado. Sem contar que as rochas formam verdadeiras piscinas naturais, ótimo para a criançada.

A água é ótima para tomar banho (água tranquila, mesmo) e você pode nadar tranquilamente.

Era comum nas rochas ver diversos animais, como caranguejo e vários peixinhos. Quando paramos de fazer a curva sob o Morro do Careca, está na hora de retornar, pois chegamos na praia de Alagamar, que fica na parte de trás do Morro do administrada pelo Exército e onde desovam tartarugas de pente, uma das espécies marinhas ameaçadas de extinção no Brasil, segundo o Projeto Tamar.

Veja mais fotos a seguir:

Existe um projeto de coleta remédios vencidos em Natal

Pouca gente não sabe, mas remédios vencidos não podem ser jogados em lixos comuns. Por isso, existe o programa Descarte Consciente, que coletou, no último quadrimestre do ano passado, 72 quilos de medicamentos, desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e foi lançado em setembro no RN.

O descarte de medicamentos no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário contribui para um grave problema de saúde pública. Isso porque as substâncias químicas desses produtos podem chegar aos rios e córregos, o que compromete a qualidade da água para consumo humano. Sem contar que o uso de medicamento jogado em lixo comum pode causar intoxicação daquelas pessoas que manejam o lixo, como catadores.

Além disso, muitos reaproveitam os frascos de xaropes para outras finalidades, o que é incorreto.

Em Natal, uma estação coletora está disponível no Centro de Convivência do campus central da UFRN e outra na Drogaria do Carrefour da Zona Norte, locais onde o público pode depositar pomadas, comprimidos, líquidos, sprays, caixas e bulas. Uma equipe de alunos e farmacêuticos é responsável pela orientação e coleta dos resíduos, que posteriormente são levados para o Nuplam e incinerados.

Além disso, como iniciativa de conscientização, o Descarte Consciente já realizou a exposição cultural “Sobre o uso Racional do Medicamento” em dois shoppings da cidade.

O projeto de extensão ainda envolve os participantes em uma pesquisa sobre os medicamentos descartados, que no futuro se transformará em um estudo do perfil de descarte no Estado. Apesar dos avanços já conquistados pelo programa, o número de coletoras ainda é insuficiente para receber a demanda de toda a região, por isso torna-se essencial o avanço de políticas públicas nesse sentido.

Atualmente no nosso país existe o Projeto de Lei 2121/2011, na Câmara dos Deputados, que dispõe sobre o descarte de medicamentos vencidos ou impróprios para o consumo nas farmácias e drogarias, que está em fase de discussão. Contudo, algumas localidades do país têm legislação sobre o assunto, como por exemplo o estado do Rio Grande do Sul, que promulgou a Lei 13.905, que torna obrigatório as farmácias realizarem a coleta dos medicamentos. Já na Paraíba, a Lei nº 9.646/11 obriga drogarias e farmácias a instalar pontos de coleta de medicamentos que se encontram vencidos ou impróprios para o consumo.

O Brasil é o sétimo país que mais consome medicamentos do mundo.

Os problemas causados pela presença dos compostos de medicamentos no ambiente podem interferir no metabolismo e no comportamento de organismos aquáticos; além dos riscos de doenças na população e animais.