Uma casa em Natal que se transformou em rua

Esta rua da foto acima do título está localizada em Natal, mais precisamente no bairro de Capim Macio, zona Sul. Fica no cruzamento com a Rua Doutor Orlando Silva, localizada na lateral do restaurante Sal & Brasa.

É a única que não está asfaltada ou pavimentada do quarteirão aonde fica, visto que entre 2009 e 2010 muitas ruas do bairro com o IPTU mais caro da cidade foram asfaltadas para receber uma possível obra de saneamento básico, que nunca foi concluída. As ruas de Capim Macio terminaram de ser asfaltadas ou pavimentadas depois de 2012.

Sim, você pagava impostos caríssimos, vivia na zona Sul, perto da praia de Ponta Negra, mas as ruas eram de barro batido.

Mas, como essa rua surgiu? Esta ruazinha, estreita, que mal cabe dois carros foi criada entre 2009 e 2010, não se sabe o ano exatamente. Parece que está fazendo um rally devido aos buracos. Nem pense em andá-la após as chuvas. Geralmente, é utilizada como atalho para quem quer usar outras ruas do bairro como forma de fugir da Avenida Engenheiro Roberto Freire.

Até hoje, ela não tem nome e eu a batizei como a “Rua Esquisita” (embora muitos moradores próximos dela também a chamam desse jeito), pois durante a noite não existe iluminação (só dos faróis do carro) e pode ser bastante perigosa para quem anda a pé naquela região. Veja a imagem a seguir:

imageA rua foi criada após a demolição de uma casa. Alguém teve a ideia de destruir uma casa e fazer com que o terreno se transformasse em uma rua. Ainda consegue ver algumas partes do que restou a casa, como azulejos.

image
Ainda existe alguns resquícios da casa que foi derrubada para fazer a rua

Quem mora mais perto no bairro até hoje fica impressionado de como conseguiram fazer uma rua retirando apenas uma casa. Pesquisando no Google e no site do Tribunal de Justiça no Rio Grande do Norte, não encontrei algum processo de despejo ou alguém pedindo para que uma casa fosse demolida em Capim Macio.

Graças ao programa Google Earth, o Brechando conseguiu acompanhar as mudanças daquela região durante 10 anos, salvando imagens em satélite da região de 2004 e 2008 quando ainda existia a casa e pegar um registro de 2010, com a residência já derrubada para que a rua fosse construída. A casa foi demolida entre os anos de 2008 e 2010, período que o bairro passou por uma obra de saneamento básico, como falado anteriormente. Veja as fotografias a seguir:

image
Em maio de 2008, a casa ainda existia (Foto: Google Earth)

Além da casa, parte do terreno atrás da residência e de uma outra casa ao lado foram reduzidas para que a rua fosse feita, conforme esta imagem de 2010:

image

Através da internet, é possível acompanhar as mudanças que acontecem na capital potiguar.

Este óculos foi feito por um jornalista potiguar e está a venda nesta quinta

A gente está fashion! Momento Vogue (revista de moda) do Brechando! Sabia que conseguimos produzir coisinhas bonitinhas, como este óculos da foto acima? Além disso, é um coleção que pode ser vista nestas fotos a seguir:

Toda a coleção destes óculos têm uma armação feita com madeira de bambu e feito na capital potiguar, no qual será lançado no dia 27 de outubro, próxima quinta-feira. A linha é assinada por Cristiano Félix, jornalista que está cada vez mais inserido no mundo da moda.

Após largar a vida de editor e âncora de telejornais, ele agora fala de moda e cultura na coluna do Novo Jornal (no qual também tem um blog no site do jornal) e tem um programa sobre o assunto, chamado #SemFrescura, no SBT.

É uma parceria do jornalista com a grife Goose, no qual toda a linha será confeccionada com este material de baixo impacto ambiental e com propriedades biodegradáveis. Entre as características de sustentabilidade do bambu, está sua elevada taxa de crescimento, 30% mais rápida do que as espécies de arvores comuns.

Além disso, seu cultivo é considerado um ótimo recurso de recuperação ambiental, já que melhora a qualidade de solos degradados, auxilia na preservação de lençóis freáticos e controla erosão devido à forma de suas raízes.

Cada peça receberá o nome de uma música baiana e o evento de lançamento, realizado na Vila Colonial (onde fica a creperia Dolce France), em Petrópolis, trará as temáticas da Bahia e da sustentabilidade com a colaboração de vários espaços do centro comercial.

Já a Goose Eyewear foi criada em 2010 e chegou à Natal dois anos depois. Recentemente, repaginou o formato comercial, dentro do plano de expansão visando atender todos os estados do Nordeste. Com consultores e representação em lojas multimarcas, atualmente está presente na Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.