Vantagens de ter gatos em casa

Na semana passada, o Thor, o gato que adotamos em abril deste ano, completou seis meses. Esses cinco meses que está na minha casa, ele quebrou todos os paradigmas que as pessoas possuem com gatos. Como falamos neste texto, fomos criadas para aprender a gostar dos bichos, de não maltratá-los, respeitar a natureza e dentre outras coisas. O álbum de família mostra a gente brincando com cavalos, jegue, galinhas, cachorros, gatos e dentre outras coisas.

Hoje, o Thor está super adaptado com a gente, brinca com a Liliva (a cachorra da casa) e sempre está perto dos familiares. Também é um companheiro tão leal e está sempre por perto pedindo carinho, comida ou querendo brincar.

Além disso, ele é o despertador da família, visto que é o primeiro acordar. Sim, ter gatos pode ser uma grande vantagem.

Recentemente, um dos shoppings de Natal promoveu uma feira de adoção de animais, como uma forma de fazer propaganda do Pet Shop que recentemente foi instalado. As pessoas rapidamente adotaram os cachorros. Adivinha quais animais que sobraram? Os gatos. Os bichanos estavam na gaiolas e só ouvia coisas bem preconceituosas.

“Só tem gato agora, troço ruim”

“Não gosto de gato”

“Gato só quer saber da casa e não da família”

Quando você desafia essas pessoas e pegunta “Por que odeia tanto assim os gatos”?, eles não sabem responder e inventam diversas desculpas esfarrapadas. Já ouvi pessoas dizerem que não gostam por que são nojentos e fedem (Oi?), mas é considerado um dos mais higiênicos do mundo.

Outros dizem por que eles são egoístas. Na verdade, eles são independentes, que aprendem o funcionamento da casa ou regras da família rapidamente, sem precisar criar diversos comandos. Não confundir egoísmo com independência.

Minha irmã adotou o Thor após a gata da minha avó ter tido cinco filhotes e ao longo do tempo, minha família concluiu que o importante não é comprar os animais, mas adotar. Se você deseja ter um amiguinho fiel, companheiro e leal, não precisa pagar por um, pois um amigo não se compra. Amigo a gente ama, cuida e respeita. Amigo não tem raça, espécie, não tem pedigree.

Uma das minhas teorias é pelo fato do gato ter algumas manias idênticas com os seres humanos. Gatos são muito parecidos com o ser humano, tem gostos próprios, se você briga com eles, não são como cães que te perdoam dois minutos depois, eles se lembram, e podem ficar escondidos e emburrados por horas, tem expressões faciais, e são independentes, não depende de nós para tudo, sabem se virar sozinhos se for necessário. Os seres humanos não gostam de ser confrontados.

Quando uma pessoa diz que não gosta de gatos, eu quero fazer igual a esse vídeo:

Tá vendo? Gatos também são tão amáveis e são especiais. Os rapazes do vídeo acima mostraram que muito das opiniões deles eram preconceituosas.

Veja as vantagens de gostar de gatos:

gatos_15777747_e437c239ea37dbd0518fae8d637ca9960e14ae25

Doação de sangue: Página estimula ato nos municípios do RN

A página Doe Sangue RN foi criada em maio de 2012, no qual tem a função ajudar no trabalho da equipe, que se estende por todas as redes sociais e também nas ruas e campanhas. A equipe é composta por jovens voluntários, que se mantêm unidos na propagação de informações, ideias e artes que estimulam a prática da doação de sangue.

A página estimula não só os doares da capital potiguar, mas também de outros municípios do Rio Grande do Norte, independente se possui uma unidade do Hemonorte ou não.

A missão do grupo é promover o estímulo à doação de sangue através da propagação de informações pelas redes sociais e por campanhas congêneres realizadas ao longo do ano.

Em quase todos os dias, eles colocam postagens sobre curiosidades em doar o sangue, quem está doando, quais pessoas que precisam e dentre outras coisas. O post mais recente é esse daqui:

Recentemente, eles também divulgaram quais bolsas de sangue estão faltando dentro do Hemocentro.

Sem contar que eles promovem diversos eventos relacionados à doação de sangue. No dia 1º de setembro, por exemplo, haverá um evento para estimular os profissionais de educação física a praticar o ato.

Doação de sangue é o processo pelo qual um doador voluntário tem seu sangue coletado para armazenamento em um banco de sangue ou hemocentro para um uso subsequente em uma transfusão de sangue. Trata-se de um processo de fundamental importância para o funcionamento de um hospital ou centro de saúde.

A doação de sangue foi regulamentada nas terras tupiniquins através da lei nº 10.205, de 21 de março de 2001, regulamenta o §4º do art. 199 da Constituição Federal, relativo à coleta, processamento, estocagem, distribuição e aplicação do sangue, seus componentes e derivados e estabelece o ordenamento institucional indispensável à execução adequada dessas atividades.

No Brasil, trabalhador sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) poderá deixar de comparecer ao serviço, sem prejuízo do salário, por um dia, em cada doze meses de trabalho, em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada.

A coleta de sangue consiste na retirada de cerca de 450ml, através do uso de material descartável, de uso único e estéril. O tempo de permanência do doador no Banco de Sangue, incluindo coleta e triagem, é de aproximadamente 12 minutos. O Ministério da Saúde ainda exige a realização de alguns procedimentos específicos antes e depois da doação.

Antes da doação, o candidato irá passar por uma entrevista de triagem clínica, na qual podem ser detectadas algumas condições adicionais que possam impedir a doação. Após cada doação será realizado um exame de sangue para saber como está a saúde do doador e o resultado é divulgado rapidamente.

Os doadores precisam obedecer as seguintes regras:

Permanecer pelo menos 15 minutos no local para observação;
Não fumar na 1ª hora após a doação;
Tomar bastante líquidos (ex.: água, suco, chá);
Evitar atividades físicas vigorosas ou que coloquem em risco a sua segurança e a de outros nas próximas 12 horas;
Evitar utilizar intensamente o braço onde foi realizada a punção;
Comunicar o Serviço de Hemoterapia caso você queira informar algo que omitiu na entrevista ou achar que seu sangue pode ser prejudicial a outra pessoa;
Procurar o Serviço de Hemoterapia caso apresente qualquer problema que você ache que possa estar relacionado com a doação;
Respeitar o intervalo mínimo entre as doações: 2 meses para o homem e 3 meses para a mulher;